Cinco tarefas direcionadas nas habilidades manuais de uma criança com paralisia braquial obstétrica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2022.187329

Palavras-chave:

Paralisia do plexo braquial neonatal, Plexo braquial, Fisioterapia, Reabilitação

Resumo

A lesão do plexo braquial (PB) durante o parto é denominada paralisia braquial obstétrica (PBO). É uma anormalidade que ocorre na extremidade superior do corpo, em consequência de um estiramento excessivo das raízes neurais do PB. Toda habilidade motora que a criança com PBO adquirir será dificultada pela deficiência na movimentação de um membro superior (MS), repercutindo em suas experimentações motoras. Para modificar seu comportamento motor, a terapia por tarefas direcionadas pode contribuir na função do MS afetado, pois a mesma caracteriza-se com um protocolo de exercícios funcionais, que ainda há escassez em pesquisas voltados a esta morbidade. O objetivo do estudo foi avaliar o efeito de uma intervenção motora através de cinco tarefas direcionadas sobre as habilidades manuais do membro superior de uma criança com PBO, bem como sua função motora grossa. A criança do estudo tinha 17 meses, com PBO à esquerda, com fraqueza de abdução de ombro, rotação externa, flexão de cotovelo e queda do punho. Realizou 24 sessões de fisioterapia com tarefas direcionadas por 45 minutos, três vezes por semana. Para classificar o grau de severidade do MSE, foi utilizado o Manual Ability Classification System (MACS). A Medida da Função Motora Grossa (GMFM-66) mediu quantitativamente aspectos motores e estáticos e o Sistema de Classificação da Função Motora Grossa (GMFCS) foi utilizado para determinar qual nível melhor representou as habilidades e limitações na função motora grossa da criança. As tarefas direcionadas foram baseadas no modelo do protocolo de terapia por contensão induzida (TCI), sendo: achar a surpresa; colher laranja; encaixar elástico de cabelo; pescaria de tampinhas; empilhar blocos. Nas avaliações pós-intervenção, o MACS demonstrou melhora no nível das tarefas de achar a surpresa, colher laranja e pescaria de tampinhas, mas manteve-se igual no nível das atividades de encaixar os elásticos e empilhar os blocos. O GMFM-66 obteve aumento do escore final e o GMFCS manteve-se no nível I. O GMFM-66 apresentou melhora de 4,99% ao final da intervenção. As atividades de achar a surpresa; colher laranjas e pescaria de tampinhas obtiveram melhora na classificação no nível do MACS quando comparadas à avaliação inicial. Os achados evidenciam melhor recrutamento muscular, com refinamento nos movimentos de flexão de cotovelo; supinação do antebraço e rotação externa (RE) de ombro.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Paula Reis da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

    Fisioterapeuta

  • Laís Rodrigues Gerzson, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

    Fisioterapeuta, Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente 

  • Carla Skilhan de Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

    Fisioterapeuta, PhD em Cérebro Neonatal, Docente do Curso de Fisioterapia 

Referências

Santos RS, Pereira JA. Lesão do plexo braquial de origem obstétrica: bases neurofisiológicas para avaliação e tratamento fisioterapêutico. In: Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional; Garcia CSNB; Facchinetti LD; organizadoras. PROFISIO Programa de Atualização em Fisioterapia Neurofuncional: Ciclo 5. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2018. p.85-126.

Abid A. Brachial plexus birth palsy: a management during the first year of life. Orthop Traumatol Surg Res. 2016; 102(1):125-132. doi: 10.1016/j.otsr.2015.05.008

Correr MT, Pfeifer LI. Protocolo de intervenção de terapia intensiva para lactentes com assimetria. Cad. Bras. Ter. Ocup. 2019; 27(2):317-330. doi: https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1726

World Health Organization (WHO). International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF). Geneva: WHO, 2001.

Rosenbaum P, Gorter JW. The 'F-words' in childhood disability: I swear this is how we should think! Child Care Health Dev. 2012;38(4):457-63. doi: 10.1111/j.1365-2214.2011.01338.x.

