Avaliação dos fatores de risco para osteoporose e aplicação da ferramenta FRAX clínico em idoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i3p292-299

Palavras-chave:

Osteoporose, Fatores de Risco, Fraturas

Resumo

A osteoporose é caracterizada pela fragilidade óssea e mudanças em sua microarquitetura. O seu principal desfecho clínico é a fratura por baixo impacto. Uma das principais ferramentas de avaliação clínica do risco de fratura osteoporótica é o FRAX. Este trabalho objetiva avaliar os fatores de risco para osteoporose e a indicação de tratamento em idosos. Foi realizado um estudo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa e qualitativa, por meio de um questionário, com 145 pacientes que foram atendidos no setor ambulatorial do DeCos Day Hospital, no período de novembro de 2017 a abril de 2018. Observou-se que a osteoporose prevaleceu no sexo feminino, sedentários e com idade média de 71 anos. A presença de fratura predominou na faixa etária de 70 a 79 anos e nenhum participante fazia tratamento específico para a osteoporose. Conclui-se que orientações dietéticas saudáveis são importantes como medida preventiva e a ferramenta FRAX poderia ser utilizada para estimar a probabilidade de fratura, visto que a densitometria não é a acessível a toda a população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Radominski SC, Bernardo W, Paula AP, Albergaria B-H, Moreira C, Fernandes CE, et al. Diretrizes brasileiras para o diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós‐menopausa. Rev Bras Reumatol. 2017;57(S2):S452-S466. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S048250041730178X

Costa ALD, Silva MACN, Brito LMO, Nascimento ACB, Barbosa MCL, Batista JE, et al. Osteoporose na atenção primária: uma oportunidade para abordar os fatores de risco. Rev Bras Reumatol. 2016;56(2):111–6. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0482500415000704?via%3Dihub

Silva ACV, Rosa MI, Fernandes B, Lumertz S, Diniz RM, Damiani MEFR. Fatores associados à osteopenia e osteoporose em mulheres submetidas à densitometria óssea. Rev Bras Reumatol. 2015;55(3):223–8. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0482500414002095?via%3Dihub

Lane NE. Epidemiology, etiology, and diagnosis of osteoporosis. Am J Obstet Gynecol. 2006:194(2, Supplement):S3–S11. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0002937805013700?via%3Dihub

Baccaro LFC, Paiva LC, Pinto Neto AM. Osteoporose. Rev Bras Med. 2014;71(3):48–5.

Cosman F, Beur SJ, LeBoff MS, Lewiecki EM, Tanner B, Randall S, et al. Clinician’s guide to prevention and treatment of osteoporosis. Osteoporos Int. 2014;25(10):2359–81.

Souza BGS, Carvalho LGVA, Oliveira LFMM, Ferreira AG, Amaral RCS, Oliveira VM. Profilaxia primária e secundária de fraturas osteoporóticas: avaliação de uma coorte prospectiva. Rev Bras Ortop. 2017;52(5):538–43. Disponível: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0102361616301023

MacLean C, Alexander A, Carter J, Chen S, Desai SB, Grossman J, et al. Comparative effectiveness of treatments to prevent fractures in men and women with low bone density or osteoporosis. Rockville (MD): Agency for Healthcare Research and Quality (US); 2007 Dec. Report No.: 08-EHC008-EF. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK43160/

Frazão P, Naveira M. Prevalência de osteoporose: uma revisão crítica. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(2):206-14. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2006000200007&script=sci_abstract&tlng=pt

Bernabei R, Martone AM, Ortolani E, Landi F, Marzetti E. Screening, diagnosis and treatment of osteoporosis: a brief review. Clin Cases Miner Bone Metab. 2014;11(3):201–7.

Bastos-Silva Y, Aguiar LB, Pinto-Neto AM, Baccaro LF, Costa-Paiva L. Correlation between osteoporotic fracture risk in Brazilian postmenopausal women calculated using the FRAX with and without the inclusion of bone densitometry data. Arch Osteoporos. 2016;11:16.

Sousa CJ, Oliveira MLC. FRAX Tool in Brazil: an integrative literature review following validation. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2018;21(1):108-15. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232018000100108

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose. PORTARIA Nº 224, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Ministério da Saúde.

Rodrigues IG, Barros MBA. Osteoporose autorreferida em população idosa: pesquisa de base populacional no município de Campinas, São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(2):294-306. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2016000200294

Loures MAR, Zerbini CAF, Danowski JS, Pereira RMR, Moreira C, Paula AP, et al. Guidelines of the Brazilian Society of Rheumatology for the diagnosis and treatment of osteoporosis in men. Rev Bras Reumatol. 2017;57(supl.2):s497-514. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042017000800009

Souza Júnior EÁ, Ferreira NF, Lopes PEC, Torres MS, Baumfeld DS, Andrade MAP de. Significado e considerações sobre a osteoporose por mulheres com e sem diagnóstico da doença. ABCS Health Sci [Internet]. 2019;44(1). Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/1116

Lima AP, Lini EV, Dellani MP, Portella MR, Doring M. Prevalência e fatores associados às quedas em idosos de Estação-RS: estudo transversal de base populacional. Cad Saúde Colet. 2017;25(4):436–42. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-462X2017000400436&script=sci_abstract&tlng=pt

Rocha VM, Gaspar HA, Oliveira CF de, Rocha VM, Gaspar HA, Oliveira CF. Fracture risk assessment in home care patients using the FRAX® tool. Einstein (São Paulo) [Internet]. 2018;16(3). Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1679-45082018000300206&lng=en&nrm=iso&tlng=en

Albergaria BH, Paula FJA. The Algorhytm: FRAX Brazil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2019;41(8):467-8. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032019000800467

Zamboni C, Carvalho MS, Pires EA, Durigan JR, Fucs PMMB, Mercadante MT. Are traumatologists treating osteoporosis to prevent new fractures in Brazil? Acta Ortop Bras. 2018;26(6):384–7. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-78522018000600384

Downloads

Publicado

2020-10-14

Como Citar

1.
Alves Neto JS, Cruz ARC, Pereira F de A. Avaliação dos fatores de risco para osteoporose e aplicação da ferramenta FRAX clínico em idoso. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 14 de outubro de 2020 [citado 5 de dezembro de 2021];53(3):292-9. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/169890

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share