Perfil epidemiológico de cirurgias em serviço de urgência e emergência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i3p247-251

Palavras-chave:

Epidemiologia, Cirurgia Geral, Serviço Hospitalar de Emergência

Resumo

Modelo de estudo: Estudo observacional, analítico e transversal. Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico dos pacientes do serviço de urgência e emergência de um hospital privado que foram submetidos a cirurgias. Metodologia: Estudo realizado em um hospital privado com análise de prontuários médicos de pacientes de ambos os sexos com idade igual ou superior a 16 anos que entraram no Serviço de Urgência e Emergência da instituição e foram encaminhados para cirurgia, no período de junho a agosto de 2017. Resultados: Analisou-se 104 prontuários, destes 53,84% corresponderam ao sexo masculino com média de idade de 46,03 anos. O tempo médio de internação foi 4,22 dias, com desvio padrão 7,01 dias e a mediana de 2 dias. Aqueles que apresentam comorbidades corresponderam a 70,19%. Houve um óbito de paciente de 83 anos após neurocirurgia com 62 dias de internação (0,96%). A maior gama das cirurgias correspondeu à apendicectomia com 25 procedimentos (43,85%), tempo médio de internação de 2,32 dias e a média de idade de 36,36 anos. Conclusão: Não houve diferença estatística entre os sexos (p=0.23) e a idade média foi de 46 anos com tempo médio de internação de 4 dias. As doenças abdominais e do aparelho locomotor se apresentaram como as principais causas de entrada no serviço de urgência, mantendo o padrão previamente estabelecido na literatura. Das cirurgias por doenças inflamatórias do aparelho digestivo, enfatiza-se a apendicectomia devido à apendicite aguda.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Simons DA. Avaliação do perfil da demanda na unidade de emergência em alagoas a partir da municipalização da saúde e do programa saúde da família. Recife. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães; 2008.

Rodríguez JP, Sánchez ID, Rodríguez RP, Acosta AS. "Filtro sanitario" en las urgencias médicas: Un problema a reajustar. Rev cubana med 2001 Sep; 40(3):181-188.

Abdallat AM, et al. Who uses the emergency room services? Eastern Mediterranean Health Journal. 2000; 6(5-6): 1126-1129.

Stewart B, Khanduri P, McCord C, Ohene-Yeboah M, Uranues S, Vega Rivera F, et al. Global disease burden of conditions requiring emergency surgery: Global disease burden of conditions requiring emergency surgery. British Journal of Surgery. 2014 Jan;101(1):e9–22.

Narayan M, Tesoriero R, Bruns BR, Klyushnenkova EN, Chen H, Diaz JJ. Acute Care Surgery: Defining Mortality in Emergency General Surgery in the State of Maryland. Journal of the American College of Surgeons. 2015 Apr;220(4):762–70.

Freire AB, Fernandes DL, Moro JS, Kneipp MM, Cardoso CM, Lima SBS. Serviços de urgência e emergência: quais os motivos que levam o usuário aos pronto-atendimentos? Saúde (Santa Maria) Jun 2015; 41(1):195-200.

Scott JW, Olufajo OA, Brat GA, Rose JA, Zogg CK, Haider AH, et al. Use of National Burden to Define Operative Emergency General Surgery. JAMA Surgery. 2016 Jun 15;151(6):e160480.

Snyder E, Amado V, Jacobe M, Sacks GD, Bruzoni M, Mapasse D, et al. General surgical services at an urban teaching hospital in Mozambique. Journal of Surgical Research. 2015 Oct;198(2):340–5.

Ceresoli M, Zucchi A, Allievi N, Harbi A, Pisano M, Montori G, et al. Acute appendicitis: Epidemiology, treatment and outcomes- analysis of 16544 consecutive cases. World Journal of Gastrointestinal Surgery. 2016;8(10):693.

Lee JH, Park YS, Choi JS. The Epidemiology of Appendicitis and Appendectomy in South Korea: National Registry Data. Journal of Epidemiology. 2010;20(2):97–105.

Coelho JCU, Fernandes FM, Cortiano LGG, Leme GM de O, Sadowski JA, Artner CL. Appendectomy: comparative study between a public and a private hospital. Revista da Associação Médica Brasileira. 2010;56(5):522–7.

Metcalfe D, Olufajo O, Rios-Diaz AJ, Haider A, Havens JM, Nitzschke S, et al. Are appendectomy outcomes in level I trauma centers as good as we think? Journal of Surgical Research. 2016 May;202(2):239–45.

Donaldson LJ, Reckless IP, Scholes S, Mindell JS, Shelton NJ. The epidemiology of fractures in England. Journal of Epidemiology & Community Health. 2008 Feb 1;62(2):174–80.

Boufous S, Finch C, Close J, Day L, Lord S. Hospital admissions following presentations to emergency departments for a fracture in older people. Injury Prevention. 2007 Jun 1;13(3):211–4.

Downloads

Publicado

2020-10-14

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Lyra CAM, Dantas LRCF, Todt SC, Palmeira IP, Figueiredo MBG de A, Lima SO. Perfil epidemiológico de cirurgias em serviço de urgência e emergência. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 14º de outubro de 2020 [citado 24º de julho de 2024];53(3):247-51. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/162945