Hiperoxia hiperbárica em infecções graves e sepse

conceitos e perspectivas

Autores

  • Paulo E. Iazzetti Serviço de Medicina Hiperbárica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP
  • Mário Mantovani Serviço de Medicina Hiperbárica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v31i3p412-423

Palavras-chave:

Oxigenação Hiperbárica. Infecção. Sepse.

Resumo

Efetua-se uma revisão da forma como a hiperoxigenação hiperbárica pode interferir em alguns dos fatores do quadro séptico, em especial na sepse provocada por infecções intra-abdominais, envolvendo bactérias Gram-negativas, destacando-se o seu interesse para a pesquisa experimental e clínica. São considerados alguns conceitos de hipoxia e metabolismo oxidativo na sepse, revisando-se o papel dos radicais ativados do oxigênio e antioxidantes, nesta síndrome. Conceituam-se as bases do uso da hiperoxia hiperbárica em infecções graves e sua utilização clinica atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo E. Iazzetti, Serviço de Medicina Hiperbárica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP

Docente do Serviço de Medicina Hiperbárica da Disciplina de Fisiologia e Metabologia Cirúrgica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP

Mário Mantovani, Serviço de Medicina Hiperbárica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP

Docente da Disciplina de Cirurgia do Trauma do Departamento de Cirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP

 

Downloads

Publicado

1998-09-30

Como Citar

1.
Iazzetti PE, Mantovani M. Hiperoxia hiperbárica em infecções graves e sepse: conceitos e perspectivas. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30 de setembro de 1998 [citado 1 de agosto de 2021];31(3):412-23. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/7695

Edição

Seção

Simpósio: Medicina Intensiva: I. Infecção e Choque
Bookmark and Share