Efeito da administração crônica de etanol sobre a peroxidação lipídica em ratos

Autores

  • Alceu Afonso Jordão Junior Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
  • Mônica S.S. Meirelles
  • Paula Garcia Chiarello Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP
  • Helio Vannucchi Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v35i1p48-52

Palavras-chave:

Peroxidação de Lipídios. Radicais Livres. Etanol. Vitamina E. Glutationa. Ratos.

Resumo

A geração de radicais livres é um passo importante na patogênese da injúria hepática, associada à ingestão de etanol. O etanol induz a aumento na peroxidação lipídica por dois mecanismos: maior produção de espécies reativas de oxigênio e/ou diminuição dos níveis dos antioxidantes endógenos. Este trabalho enfoca a geração de radicais livres em ratos, após a ingestão crônica de etanol na água (20%), pelo período de 4 semanas.O objetivo do trabalho foi investigar o efeito do etanol sobre a peroxidação lipídica plasmática e hepática (medida por SRATB), vitamina E em plasma e fígado e glutationa hepática. Os animais receberam etanol por um período experimental de 4 semanas e foram sacrificados em 2 períodos distintos: 0 hora após o término das 4 semanas e 24 horas após o etanol ser retirado e substituído por água.Os animais que receberam etanol mostraram uma ingestão alimentar diminuída e alcançaram um peso menor, quando comparados aos ratos que receberam apenas água durante o experimento (p < 0,05). O grupo sacrificado 24 horas após,demonstrou a concentração mais baixa de vitamina E hepática (5,96±3,30 µg/g) em relação ao Grupo-Controle (35,78±9,23 µg/g) e ao Grupo Etanol 0 horas (10,30±1,59 µg/g). As concentrações hepáticas de SRATB foram encontradas em níveis aumentados nos animais que receberam etanol. Os valores de glutationa também foram afetados e se mostraram aumentados. Conclui-se que a administração crônica de etanol leva a uma alteração no sistema de defesa antioxidante, diminuindo os valores de vitamina E e aumentando os valores de GSH, provocando maior peroxidação lipídica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Alceu Afonso Jordão Junior, Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

    Doutor em Ciências dos Alimentos e Nutrição.  Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP 

     

  • Mônica S.S. Meirelles
    Biomédica
  • Paula Garcia Chiarello, Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP

    Doutor em Ciências dos Alimentos e Nutrição.  Departamento de Clínica Médica - Divisão de Nutrologia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP

  • Helio Vannucchi, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

     

    Docente. Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo 

     

     

Downloads

Publicado

2002-03-30

Edição

Seção

Artigo Original

Como Citar

1.
Jordão Junior AA, Meirelles MS, Chiarello PG, Vannucchi H. Efeito da administração crônica de etanol sobre a peroxidação lipídica em ratos. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 30º de março de 2002 [citado 19º de junho de 2024];35(1):48-52. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/794