Sífilis congênita no Município do Rio de Janeiro, 2016-2020: perfil epidemiológico e completude dos registros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.198451

Palavras-chave:

Sífilis congênita, Sistemas de informação em saúde, Desigualdades sociais, Cuidado pré-natal, Taxa de mortalidade

Resumo

Introdução: A sífilis congênita mantém-se como problema de saúde no Brasil, especialmente na cidade do Rio de Janeiro, com números para esse agravo acima da média do país. Essa doença é um marcador para a avaliação da qualidade da assistência à saúde materno-infantil, por poder ser evitada a partir de medidas como diagnóstico precoce e tratamento da gestante. Objetivos: Este estudo transversal descreveu o perfil epidemiológico dos casos de sífilis congênita (SC) no município do Rio de Janeiro, nos anos de 2016 a 2020, no que se refere a dados sociodemográficos maternos, do pré-natal e da evolução do quadro, assim como as taxas de incidência totais e segundo esses fatores. Adicionalmente, foram calculadas as taxas de mortalidade fetal e infantil. Também se avaliou o grau de completude das variáveis da ficha de SC. Métodos: Foram incluídos todos os casos notificados de sífilis congênita na cidade durante o período estudado, a partir dos registros do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN). Foram utilizados o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) como base de dados para os cálculos das taxas de incidência e de mortalidade. Resultados: Entre 2016 e 2020, a cidade do Rio de Janeiro apresentou elevadas taxas de sífilis congênita, chegando a uma incidência de 18,6/1000 nascidos vivos em 2020, com mais de 90% de casos de SC recente. A maioria ocorreu em mulheres em situação de vulnerabilidade social – pretas, adolescentes, com baixa escolaridade e sem acesso à assistência pré-natal. Destaca-se ainda o baixo grau de completude de algumas variáveis e a divergência encontrada entre os dados de mortalidade do SIM e do SINAN, ambos fatores que prejudicam o adequado conhecimento do agravo. Conclusão: Conclui-se que, apesar dos avanços, muito ainda precisa ser realizado para o controle da sífilis congênita no município do Rio de Janeiro.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Maria Fernanda da Costa Moreira de Paiva, Universidade Federal Fluminense. Instituto de Saúde Coletiva, Niterói, (RJ), Brasil

    Professora (Doutora) associada de Epidemiologia

  • Sandra Costa Fonseca, Universidade Federal Fluminense. Faculdade de Medicina, Niterói, (RJ), Brasil

    Acadêmica de Medicina

Referências

Korenromp EL, Rowley J, Alonso M, et al. Global burden of maternal and congenital syphilis and associated adverse birth outcomes-Estimates for 2016 and progress since 2012. PLoS One. 2019; 14: e0211720.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico: Sífilis 2021. Brasília, 2021. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2021/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2021. Acesso em: 09 dez. 2021.

Domingues CSB, Duarte G, Passos MRL, Sztajnbok DCDN, Menezes MLB. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: sífilis congênita e criança exposta à sífilis. Rev Soc Bras Med Trop. 2021;54(suppl 1):e2020597.

Nurse-Findlay S, Taylor MM, Savage M, et al. Shortages of benzathine penicillin for prevention of mother-to-child transmission of syphilis: An evaluation from multi-country surveys and stakeholder interviews. PLoS Med. 2017;14(12):e1002473.

Domingues RM, Saraceni V, Hartz ZM, Leal MD. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev Saúde Pública. 2013; 47:147-56.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Superintendência de Atenção Primária. Atenção ao Pré-Natal: Rotinas para gestantes de baixo risco. Coleção Guia de Referência Rápida: 1ª edição. Rio de Janeiro – RJ: 2016. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/6552790/4176323/GuiaPrenatal_reunido.pdf.

Reis GJ, Barcellos C, Pedroso MM, Xavier DR. Diferenciais intraurbanos da sífilis congênita: Análise preditiva por bairros do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2018; 34 (9):e00105517.

Araujo RS, Souza ASS, Braga JU. A quem afetou o desabastecimento de

penicilina para sífilis no Rio de Janeiro, 2013–2017? Rev Saúde Pública 2020; 54: 109.

