Capacidade Turística e Desempenho

estudo da relação nos meios de hospedagem no Planalto Catarinense, SC, Brasil

  • Deosir Flávio Lobo de Castro Junior Instituto Federal de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0002-0883-1031
  • Camila Arlinda Laurentino Ferreira Instituto Federal de Santa Catarina
  • Márcio Nakayama Miura Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Tiago Savi Mondo Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Capacidade dinâmica turística, Desempenho, Modelagem de equações estruturais, Hotel

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo analisar a relação da capacidade dinâmica turística e o desempenho nos meios de hospedagem da região de Urubici-SC. O estudo caracteriza-se como uma abordagem quantitativa. Para a análise dos dados, utilizou-se análise fatorial exploratória, análise fatorial confirmatória e modelagem de equações estruturais. Para a coleta dos dados, utilizou-se de questionário estruturado aplicado em 52 meios de hospedagem. Como principais resultados, identificou-se que a aplicação das variáveis conhecimento sobre os atrativos turísticos, atenção aos novos acontecimentos turísticos da região e conhecimento sobre a história local relaciona-se ao melhor desempenho na hotelaria, portanto estão relacionadas com a utilização das capacidades turísticas pelos empreendimentos hoteleiros, que auxilia na vantagem competitiva, em meio a um ambiente dinâmico. Do mesmo modo, alcança satisfação dos clientes e resultados em bom desempenho organizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deosir Flávio Lobo de Castro Junior, Instituto Federal de Santa Catarina

Pós-doutorando em Hospitality Management & Hospitality and Tourism Management pela Kent State University, Kent, Ohio, USA.

Camila Arlinda Laurentino Ferreira, Instituto Federal de Santa Catarina

Tecnóloga em Hotelaria pelo Instituto Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Márcio Nakayama Miura, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Pós-doutorado em Administração pela Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil

Tiago Savi Mondo, Universidade Federal do Paraná

Pós-doutorado em Turismo pela Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

Aldrigui, M. (2007). Meios de hospedagem. São Paulo: Aleph.

Andrade, N., Brito, P. L., & Jorge, W. E. (2002). Hotel: planejamento e projeto (2a ed.). São Paulo: Senac.

Araújo, I. R. (2008). A contribuição dos conceitos relacionados à gestão do conhecimento para melhoria da prestação de serviços hoteleiros: um estudo de caso de um hotel de luxo em Salvador. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 7(1), 99-120.

Boyd, B. K. (1995). CEO duality and firm performance: a contingency model. Strategic Management Journal, 16(4), 301-312.

Campos, L. C., & Gonçalves, M. H. (1998). Introdução ao turismo e hotelaria. Rio de Janeiro: Senac.

Carvalho, C. E. (2011). Relacionamento entre ambiente organizacional, capacidades, orientação estratégica e desempenho: um estudo no setor hoteleiro brasileiro. Tese de Doutorado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Castro Junior, D. F. L., Gonçalo, C. R., Rossetto, C. R., & Deluca, M. A. (2016). Estudo dos reflexos das capacidades mercadológicas no desempenho da hotelaria executiva em Santa Catarina. Faces: Revista de Administração, 15(1), 44-63.

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, New Series, 4(16), 386-405.

Coco, A. R. M., Souza, P. A. R., & Costa, S. R. (2017). As características do desempenho organizacional em microempresas brasileiras do setor de hospedagem. TURYDES: Revista de Investigación en Turismo Y Desarrollo Local, 10(22), 1-12.

Dalpiaz, R. C. C., Dagostini, A., Giacomini, D. M., & Giustina, M. G. S. D. (2008). A hospitalidade no turismo: o bem receber. Recuperado de https://bit.ly/2KNRCkN

Deluca, M. A. M., Gonçalo, C. R., Castro Junior, D. F. L., & Pereira, M. F. (2017). Capacidades de inovação em serviços: um estudo nos supermercados em Santa Catarina. Iberoamerican Journal of Strategic Management, 16(1), 38-53.

Ferreira, R. C. (2011). Lazer e potencialidades para o turismo em Piracuruca, Piauí. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina.

Figueiredo Filho, D. B & Silva Júnior, J. A. (2010). Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública, 16(1), 160-85.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.) São Paulo: Atlas.

González, R. O., Barquín, R. D. C. S., Domínguez, I. G., & Ortega, J. S. (2018). Municipality-Brand: a critical review. Revista Turismo em Análise, 29(1), 19-34.

Grönroos, C. (2003). Marketing: gerenciamento e serviços (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. (2009). Análise multivariada de dados (5a ed.). São Paulo: Bookman.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Maranhão, R. A., & Teixeira, C. E. (2015). Capacidades dinâmicas e sistema de gestão ambiental em organização militar da Marinha do Brasil. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 14(2), 121-136.

Menezes, C. (2017). Turismo em Urubici cresceu 50% nos últimos anos. Diário Catarinense, 22 ago. 2017.

Nelson, R. R. (1991). Why do firms differ, and how does it matter? Strategic Management Journal, 12, 61-74.

Organização Mundial do Turismo – OMT. (2001). Introdução ao turismo. São Paulo: Roca.

Pinotti, R. C., & Moretti, S. L. A. (2018). Hospitalidade e intenção de recompra na economia compartilhada: um estudo com equações estruturais em meios de hospedagem alternativos. Revista Turismo em Análise, 29(1), 1-18.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review, 68(3), 79-91.

Rosa, F., & Kamakura, W. A. (2001). Pesquisas de satisfação de clientes e efeito halo: interpretações equivocadas? In Anais do 25º Encontro Anual da Anpad, 2001, Campinas. Rio de Janeiro, RJ: Anpad.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development: an inquiry into profits, capital, credit, interest, and the business cycle. Cambridge: Harvard University Press.

Schumpeter, J. A. (1988). A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Silveira-Martins, E., & Tavares, P. M. (2014). Processo de formulação de estratégias: capacidade mercadológica, incerteza ambiental e desempenho. Revista Organizações em Contexto, 10(20), 297-322.

Silveira-Martins, E., & Zonatto, V. C. S. (2015). Proposição e validação de escala para mensuração de capacidade turística. Revista Turismo em Análise, 26(4), 745-773.

Teece, D. J., & Pisano, G. (1994). The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, 3(3), 537-556.

Teece, D., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533.

Zucker, L. G. (1987). Institutional theories of organization. Annual Review of Sociology, 13, 443-464.

Publicado
2019-11-05
Como Citar
Castro Junior, D., Ferreira, C., Miura, M., & Mondo, T. (2019). Capacidade Turística e Desempenho. Revista Turismo Em Análise, 30(1), 24-45. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p24-45
Seção
Artigos e Ensaios