Novak I, Morgan C, Fahey M, et al. State of the evidence traffic lights 2019: systematic review of interventions for preventing and treating children with cerebral palsy. Curr Neurol Neurosci Rep. 2020;20(3):3-21. doi: 10.1007/s11910-020-1022-z.

Schneiberg S, Cosentino F. A função do membro superior em crianças com paralisia cerebral e o uso da tarefa direcionada. Fisioter Neurop. 2011;88-106. Disponível em: http://omnipax.com.br/livros/2011/FNP/FNP-cap5.pdf. Acesso em 10/03/2021.

Gerzson LR, Almeida CS. Intervenção motora com a tarefa direcionada na paralisia cerebral: relato de caso. ConScientiae Saúde. 2014;13(4):619-624. doi: https://doi.org/10.5585/conssaude.v13n4.5042

Buterbaugh KL, Shah AS. The natural history and management of brachial plexus birth palsy. Curr Rev Musculoskelet Med. 2016;9(4):418-426. doi: 10.1007/s12178-016-9374-3

Hahamy A, Macdonald SN, Van den Heiligenberg F, et al. Representation of multiple body parts in the missing-hand territory of congenital one-handers. Curr Biol. 2017; 27(9):1350-1355. doi: 10.1016/j.cub.2017.03.053

Coelho BB, Rocha LO, Guimaraes EM. Abordagem fisioterapêutica em criança com paralisia braquial obstétrica utilizando terapia de contenção e indução do movimento. C&D Rev Eletrônica de Fainor. 2013;6(2):127-49.

Brito MAF, Neto MLR. Neonatal brachial plexus paralysis: a discussion on the light of literature. Am. In. Mult. J. 2019;4(7):162-177. doi: https://doi.org/10.14295/aimj.v4i7.87

Clutterbuck G, Auld M, Johnston L. Active exercise interventions improve gross motor function of ambulant/semi-ambulant children with cerebral palsy: a systematic review. Disabil Rehabil. 2018;41(10):1–21. doi: 10.1080/09638288.2017.1422035

Duff SV, DeMatteo C. Clinical assessment of the infant and child following perinatal brachial plexus injury. J Hand Ther. 2015;28(2):126-133. doi: 10.1016/j.jht.2015.01.001

Brito TTD, Pinheiro CL. Instrumentos de avaliação utilizados por terapeutas ocupacionais na criança com paralisia braquial obstétrica. Cad. Ter. Ocup. 2016; 24(2):335-350. doi: http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAR0555

Eliasson AC, et al. The Manual Ability Classification System (MACS) for children with cerebral palsy: scale development and evidence of validity and reliability. Dev Med Child Neurol. 2006;48(7):549-54. doi: 10.1017/S0012162206001162

Canchild. Gross Motor Function Measure. 2020. Disponível em: https://canchild.ca/en/resources/44-gross-motor-function-measure-gmfm. Acesso em 05/10/2020.

Shirley Ryan AbilityLab. Gross Motor Function Measure - 66. Disponível em: https://www.sralab.org/rehabilitation-measures/gross-motor-function-measure-66#need-help-with-your-research. Acesso em 13/04/2021.

Silva DBR, Pfeifer LI, Funayama CAR. GMFCS - E&R: Sistema de classificação da função motora grossa- ampliado e revisto. 2010.

Jackman M, Lannin N, Galea C, Sakzewski L, Miller L, Novak I. What is the threshold dose of upper limb training for children with cerebral palsy to improve function? A systematic review. Aust Occup Ther J. 2020; 67(3):269-280. doi: 10.1111/1440-1630.12666

Zielinski IM, Van Delft R, Voorman JM, Geurts ACH, Steenbergen B, Aarts PBM. The effects of modified constraint-induced movement therapy combined with intensive bimanual training in children with brachial plexus birth injury: a retrospective database study. Disabil Rehabil.2019;1-10. doi: 10.1080/09638288.2019.169738.

Publicado

2022-05-04

Edição

Seção

Relato de Caso

Como Citar

1.
Silva PR da, Gerzson LR, Almeida CS de. Cinco tarefas direcionadas nas habilidades manuais de uma criança com paralisia braquial obstétrica . Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 4º de maio de 2022 [citado 14º de abril de 2024];55(1):e-187329. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/187329