Associação entre a presença de anemia ferropriva com variáveis socioeconômicas e rendimento escolar

Autores

  • Pâmela Alves Silva
  • Thaysa Martins Justino
  • Roberta Angélica Da Silva Heitor
  • Felipe Florentino dos Santos
  • Amanda Rodrigues Barbosa
  • Bruna Gabriela Rocha
  • Ana Carolliny Fernandes Faria
  • Débora Araújo Silva
  • Letícia Gonçalves Resende Ferreira
  • Wander Valadares de Oliveira Júnior
  • Melina de Barros Pinheiro Inácio Universidade Federal de São João del-Rei
  • Danyelle Romana Alves Rios Universidade Federal de São João del-Rei
  • Caroline Pereira Domingueti Universidade Federal de São João del-Rei

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v51i4p271-280

Palavras-chave:

Anemia Ferropriva, Desenvolvimento Infantil, Classe Social

Resumo

Modelo do estudo: Observacional transversal. Objetivo: Avaliar a associação entre a presença de anemia ferropriva com variáveis socioeconômicas e rendimento escolar. Método: Foram incluídas no estudo 124 crianças com idade entre seis e oito anos, estudantes do ensino fundamental de escolas municipais, as quais foram divididas em dois grupos de acordo com a presença (n=32) ou ausência de anemia (n=92). Os níveis de hemoglobina e ferro sérico foram determinados por método colorimétrico, a contagem de hemácias foi realizada utilizando a câmara de Neubauer, o hematócrito foi avaliado utilizando centrífuga de microhematócrito, e foram calculados os índices hematimétricos volume corpuscular médio, hemoglobina corpuscular média e concentração de hemoglobina corpuscular média. O desempenho escolar das crianças foi fornecido pelas escolas participantes e as variáveis socioeconômicas foram obtidas através de preenchimento de ficha clínica e do questionário socioeconômico da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa pelos pais ou responsáveis. Resultados: A prevalência de anemia ferropriva nos escolares foi de 25,8% que é considerada pelos parâmetros da OMS uma prevalência moderada. Foi observada uma maior proporção de crianças sem anemia que apresentaram melhores conceitos escolares e que pertencem aos níveis socioeconômicos mais altos do que de crianças com anemia. Contudo, não foram observadas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos com relação ao rendimento escolar e as variáveis socioeconômicas. Conclusão: Uma prevalência moderada de anemia ferropriva foi encontrada nas crianças com idade entre seis e oitos anos, entretanto, não foi observada uma associação significativa entre a anemia ferropriva com variáveis socioeconômicas e o rendimento escolar.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Pâmela Alves Silva

    Graduada em Farmácia

  • Thaysa Martins Justino

    Graduada em Farmácia

  • Roberta Angélica Da Silva Heitor

    Graduada em Farmácia

  • Felipe Florentino dos Santos

    Graduando em Farmácia

  • Amanda Rodrigues Barbosa

    Graduada em Farmácia

  • Bruna Gabriela Rocha

    Mestranda em Ciências Farmacêuticas

  • Ana Carolliny Fernandes Faria

    Graduada em Farmácia

  • Débora Araújo Silva

    Graduada em Farmácia

  • Letícia Gonçalves Resende Ferreira

    Doutoranda em Ciências da Saúde

  • Wander Valadares de Oliveira Júnior

    Doutoranda em Ciências da Saúde

  • Melina de Barros Pinheiro Inácio, Universidade Federal de São João del-Rei

    Doutora em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal de São João del-Rei

  • Danyelle Romana Alves Rios, Universidade Federal de São João del-Rei

    Doutora em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal de São João del-Rei

  • Caroline Pereira Domingueti, Universidade Federal de São João del-Rei

    Doutora em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal de São João del-Rei

Downloads

Publicado

2018-12-27

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Silva PA, Justino TM, Heitor RADS, Santos FF dos, Barbosa AR, Rocha BG, et al. Associação entre a presença de anemia ferropriva com variáveis socioeconômicas e rendimento escolar. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 27º de dezembro de 2018 [citado 23º de abril de 2024];51(4):271-80. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/154925