Teleconsulta por médicos e enfermeiros da Atenção Primária de Florianópolis durante a pandemia de Covid-19: um estudo retrospectivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.198395

Palavras-chave:

Atenção Primária a Saúde, Teleconsulta, Telemedicina, Covid-19

Resumo

Introdução: As teleconsultas só foram permitidas pelos conselhos de classe no Brasil após o início da pandemia de Covid-19. A Atenção Primária (AP) de Florianópolis reunia as condições necessárias para realizar teleconsultas e foi a primeira capital a adotar esse modelo de atendimento em grande escala. Objetivo: Comparar as condições de atendimento e as características dos profissionais de saúde nas consultas realizadas na AP de Florianópolis por médicos e enfermeiros entre as teleconsultas e consultas presenciais. Metodologia: Estudo retrospectivo com todas as consultas realizadas por médicos e enfermeiros da AP no período de 15/04/2020 a 27/07/2020. Resultados: Analisamos 225.507 consultas realizadas por 436 médicos e enfermeiros. Profissionais, médicos e enfermeiros, que realizaram ao menos uma teleconsulta apresentaram maiores números de consultas, tempo médio de consulta pouco maior, bem como média de encaminhamentos e de exames solicitados por consulta discretamente maiores. Porém, as teleconsultas foram mais rápidas, tiveram menos exames solicitados, medicamentos prescritos e encaminhamentos realizados. As condições menos avaliadas por teleconsulta foram: rastreamento de câncer de colo uterino, cerume impactado, amigdalite e puericultura. As condições mais avaliadas, por médicos e enfermeiros, nas teleconsultas foram: hipotireoidismo, dispepsia, contracepção e dor não classificados. Conclusões: A teleconsulta é uma ferramenta útil para realização de atendimentos na AP e permite o atendimento de uma ampla gama de condições. É importante a realização de estudos dessa tecnologia neste período de exceção para embasar decisões futuras quando a sua manutenção após a pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Collar Rebolho, Universidade do Estado de Santa Catarina, (SC), Brasil

Mestre em Administração

Donavan de Souza Lúcio, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, (RS), Brasil

Especialização em Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade

Fabiano Maury Raupp, Universidade do Estado de Santa Catarina, (SC), Brasil

Doutorado em Administração

Referências

Brasil. Ministério da Saúde/Gabinete do Ministro [Internet]. Diário Oficial da União. Seç. 1, Portaria no 467, de 20 de março de 2020 mar 23, 2020 p. 1. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou

Brasil. Conselho Federal de Enfermagem [Internet]. Diário Oficial da União. Seç. 1, Resolução no 634, de 26 de março de 2020 mar 27, 2020 p. 117. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/Resolu%C3%A7%C3%A3o-Cofen-n%C2%BA-634-2020.pdf

Ferreira IG, Godoi DF, Perugini ER, Lancini A de B, Zonta R. Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis. Rev Bras Med Fam E Comunidade. 2019;14(41).

Zonta R, Silveira JPM da. Experiência de reorganização da APS para o enfrentamento da COVID-19 em Florianópolis. Aps Em Rev. 2020;2(2):91–6.

Patil I. ggstatsplot: “ggplot2” Based Plots with Statistical Details. CRAN [Internet]. 2018; Disponível em: https://CRAN.R-project.org/package=ggstatsplot

R Core Team. R: A Language and Environment for Statistical Computing [Internet]. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing; 2020. Disponível em: https://www.R-project.org/

RStudio Team. RStudio: Integrated Development Environment for R [Internet]. Boston, MA: RStudio, PBC.; 2020. Disponível em: http://www.rstudio.com/

Harzheim E, Goncalves MR, Umpierre RN, da Silva Siqueira AC, Katz N, Agostinho MR, et al. Telehealth in Rio Grande do Sul, Brazil: Bridging the Gaps. Telemed J E Health. novembro de 2016;22(11):938–44.

Harzheim E, Chueiri PS, Umpierre RN, Gonçalves MR, Siqueira AC da S, D’Avila OP, et al. Telessaúde como eixo organizacional dos sistemas universais de saúde do século XXI. Rev Bras Med Fam E Comunidade. 2019;14(41).

Landsberg G de AP. e-Health and Primary Care in Brazil: concepts, correlations and trends. Rev Bras Med Fam E Comunidade. 2017;11(38):1–9.

Maeyama MA, Calvo MCM. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada. Rev Bras Educ Médica. 2018;42(2):63–72.

Schmitz CAA, Harzheim E. Oferta e utilização de teleconsultorias para Atenção Primária à Saúde no Programa Telessaúde Brasil Redes. Rev Bras Med Fam E Comunidade. 2017;12(39):1–11.

Gonzalez F, Cimadevila B, Garcia-Comesana J, Cerqueiro S, Andion E, Prado J, et al. Telephone consultation in primary care. J Health Organ Manag. 9 de abril de 2018;32(2):321–37.

Hammersley V, Donaghy E, Parker R, McNeilly H, Atherton H, Bikker A, et al. Comparing the content and quality of video, telephone, and face-to-face consultations: a non-randomised, quasi-experimental, exploratory study in UK primary care. Br J Gen Pr. setembro de 2019;69(686):e595–604.

McKinstry B, Hammersley V, Burton C, Pinnock H, Elton R, Dowell J, et al. The quality, safety and content of telephone and face-to-face consultations: a comparative study. Qual Saf Health Care. agosto de 2010;19(4):298–303.

Publicado

2023-08-15

Como Citar

1.
Rebolho RC, Lúcio D de S, Raupp FM. Teleconsulta por médicos e enfermeiros da Atenção Primária de Florianópolis durante a pandemia de Covid-19: um estudo retrospectivo. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 15 de agosto de 2023 [citado 25 de fevereiro de 2024];56(2):e-198395. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/198395

Edição

Seção

Artigo Original
Bookmark and Share