Atendimento fonoaudiológico à população transgênera: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.203887

Palavras-chave:

Serviços de saúde para pessoas transgênero, Treinamento da voz, Qualidade da voz, Fonoaudiologia

Resumo

Voz incompatível com a própria identidade é um tema frequentemente apontado pela população transgênera em atendimentos fonoaudiológicos. A fonoterapia é uma técnica que permite a adequação da voz do falante, dentro de um campo de possibilidades. Ao fonoaudiólogo cabe o treinamento, a orientação e o aconselhamento dessa população, levando em conta as especificidades de cada indivíduo. Diante disso, este estudo tem como objetivo relatar a experiência de estudantes de graduação e profissionais de Fonoaudiologia no atendimento voltado à população transgênera em um laboratório de comunicação. Inicialmente são apresentados conceitos-chave, tais como as
diferenças entre sexo, gênero, identidade de gênero, e orientação sexual. São abordados temas como a violência sofrida pela população trans, a busca pela adequação vocal, a criação e o desenvolvimento do ambulatório de comunicação, o acolhimento e o suporte prestado pelos profissionais à população trans e a seus familiares, além dos procedimentos adotados pelo ambulatório. Dentre as conclusões, destaca-se que a assistência fonoaudiológica tem
mostrado a importância do cuidado centrado no indivíduo, legitimando a garantia da promoção de saúde dos usuários. Ademais, é destacada a importância do profissional de fonoaudiologia no aprimoramento vocal e comunicativo dessa população que é frequentemente estigmatizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto da Cruz Leal, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP)

Graduado em Fonoaudiologia

Andreá Gracindo da Silva , Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Graduada em Fonoaudiologia

João Paulo Ferreira da Silva, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Graduando em Fonoaudiologia

Melissa França Lima Martins, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Graduanda em Fonoaudiologia

Julia Fonsi Sanchez, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Graduanda em Fonoaudiologia

Jonathan Leonardo Gonçalves Prudêncio, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Graduado em Fonoaudiologia

Aline Epiphanio Wolf, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Docente do curso de Fonoaudiologia

Referências

Ciasca CV, Hercowitz A, Lopes-Júnior A. Saúde LGBTQIA+: Práticas de cuidado transdisciplinar. Santana de Parnaíba: Manole, 2021

Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

Silva NL et al. Identidade social da pessoa transgênero: análise do conceito e proposição do diagnóstico de enfermagem. Rev. Bras. Enferm. 2020; 73(suppl.5):e20200070.

Gonçalves MC, Gonçalves JP. Gênero, identidade de gênero e orientação sexual: conceitos e determinações em contexto social. Revista Ciências Humanas - Educação e Desenvolvimento Humano. 2021;14(s.n.):e25.

Melo TGR, Sobreira MVS. Identidade de gênero e orientação sexual: perspectivas literárias. Temas em Saúde. 2018; 18(3): 381-404.

Jesus, JG. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012.

Santos MR. Gênero e cultura material: a dimensão política dos artefatos cotidianos. Rev. Estud. Fem. 26. 2018; 26(1): e37361.

Silva LKM et al. Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2017; 27(3): 835-846.

Dornelas R et al. Qualidade de vida e voz: a autopercepção vocal de pessoas transgênero. Audiol Commun Res. 2020; 25:e2196.

Pérez-Alvarez JC. Voice and identity in transsexuality. Handchir Mikrochir Plast Chir. 2011; 43(4):246-9.

Dacakis G, Oates J, Douglas J. Beyond voice: perceptions of gender in male-to-female transsexuals. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2012;20(3):165-70.

Schmidt JG et al. O desafio da voz na mulher transgênero: autopercepção de desvantagem vocal em mulheres trans em comparação à percepção de gênero por ouvintes leigos. Rev. CEFAC. 2018; 20(1): 79-86.

Benevides BG, Nogueira SNB. Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. São Paulo: Expressão popular, 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 2. ed. 5. reimp. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Barros AD et al. A percepção de homens trans sobre a relação entre voz e expressão de gênero em suas interações sociais. Tempus, actas de saúde colet. 2017; 11(4):9-24.

Oliveira BP et al. O direito à saúde de pessoas trans* no Distrito Federal: entre o direito de existir e o direito à equidade. Cad. Ibero-amer. Dir. Sanit. 2019;8(1):1-163.

Rocon PC et al. What trans people expect of the Brazilian National Health System?. Interface (Botucatu). 2018; 22(64):43-53.

Usman-Shah, Hassan Bin et al. Challenges faced by marginalized communities such as transgenders in Pakistan. Pan Afr Med J. 2018; 30(96):1-7.

Reis AR. Somos feitas de histórias: (auto)etnografia multilocal e produção de narrativas com travestis usuárias de um serviço público de saúde referência para doenças infectocontagiosas. 2018. 219f. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Brasil. Presidência da República / Secretaria Geral. Decreto n. 8727 de Abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8727.htm>. Acesso em: 16 mai. 2022.

Brasil. Supremo Tribunal Federal. Direito constitucional e registral. Pessoa transgênero. AlteraçÃo do prenome e do sexo no registro civil. Possibilidade. Direito ao nome, ao reconhecimento da personalidade jurídica, à liberdade pessoal, à honra e à dignidade. Inexigibilidade de cirurgia de transgenitalização ou da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes. Inteiro Teor do Acórdão. Brasília, 1 de março de 2018. Disponível em: <https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=749297200. Acesso em: 26 abr. 2023.

Rocon PC et al. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Cien Saude Colet. 2016; 21(8): 2517-2525.

Dornelas R, Silva K, Pellicani AD. Atendimento vocal à pessoa trans: uma apresentação do protocolo de atendimento vocal do ambulatório trans e do Programa de Redesignação Vocal Trans (PRV-Trans). CoDAS. 2021; 33(1): e20190188.

Lopes LW et al. Fundamentos e atualidades em voz clínica, fononcologia e voz profissional. Rio de Janeiro: Thieme Revinter, 2019.

Van Borsel J et al. Conversational topics in transsexual persons. Clin Linguist Phon. 2014;28(6):428-36.

Hancock A, Colton G, Douglas F. Intonation and gender perception: applications for transgender speakers. J Voice. 2014;28(2):203-9.

Coleman E et al. World Professional Association for Transgender Health (WPATH). Disponível em: <https://www.wpath.org/media/cms/Documents/SOC%20v7/SOC%20V7_Portuguese.pdf>. Acesso em: 18 mai. 2022.

Silva ER et al. Promoção à saúde vocal em homens transgêneros. Distúrb. Comun. 2021; 33(1):173-7.

Pereira DR et al. Voz, gênero e subjetividade: considerações fonoaudiológicas sobre intervenções com transgêneros. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 2020; 11(8): 149-65.

Publicado

2023-11-27

Como Citar

1.
Leal G da C, Silva AG da, Silva JPF da, Martins MFL, Sanchez JF, Prudêncio JLG, Wolf AE. Atendimento fonoaudiológico à população transgênera: um relato de experiência. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 27 de novembro de 2023 [citado 22 de fevereiro de 2024];56(3):e-203887. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/203887

Edição

Seção

Temas de Ensino em Saúde
Bookmark and Share

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)