Braga JU, Araujo RS, de Souza ASS. The Shortage of Benzathine Penicillin and Its Impact on Congenital Syphilis Incidence: An Ecologic Study in the City of Rio de Janeiro. Clin Infect Dis. 2021;72(5):e79-e87.

IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/rio-de-janeiro/panorama

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2021. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/rio-de-janeiro/panorama

Romero, DE, Cunha, CB. Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cad Saúde Pública. 2006; 22(3): 673-81.

Santos M, Lopes AK, Roncalli AG, Lima KC. Trends of syphilis in Brazil: a growth portrait of the treponemic epidemic. PLoS One. 2020;15:e0231029.

Oliveira VS, Rodrigues RL, Chaves VB, et al. Aglomerados de alto risco e tendência temporal da sífilis congênita no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e75.

Heringer AL, Kawa H, Fonseca SC, Brignol SM, Zarpellon LA, Reis AC. Inequalities in congenital syphilis trends in the city of Niterói, Brazil, 2007-2016. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e8.

Morais LS, Pimentel SVT, Kawa, Helia, Fonseca SC. Tendência da sífilis congênita no município mais populoso da região metropolitana II do estado do Rio de Janeiro. Rev Paul Pediatria (no prelo), 2022.

Maschio-Lima T, Machado ILL, Siqueira JPZ, Almeida MTG. Perfil epidemiológico de pacientes com sífilis congênita e gestacional em um município do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2019; 19(4): 865-72.

São Paulo. CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS - PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS – CCD – SES-SP. NOTA INFORMATIVA CONJUNTA Nº 001/2019/SPSP/SBI/ATSC/CRT-PEDST/AIDS/SES-SP. Disponível em: https://www.saude.sp.gov.br/resources/crt/publicacoes/publicacoes-download/nt.001.2019_spsp_sbi_ses_25.11.2019.pdf.

Amorim EKR, Matozinhos FP, Araújo LA, Silva TPRD. Tendência dos casos de sífilis gestacional e congênita em Minas Gerais, 2009-2019: um estudo ecológico. Epidemiol Serv Saúde. 2021; 30 (4): e2021128.

Vicente, CR, Oliveira Silva Caliman, M. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no estado do Espírito Santo, 2010-2019. Rev Bras Pesq Saúde. 2021; 22(4): 46–55.

de Souza TA, Teixeira KK, Santana RL, et al. Intra-urban differentials of congenital and acquired syphilis and syphilis in pregnant women in an urban area in northeastern Brazil. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2021;115(9):1010-1018.

Domingues RM, Leal Mdo C. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad Saude Publica. 2016;32(6):S0102-311X2016000605002.

Saraceni V, Pereira GFM, da Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Revista Panam Salud Publica. 2017; 41:e4444.

Swayze EJ, Nielsen-Saines K, Segura ER, et al. Failure to recognize low non-treponemal titer syphilis infections in pregnancy may lead to widespread under-treatment. Int J Infect Dis. 2021;104: 27-33.

Cerqueira BGT, Silva EPG, Gama ZADS. Melhoria da qualidade do cuidado à sífilis gestacional no município do Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública 2021, 55: 34.

Cardoso, ARP, Araújo, MAL, et al. Underreporting of Congenital Syphilis as a Cause of Fetal and Infant Deaths in Northeastern Brazil. PLoS ONE 11(12): e0167255.

Belo MMA, Oliveira CM, Barros SC, Maia LTS, Bonfim CVD. Estimativa da subnotificação dos óbitos por sífilis congênita no Recife, Pernambuco, 2010-2016: relacionamento entre os sistemas de informações sobre mortalidade e de agravos de notificação. Epidemiol Serv Saude. 2021;30(3):e2020501.

Canto SVE, Leite Araújo MA, Miranda AE, Cardoso ARP, Almeida RLF. Fetal and infant mortality of congenital syphilis reported to the Health Information System. PLoS One. 2019 Jan 4;14(1):e0209906.

Publicado

2023-04-14

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Paiva MF da CM de, Fonseca SC. Sífilis congênita no Município do Rio de Janeiro, 2016-2020: perfil epidemiológico e completude dos registros. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 14º de abril de 2023 [citado 15º de abril de 2024];56(1):e-198451. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/198451