Pensar, gostar e considerar importante a prática de atividade física aumentam as chances de ser ativo no lazer?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v53i4p430-437

Palavras-chave:

Exercício Físico, Saúde, Universidades, Estudantes, Docentes

Resumo

Embora reconhecida como comportamento de extrema importância na saúde da população, a prática de atividade física regular ainda é um grande desafio. Objetivo: verificar o nível de atividade física no lazer e possíveis fatores correlatados em uma comunidade acadêmica do nordeste brasileiro. Metodologia: trata-se de um estudo transversal, constituído por discentes, docentes e técnicos administrativos, utilizou-se como instrumento “Mapa de Atividade Física e Saúde-MAFIS”, realizou-se estatística descritiva, teste de Qui quadrado, com posterior montagem do modelo de regressão logística. Resultados: 52,1% atingiram as recomendações de atividade física (AF), os homens apresentam 65,3% (OR: 1,65; IC95%: 1,29-2,11) mais chance de serem ativos, quem gosta de AF tem duas (OR: 2,02; IC95%: 0,82-4,96) a 4,8 (OR: 4,84; IC95%: 1,99-11,8) vezes mais chance de praticar AF, achar importante fazer AF (OR: 2,23; IC95%: 0,48-10,4) e menos dias sentado aumenta de 48,3% (OR: 1,48; IC95%: 1,032- 2,130) a 53,3% (OR: 1,53; IC95%: 1,09-2,13) a chance de fazer AF e quem pensa em fazer AF (OR: 0,362; IC: 0,203-0,645) tem menos chance de ser ativo. Conclusão: Gostar, considerar importante e menos dias sentados aumentam as chances de fazer atividade física, já pensar sempre em fazer, diminui a chance de ser ativo no lazer.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Ferreira JS, Diettrich SHC, Pedro DA. Influência da prática de atividade física sobre a qualidade de vida de usuários do SUS. Saúde debate. setembro de 2015;39(106):792–801.

Ding D, Lawson KD, Kolbe-Alexander TL, Finkelstein EA, Katzmarzyk PT, van Mechelen W, et al. The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. The Lancet. setembro de 2016;388(10051):1311–24.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. [Internet]. 2010 [citado 11 de novembro de 2020]. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK305057/

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet. julho de 2012;380(9838):247–57.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Práticas de esporte e atividade física-2015: Rio de Janeiro (RJ); 2017.

Concha-Cisternas Y, Guzmán-Muñoz E, Valdés-Badilla P, Lira-Cea C, Petermann F, Celis-Morales C. Factores de riesgo asociados a bajo nivel de actividad física y exceso de peso corporal en estudiantes universitarios. Rev méd Chile. agosto de 2018;146(8):840–9.

Pinto A, Claumann G, Cordeiro P, Felden E, Pelegrini A. Barreiras percebidas para a prática de atividade física entre universitários de Educação Física. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 1o de janeiro de 2017 [citado 11 de novembro de 2020];22(1). Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/view/8194

Takenaka TY, Pagin M, Neves LM,Santos AC, Santos GAB. Incidência de inatividade física e fatores associados em estudantes universitários. Rev Bras Ciênc Movimento 2016; 24(4): 55-62.

Usher W, Curran C. Predicting Australia’s university students’ mental health status. Health Promotion International. 1o de abril de 2019;34(2):312–22.

Snedden TR, Scerpella J, Kliethermes SA, Norman RS, Blyholder L, Sanfilippo J, et al. Sport and Physical Activity Level Impacts Health-Related Quality of Life Among Collegiate Students. Am J Health Promot. junho de 2019;33(5):675–82.

Tassini CC, Val GR do, Candido S da S, Bachur CK. Assessment of the Lifestyle of University Students in the Healthcare Area Using the Fantastic Questionnaire. International Journal of Cardiovascular Sciences [Internet]. 2017 [citado 11 de novembro de 2020]; Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2359-56472017000200117

Gamboa Delgado EM. Sobrepeso y obesidad en estudiantes universitarios colombianos y su asociación con la actividad física: Overweight and obesity in Colombian college students and its association with physical activity. Nutrición Hospitalaria. fevereiro de 2015;(2):629–36

Peltzer K, Pengpid S. The association of dietary behaviors and physical activity levels with general and central obesity among ASEAN university students. AIMS public health. junho de 2017, 4(3): 301.

