Análise da Relação Entre a Taxa de Câmbio e os Desembarques Domésticos e Internacionais no Brasil

Autores

  • Daniela de Moura Pavão Farias Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Lara Régia de Mélo Filho Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Marcos Felipe Falcão Sobral Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • André de Souza Melo Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p184-198

Palavras-chave:

Taxa de câmbio nominal, Desembarques internacionais, Desembarques nacionais, Vetores autorregressivo

Resumo

Este artigo propõe-se analisar, através de um teste econométrico, os efeitos da taxa de câmbio nominal sobre o número de desembarques nacionais e internacionais aéreos, no Brasil, no período de 2001 a 2016. Como metodologia, utilizou-se o modelo de vetores autorregressivos. A análise dos resultados demonstra que há uma relação de causalidade e influência entre as variáveis. Observou-se que o câmbio influenciou as demais variáveis, mas não foi influenciado por elas. Além disso, o desembarque doméstico representou a variável que mais sofreu impactos da taxa de câmbio nominal e do desembarque internacional. Os achados da pesquisa corroboram com outros trabalhos que afirmam que a demanda turística é afetada pelo câmbio. No entanto, a inovação desse artigo consistiu em utilizar os desembarques tanto nacionais como internacionais como variáveis para analisar a possível interferência da taxa de câmbio nelas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela de Moura Pavão Farias, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Mestre do Programa de Pós-Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil.

Lara Régia de Mélo Filho, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Mestre do Programa de Pós-Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Docente de Técnico em Logística, Técnico em Informática para Internet, Tecnólogo em Gestão da Qualidade e Tecnólogo em Informática para Internet no Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e docente de Bacharelado em Administração no Centro Universitário Brasileiro (UNIBRA), Recife, Pernambuco, Brasil.

Marcos Felipe Falcão Sobral, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutor em Engenharia da Produção pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente do Programa de Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil.

André de Souza Melo, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutor em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente do Programa de Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil.

Referências

Albaladejo, I., González-Martínez, M. I., & Martínez-García, M. P. (2016). Nonconstant reputation effect in a dynamic tourism demand model for Spain. Tourism Management, 53, 132-139.

Allen, D. E., & Yap, G. (2009). Modelling Australian domestic tourism demand: A panel data approach” Joondalup, Edith Cowan University, Australia.

Almeida, E. L. F., & Silva, C. M. S. (2006). Formação de um mercado internacional de etanol e suas interrelações com os mercados de petróleo e açúcar. In XI Congresso Brasileiro de Energia, Rio de Janeiro, Brasil.

Banco Mundial. (2017). PIB Mundial. Referenciado em: http://datos.bancomundial.org/indicator/NY.GDP.MKTP.CD?end=2015&start=2006&view=chart. Acesso 11 mar. 2017.

Barretto, M. (2000). Manual de iniciação ao estudo do turismo. Papirus, São Paulo.

Chan, K. C., & Li, J. (2008). Audit committee and firm value: evidence on outside top executives as expert‐independent directors. Corporate Governance: An International Review, 16(1), 16-31.

Cheng, K., Kim, H., & Thompson, H. (2013). The real exchange rate and the balance of trade in US tourism. International Review of Economics & Finance, 25, 122-128.

Claveria, O., & Torra, S. (2014). Forecasting tourism demand to Catalonia: Neural networks vs. time series models. Economic Modelling, 36, 220-228.

Cortés-Jiménez, I., Durbarry, R., & Pulina, M. (2009). Estimation of outbound Italian tourism demand: a monthly dynamic EC-LAIDS model. Tourism Economics, 15(3), 547-565.

Torre-Padilla, O. (1997). El turismo: fenómeno social. Fondo de Cultura Económica, México.

Dwyer, L., Forsyth, P., & Rao, P. (1999). Tourism price competitiveness & journey purpose. Turizam, 47(4), 283-299.

Ekanayake, E. M., Halkides, M., & Ledgerwood, J. R. (2012). Inbound international tourism to The United States: A panel data analysis. International Journal of Management and Marketing Research, 5(3), 15-27.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica-5. AMGH Editora.

Hassani, H., Webster, A., Silva, E., & Heravi, S. (2015). Forecasting US tourist arrivals using optimal singular spectrum analysis. Tourism Management, 46, 322-335.

Henry, T., Hyeongwoo, K.; Ka, C. M. (2013). The real exchange rate and the balance of trade in US tourism. International Review of Economics and Finance, 25, 122-128.

IPEADATA. (2017). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Taxa de Câmbio. Referenciado em: http://ipeadata.gov.br/ExibeSerie.aspx?serid=38389. Acesso 12 mar. 2017.

Karassawa, N. (2003). Aspectos de qualidade da logística no turismo: estudo de caso. Dissertação de mestrado, Universidade Paulista, São Paulo, Brasil.

Kusni, A., Kadir, N., & Nayan, S. (2013). International tourism demand in Malaysia by tourists from OECD countries: A panel data econometric analysis. Procedia Economics and Finance, 7, 28-34.

Lage, B. H. G., & Milone, P. C. (2000). Economia do turismo. Atlas, São Paulo.

Lahmiri, S. (2017). A study on chaos in crude oil markets before and after 2008 international financial crisis. Physica A: Statistical Mechanics and its Applications, 466, 389-395.

