Fisioterapia, Atenção Básica e Interprofissionalidade: reflexões a partir da implementação de um estágio curricular na Comunidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2022.197443

Palavras-chave:

Educação interprofissional, Atenção básica , Equipe multiprofissional, Fisioterapia

Resumo

Um dos campos de atuação dos profissionais de saúde é a Atenção Básica (AB). A presença de diferentes formações profissionais dentro da AB e a articulação entre esses profissionais é fundamental para a integralidade da assistência prestada à população. As práticas colaborativas e a integralidade do cuidado são habilidades essenciais e comuns a todos os profissionais que atuam na AB e na Estratégia de Saúde da Família. Para a Organização Mundial de Saúde a Educação Interprofissional em Saúde ocorre quando estudantes e/ou profissionais de duas ou mais áreas aprendem com o outro, sobre o trabalho do outro, e entre si, visando trazer benefícios aos pacientes. Dessa forma, este relato de experiência tem como objetivo refletir sobre as atividades realizadas no estágio acadêmico intitulado “Fisioterapia na Saúde Coletiva” dos alunos do 7º e 8º período do curso de Fisioterapia de uma Universidade do interior do Estado de São Paulo. As atividades foram desenvolvidas em parceria com a Equipe de Saúde da Família da Unidade XXX, na cidade de XXX, no período de fevereiro de 2018 a dezembro de 2019. Dentro dessa unidade atuaram conjuntamente estudantes dos cursos de Medicina, Farmácia e Fisioterapia. Após o reconhecimento do território e da dinâmica da Equipe de Saúde da Família local, o grupo de estagiários iniciou um trabalho de educação em saúde com ações planejadas de forma interprofissional e colaborativa. A partir da percepção das necessidades de saúde da população foram alinhadas às práticas da disciplina aquelas ações que a equipe realiza no território - cadastramento individual e familiar, territorialização, visita domiciliar e grupos de educação em saúde; acrescidas por aquelas de promoção da saúde específicas da fisioterapia. e atividades de cadastramento individual e familiar da população, territorialização, visita domiciliar e grupos de educação em saúde. Foram realizadas também atividades de promoção de saúde específicas da fisioterapia. A experiência no território permitiu: ampliar a vivência dos discentes na ESF, possibilitando a observação e a reflexão sobre o trabalho em equipe nesse contexto; e sensibilizar os acadêmicos para as necessidades em saúde da população e discutir essas necessidades a partir da educação em saúde. Através da vivência, os estudantes da fisioterapia, juntamente com a equipe e alunos de outros cursos da área da saúde, puderam redimensionar a importância e a complexidade do trabalho interprofissional na APS e, juntos, desenvolver ou aprimorar habilidades essenciais à sua profissão.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Lemos de Almeida Mestriner, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, (SP) Brasil

Docente

Gilberto da Cruz Leal, Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, (SP) Brasil

Pesquisador associado no Centro Especializado de Fonoaudiologia e Otorrinolaringologia (CEOF)

Regina Yoneko Dakuzaku Carretta, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, (SP) Brasil

Docente

Aldaísa Cassanho Forster, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, (SP) Brasil

Docente

Referências

Bispo-Júnior JP. Fisioterapia e Saúde Coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Rev C S Col. 2021; 15(supl.1):1627-1636.

Vicentine FB, Ferreira JBB. A construção e o papel do Sistema Único de Saúde no Brasil: o que os trabalhadores da saúde têm a ver com isso?. In: Forster AC, Ferreira JBB, Vicentine FB(Org.). Atenção à Saúde da Comunidade no âmbito da Atenção Primária à Saúde na FMRP-USP. 1ed. Ribeirão Preto: FUNPEC; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica - Decreto n 2.488 / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Reeves S. Porque precisamos da educação interprofissional para um cuidado efetivo e seguro. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):185-197.

Casanova IA, Batista NA, Moreno LR. A Educação Interprofissional e a prática compartilhada em programas de residência multiprofissional. Interface (Botucatu). 2018; 22(s.n.): 1325-1337.

Da Costa JAB, Pinho RCX. Formação Docente para Educação Interprofissional na Saúde para o Ensino da Teoria à Prática no âmbito do SUS. Humanidades & Inovação. 2021; 8(44):88-99.

Peduzzi M. O SUS é interprofissional. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):199-201.

Batista NA et al. Educação interprofissional na formação em Saúde: a experiência da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista, Santos, Brasil. Interface (Botucatu) 2018; 22(supl.2): 1707-1715.

Freitas CS; Foletto Pivetta HM. Fisioterapia na Atenção Básica: um relato de experiência. Experiência - Revista de Extensão. 2017; 3(1):58-75.

Rebelatto JR, Botomé CF. Fisioterapia no Brasil. 2ed. São Paulo: Manole; 2001.

Neves LMT, Aciole GG. Desafios da integralidade: revisitando as concepções sobre o papel do fisioterapeuta na equipe de Saúde da Família. Interface (Botucatu). 2011; 15(37):551-564.

Marreto RB et al. A prática do Fisioterapeuta na Atenção Primária: Revisão integrativa. NTQR. 2021; 8:745-753.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução n.4. aprovada em 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. CNE/ CES – Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES. 2002.

Brasil. Lei nº 14.231, de 28 de outubro de 2021. Inclui os profissionais fisioterapeuta e terapeuta ocupacional na estratégia de saúde da família.

Mestriner TLA. Plano de Ensino – Estágio Curricular Fisioterapia na Saúde Coletiva, Ribeirão Preto, 2018.

Barr H. Interprofessional education: today, yesterday and tomorrow. London: Learning and Teaching Support Network; 2002.

Barr H, Coyle J. Introducing Interprofessional Education. In: Loftus S et al. Educating health professionals: practice, education, work and society. Rotterdam: SensePublishers; 2013.

Faria RM. A territorialização da Atenção Básica à Saúde do Sistema Único de Saúde do Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2020; 25(11): 4521-4530.

Fracon BRR, Santos LL. Visita domiciliar. In: In: Forster AC, Ferreira JBB, Vicentine FB(Org.). Atenção à Saúde da Comunidade no mbito da Atenção Primária à Saúde na FMRP-USP. 1ed. Ribeirão Preto: FUNPEC; 2017.

Portes LH et al. Atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde: uma revisão da literatura brasileira. Revista de APS. 2011; 14(1):111-119, 2011.

World Health Organization. Preventing chronic diseases: a vital investment. Geneva: WHO, 2005.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc. saúde coletiva. 2000; 5(1):163-177.

Brasil. Ministério da Educação. Programa Saúde nas Escolas. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/programa-saude-da-escola/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/14578-programa-saude-nas-escolas>.

Penha PJ et al. Postural assessment of girls between 7 and 10 years of age. Clinics. 2005; 60(1): 9-16.

Publicado

2022-12-27

Como Citar

1.
Mestriner TL de A, Leal G da C, Carretta RYD, Forster AC. Fisioterapia, Atenção Básica e Interprofissionalidade: reflexões a partir da implementação de um estágio curricular na Comunidade . Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 27 de dezembro de 2022 [citado 24 de fevereiro de 2024];55(4):e-197443. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/197443

Edição

Seção

Temas de Ensino em Saúde
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)