Atendimento fonoaudiológico à população transgênera: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.rmrp.2023.203887

Palavras-chave:

Serviços de saúde para pessoas transgênero, Treinamento da voz, Qualidade da voz, Fonoaudiologia

Resumo

Voz incompatível com a própria identidade é um tema frequentemente apontado pela população transgênera em atendimentos fonoaudiológicos. A fonoterapia é uma técnica que permite a adequação da voz do falante, dentro de um campo de possibilidades. Ao fonoaudiólogo cabe o treinamento, a orientação e o aconselhamento dessa população, levando em conta as especificidades de cada indivíduo. Diante disso, este estudo tem como objetivo relatar a experiência de estudantes de graduação e profissionais de Fonoaudiologia no atendimento voltado à população transgênera em um laboratório de comunicação. Inicialmente são apresentados conceitos-chave, tais como as
diferenças entre sexo, gênero, identidade de gênero, e orientação sexual. São abordados temas como a violência sofrida pela população trans, a busca pela adequação vocal, a criação e o desenvolvimento do ambulatório de comunicação, o acolhimento e o suporte prestado pelos profissionais à população trans e a seus familiares, além dos procedimentos adotados pelo ambulatório. Dentre as conclusões, destaca-se que a assistência fonoaudiológica tem
mostrado a importância do cuidado centrado no indivíduo, legitimando a garantia da promoção de saúde dos usuários. Ademais, é destacada a importância do profissional de fonoaudiologia no aprimoramento vocal e comunicativo dessa população que é frequentemente estigmatizada.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gilberto da Cruz Leal, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP)

    Graduado em Fonoaudiologia

  • Andreá Gracindo da Silva , Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

    Graduada em Fonoaudiologia

  • João Paulo Ferreira da Silva, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

    Graduando em Fonoaudiologia

  • Melissa França Lima Martins, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

    Graduanda em Fonoaudiologia

  • Julia Fonsi Sanchez, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

    Graduanda em Fonoaudiologia

  • Jonathan Leonardo Gonçalves Prudêncio, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

    Graduado em Fonoaudiologia

  • Aline Epiphanio Wolf, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

    Docente do curso de Fonoaudiologia

Referências

Ciasca CV, Hercowitz A, Lopes-Júnior A. Saúde LGBTQIA+: Práticas de cuidado transdisciplinar. Santana de Parnaíba: Manole, 2021

Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

Silva NL et al. Identidade social da pessoa transgênero: análise do conceito e proposição do diagnóstico de enfermagem. Rev. Bras. Enferm. 2020; 73(suppl.5):e20200070.

Gonçalves MC, Gonçalves JP. Gênero, identidade de gênero e orientação sexual: conceitos e determinações em contexto social. Revista Ciências Humanas - Educação e Desenvolvimento Humano. 2021;14(s.n.):e25.

Melo TGR, Sobreira MVS. Identidade de gênero e orientação sexual: perspectivas literárias. Temas em Saúde. 2018; 18(3): 381-404.

Jesus, JG. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012.

Santos MR. Gênero e cultura material: a dimensão política dos artefatos cotidianos. Rev. Estud. Fem. 26. 2018; 26(1): e37361.

Silva LKM et al. Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2017; 27(3): 835-846.

Dornelas R et al. Qualidade de vida e voz: a autopercepção vocal de pessoas transgênero. Audiol Commun Res. 2020; 25:e2196.

Pérez-Alvarez JC. Voice and identity in transsexuality. Handchir Mikrochir Plast Chir. 2011; 43(4):246-9.

Dacakis G, Oates J, Douglas J. Beyond voice: perceptions of gender in male-to-female transsexuals. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2012;20(3):165-70.

Schmidt JG et al. O desafio da voz na mulher transgênero: autopercepção de desvantagem vocal em mulheres trans em comparação à percepção de gênero por ouvintes leigos. Rev. CEFAC. 2018; 20(1): 79-86.

Benevides BG, Nogueira SNB. Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. São Paulo: Expressão popular, 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 2. ed. 5. reimp. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Barros AD et al. A percepção de homens trans sobre a relação entre voz e expressão de gênero em suas interações sociais. Tempus, actas de saúde colet. 2017; 11(4):9-24.

Oliveira BP et al. O direito à saúde de pessoas trans* no Distrito Federal: entre o direito de existir e o direito à equidade. Cad. Ibero-amer. Dir. Sanit. 2019;8(1):1-163.

Rocon PC et al. What trans people expect of the Brazilian National Health System?. Interface (Botucatu). 2018; 22(64):43-53.

Usman-Shah, Hassan Bin et al. Challenges faced by marginalized communities such as transgenders in Pakistan. Pan Afr Med J. 2018; 30(96):1-7.

Reis AR. Somos feitas de histórias: (auto)etnografia multilocal e produção de narrativas com travestis usuárias de um serviço público de saúde referência para doenças infectocontagiosas. 2018. 219f. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Brasil. Presidência da República / Secretaria Geral. Decreto n. 8727 de Abril de 2016. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8727.htm>. Acesso em: 16 mai. 2022.

Brasil. Supremo Tribunal Federal. Direito constitucional e registral. Pessoa transgênero. AlteraçÃo do prenome e do sexo no registro civil. Possibilidade. Direito ao nome, ao reconhecimento da personalidade jurídica, à liberdade pessoal, à honra e à dignidade. Inexigibilidade de cirurgia de transgenitalização ou da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes. Inteiro Teor do Acórdão. Brasília, 1 de março de 2018. Disponível em: <https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=749297200. Acesso em: 26 abr. 2023.

Rocon PC et al. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Cien Saude Colet. 2016; 21(8): 2517-2525.

Dornelas R, Silva K, Pellicani AD. Atendimento vocal à pessoa trans: uma apresentação do protocolo de atendimento vocal do ambulatório trans e do Programa de Redesignação Vocal Trans (PRV-Trans). CoDAS. 2021; 33(1): e20190188.

Lopes LW et al. Fundamentos e atualidades em voz clínica, fononcologia e voz profissional. Rio de Janeiro: Thieme Revinter, 2019.

Van Borsel J et al. Conversational topics in transsexual persons. Clin Linguist Phon. 2014;28(6):428-36.

Hancock A, Colton G, Douglas F. Intonation and gender perception: applications for transgender speakers. J Voice. 2014;28(2):203-9.

Coleman E et al. World Professional Association for Transgender Health (WPATH). Disponível em: <https://www.wpath.org/media/cms/Documents/SOC%20v7/SOC%20V7_Portuguese.pdf>. Acesso em: 18 mai. 2022.

Silva ER et al. Promoção à saúde vocal em homens transgêneros. Distúrb. Comun. 2021; 33(1):173-7.

Pereira DR et al. Voz, gênero e subjetividade: considerações fonoaudiológicas sobre intervenções com transgêneros. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 2020; 11(8): 149-65.

Publicado

2023-11-27

Edição

Seção

Temas de Ensino em Saúde

Como Citar

1.
Leal G da C, Silva AG da, Silva JPF da, Martins MFL, Sanchez JF, Prudêncio JLG, et al. Atendimento fonoaudiológico à população transgênera: um relato de experiência. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 27º de novembro de 2023 [citado 13º de abril de 2024];56(3):e-203887. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/203887