Lim, C. (1997). Review of international tourism demand models. Annals of tourism research, 24(4), 835-849.

Lionetti, S., & Gonzalez, O. (2012). On the relationship between tourism and growth in Latin America. Tourism and Hospitality Research, 12(1), 15-24.

Ma, E., Liu, Y., Li, J., & Chen, S. (2016). Anticipating chinese tourists arrivals in Australia: A time series analysis. Tourism Management Perspectives, 17, 50-58.

Massidda, C., & Etzo, I. (2012). The determinants of Italian domestic tourism: A panel data analysis. Tourism Management, 33(3), 603-610.

Mathieson, A., & Wall, G. (1982). Tourism, economic, physical and social impacts. Longman Scientific and Technical, Harlow.

Melo, A. D. S., & Sampaio, Y. D. S. B. (2016). Uma nota sobre o impacto do preço do açúcar, do etanol e da gasolina na produção do setor sucroalcooleiro. Revista Brasileira de Economia, 70(1), 61-69.

Meurer, R. (2006). O comportamento das receitas de viagens internacionais do Brasil: uma explicação macroeconômica. Revista Turismo em Análise, 17(3), 75-90.

Meurer, R. (2007). Comportamento das despesas com viagens internacionais do Brasil: 1947 a 2005. Turismo-Visão e Ação, 9(3), 359-374.

Meurer, R. (2012). Turismo emissivo brasileiro – Uma análise com modelos de dados em painel. Turismo-Visão e Ação, 14(2), 261-268.

Mihai, D., & Simoni, S. (2012). Analysing the main indicators of global tourism flows in evolution and structure. Scientific Bulletin-Economic Sciences, 11(Special), 10-19.

MTUR. (2015). Dados e Fatos. Anuário Estatístico, 2015. Referenciado em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html. Acesso 17 mar. 2017.

MTUR. (2016). Dados e Fatos. Anuário Estatístico, 2016. Referenciado em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html. Acesso 17 mar. 2017.

MTUR. (2017). Dados e Fatos. Anuário Estatístico, 2017. Referenciado em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html. Acesso 21 mar. 2017.

Nelson, L., Dickey, D., & Smith, J. (2011). Estimating time series and cross section tourism demand models: Mainland United States to Hawaii data. Tourism Management, 32(1), 28-38.

Nogueira, D., & Rosa, B. (2013). Com dólar alto, viajar de avião ficará mais caro. Referenciado em: https://oglobo.globo.com/economia/com-dolar-alto-viajar-de-aviao-ficara-mais-caro-8762228. Acesso 12 jun. 2017.

OMT. (2011). Destination Management: Conceptual Framework. Referenciado em: http://destination.unwto.org/content/conceptual-framework-0. Acesso 10 mar. 2017.

Pindyck, R. S., & Rubinfeld, D. L. (2004). Econometria: modelos & previsões. Elsevier, Rio de Janeiro.

Rabahy, W. A. (2003). Turismo e desenvolvimento. Editora Manole Ltda, Barueri.

RATS. (2016). Introduction. Referenciado em: https://estima.com/ratsmain.shtml. Acesso 26 mar. 2017.

Sancho, A. (2001). Introdução ao turismo. Roca, São Paulo.

Sheldon, P. J. (1993). Forecasting tourism: expenditures versus arrivals. Journal of travel research, 32(1), 13-20.

Stock, J. H., & Watson, M. W. (2001). Vector autoregressions. The Journal of Economic Perspectives, 15(4), 101-115.

Suresh, M., Bid, K., & Gunasekar, S. (2015). Inbound international tourism development in India: A panel data analysis on its affecting factors. In Computational Intelligence and Computing Research (ICCIC), IEEE International Conference: 1-4.

Stock, J. H., & Watson, M. W. (2004). Econometria. Addison Wesley, São Paulo.

Valença, M., Melo, A., Sobral, M., & Xavier, M. (2015). Relação entre a taxa de câmbio e o setor de turismo: Análise por vetores autorregressivos. Turismo-Visão e Ação, 17(3), 737-757.

Ruschmann, D. (1997). Turismo e planejamento sustentável: A proteção do meio ambiente. Papirus editora, Campinas.

Vanegas Sr, M., & Croes, R. R. (2000). Evaluation of demand: US tourists to Aruba. Annals of Tourism Research, 27(4), 946-963.

Winters, L. A. (2006). Will Trade Liberalisation Reduce Poverty? Trade Insight, 2(3), 14-17.

Witt, S. F., & Witt, C. A. (1995). Forecasting tourism demand: A review of empirical research. International Journal of forecasting, 11(3), 447-475.

Yap, G. (2013). The impacts of exchange rates on Australia's domestic and outbound travel markets. Mathematics and computers in simulation, 93, 139-150.

Downloads

Publicado

2020-05-15

Como Citar

Farias, D. de M. P., Mélo Filho, L. R. de, Sobral, M. F. F., & Melo, A. de S. (2020). Análise da Relação Entre a Taxa de Câmbio e os Desembarques Domésticos e Internacionais no Brasil. Revista Turismo Em Análise, 30(1), 184-198. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p184-198

Edição

Seção

Artigos e Ensaios