Khabaz MN, Bakarman MA, Baig M, Ghabrah TM, Gari MA, Butt NS, et al. Dietary habits, lifestyle pattern and obesity among young Saudi university students. JPMA. The Journal of the Pakistan Medical Association. 2017 Oct; 67(10):1541-1546.

Costa MAP da, Vasconcelos AGG, Fonseca M de JM da. Prevalence of obesity, overweight and abdominal obesity and its association with physical activity in a federal University. Rev bras epidemiol. junho de 2014;17(2):421–36.

Luiz RR, Magnani M. A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cadernos saúde coletiva 2000; 8(2): 9-28.

Maciel E da S, Sonati JG, Modeneze DM, Vasconcelos JS, Vilarta R. Consumo alimentar, estado nutricional e nível de atividade física em comunidade universitária brasileira. Rev Nutr. dezembro de 2012;25(6):707–18.

Rodrigues PF, Melo M, Assis M, Oliveira A. Condições socioeconômicas e prática de atividades físicas em adultos e idosos: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 1o de maio de 2017;22(3):217–32.

Simão CB, Nahas MV, Oliveira ESAD. Atividade física habitual, hábitos alimentares e prevalência de sobrepeso e obesidade em universitários da Universidade do Planalto Catarinense-UNIPLAC, Lages-SC. Rev Bras Ativ Fís Saúde. Setembro de 2012, 12(1): 3-12.

Acebes-Sánchez J, Diez-Vega I, Esteban-Gonzalo S, Rodriguez-Romo G. Physical activity and emotional intelligence among undergraduate students: a correlational study. BMC Public Health 2019,19(1):1241. doi:10.1186/s12889-019-7576-5

Olfert MD, Barr ML, Charlier CC, Greene GW, Zhou W, Colby SE. Sex Differences in Lifestyle Behaviors among U.S. College Freshmen. nternational journal of environmental research and public health 2019,16(3):482. doi:10.3390/ijerph16030482

Giles-Corti B, King AC. Creating active environments across the life course: “thinking outside the square”. British Journal of Sports Medicine. 3 de dezembro de 2008;43(2):109–13.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJ, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? The Lancet. julho de 2012;380(9838):258–71.

Mielke GI, Ramis TR, Habeyche EC, Oliz MM, Tessmer MGS, Azevedo MR, Hallal PC. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade Federal de Pelotas. Rev Bras Ativ Fís Saúde. Setembro de 2010; 15: 57-64.

Andersen LB, Mota J, Di Pietro L. Update on the global pandemic of physical inactivity. The Lancet. setembro de 2016;388(10051):1255–6.

Ministério do Esporte (BR). Diesporte: diagnóstico nacional do esporte. O perfil do sujeito praticante ou não de esportes e atividades físicas da população brasileira [Internet]. Brasília: Ministério do Esporte; 2016 [citado 2020 fev 12]. 70 p. (Caderno 2). Disponível em: Disponível em: http://www.esporte.gov.br/diesporte/diesporte_revista_2016.pdf

Prochaska JO, Norcross JC. Systems of psychotherapy: A transtheoretical analysis. Oxford: University Press; 2018.

Prochaska JO, Norcross JC, Diclemente CC. Changing for good. New York: WilUam Morrow and Company; 1994.

Prochaska JO, Marcus BH, Dishman RK. Advances in exercise adherence. The Transtheoretical Model: Applications to Exercise. Champaign, IL: Human Kinetics Publishers. 1994:161-80.

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade pública da região Nordeste - Brasil. Rev bras epidemiol. março de 2009;12(1):20–9.

Couto DAC, Martin DRS, Molina GE, Fontana KE, Junqueira Jr LF, Porto LGG. Nível insuficiente de atividade física se associa a menor qualidade de vida e ao estudo noturno em universitários do Distrito Federal. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. julho de 2019;41(3):322–30.

Downloads

Publicado

2020-12-11

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Oliveira ES de, Costa CV de B, Souza SAR de, Carvalho WRG de, Salvador EP. Pensar, gostar e considerar importante a prática de atividade física aumentam as chances de ser ativo no lazer?. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 11º de dezembro de 2020 [citado 18º de maio de 2024];53(4):430-7. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/171077