Abordagem integradora para implementação de um sistema de gestão de segurança e impactos de visitação em áreas naturais protegidas

Autores

  • Victor Lopez-Richard Universidade Federal de São Carlos
  • Andréia Márcia Cassiano FATEC Nilo de Stéfani
  • Rodrigo José Silva Aguiar Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p597-618

Palavras-chave:

Unidades de conservação, Ecoturismo, Sustentabilidade ambiental, Gestão de riscos

Resumo

A gestão de visitação em áreas protegidas age em duas frentes, em geral desconexas: a social e a biofísica. Na prática, a dicotomia entre gestão de segurança e de impactos da visitação transparece no uso de ferramentas díspares que inibe uma ou outra de acordo com a visão e capacitação das equipes envolvidas. Este trabalho propõe sistematizar uma visão integradora onde a qualidade da experiência da visitação, do ponto de vista da segurança da atividade, e as alterações ambientais diretas ou indiretas subsequentes possam ser ponderadas, avaliadas e geridas simultaneamente dentro de um Sistema de Gestão de Segurança e Impactos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Lopez-Richard, Universidade Federal de São Carlos

Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil. Docente no curso de Física e no Programa de Extensão Gestão e Promoção de Atividades na Natureza e Áreas Protegidas na Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil.

Andréia Márcia Cassiano, FATEC Nilo de Stéfani

Doutora em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo, São Carlos, São Paulo, Brasil. Docente no curso de Gestão Ambiental da FATEC Nilo de Stéfani, Jaboticabal, São Paulo, Brasil.

Rodrigo José Silva Aguiar, Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo

Tecnólogo em Gestão Ambiental Agroflorestal pela Faculdade de Tecnologia do Vale do Ribeira, Registro, São Paulo, Brasil. Especialista em Emergências Ambientais. Gestor da Área de Proteção Ambiental - Quilombos do Médio Ribeira.

Referências

ABETA - Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (2009) Manual de Boas Práticas de Sistema de Gestão da Segurança - ABETA e Ministério do Turismo – Belo Horizonte - Série Aventura Segura.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2014) Turismo de Aventura – Sistema de Gestão de segurança – Requisitos (NBR ISO No. 21101:2014). Disponível em: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=326146. Acesso em: 10 Fev. 2020.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2015) Turismo de Aventura - Líderes – Competência de pessoal (NBR No. 15285:2015). Disponível em: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=333645. Acesso em: 10 Fev. 2020.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2019) Turismo de Aventura – Boas práticas de sustentabilidade - Requisitos e recomendações (NBR ISO No. 20611:2019). Disponível em: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=423432. Acesso em: 10 Fev. 2020.

Bentley, T. A. & Page, S. J. (2001). Scoping the extent of adventure tourism accidents. Annals of Tourism Research 28(1): 705-726. DOI: 10.1016/S0160-7383(00)00058-X

Bentley, T. A. & Page, S. J. (2008). A decade of injury monitoring in the New Zealand adventure tourism sector: A summary risk analysis. Tourism Management 29(5): 857–869. DOI: 10.1016/j.tourman.2007.10.003

Bentley, T. A.; Page, S. J. & Cater, C. I. (2010). Adventure and ecotourism safety in Queensland: Operator experiences and practice. Tourism Management 31(5): 563-571. DOI: 10.1016/j.tourman.2009.03.006

Brasil (1990). Código de Defensa do Consumidor. Lei nº 8.078:1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078.htm. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Brasil (2000). Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Lei nº 9.985:2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 17 Nov. 2019

Cassiano, A. M.; da Silva, D. S.; Severian, B. A. & Lopez-Richard, V. (2016). Desafíos de la capacitación y licenciamiento de los guías de Unidades de Conservación. Estudios y Perspectivas en Turismo 25(4): 483- 501. https://www.estudiosenturismo.com.ar/PDF/V25/N04/v25n4a05.pdf

Cater, C. I. (2006). Playing with risk? participant perceptions of risk and management implications in adventure tourism. Tourism Management 27(2): 317-325. DOI: 10.1016/j.tourman.2004.10.005

Cole, D. N. & Stankey, G. H. (1997). Historical Development of Limits of Acceptable Change: Conceptual Clarifications and Possible Extensions. Disponível em: https://www.fs.fed.us/rm/pubs_int/int_gtr371/int_gtr371_005_009.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019

EMBRATUR. (1994). Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Coordenação de S. Magalhães Barros e D. H. de La Penha. Brasilia: EMBRATUR. Disponível em: http://www.ecobrasil.eco.br/3-secao-geral/categoria-projetos/977-diretrizes-da-politica-nacional-de-ecoturismo. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Farrell, T. A. & Marion, J. L. (2002). The Protected Area Visitor Impact Management (PAVIM) Framework: A Simplified Process for Making Management Decisions. Journal of Sustainable Tourism 10(1): 31-5. DOI: 10.1080/09669580208667151

Folke, C.; Carpenter, S.; Elmqvist, T.; Gunderson, L.; Holling, C. S. & Walker, B. (2002). Resilience and Sustainable Development: Building Adaptive Capacity in a World of Transformations. AMBIO: A Journal of the Human Environment 31(5):437-440. DOI: 10.1579/0044-7447-31.5.437

Galvão de Sousa Dantas, N.; de Sousa Melo, R. (2008). O método de análise SWOT como ferramenta para promover o diagnóstico turístico de um local: o caso do município de Itabaiana / PB. Caderno Virtual de Turismo 8(1): 118-130. http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/272

Garrod, B. & Fyall, A. (1998). Beyond the rhetoric of sustainable tourism? Tourism Management 19(3): 199-212. DOI: 10.1016/S0261-5177(98)00013-2

Hesselbarth, W.; Vachowski, B.; Davie, M. A. (2007). Trail Construction and Maintenance Notebook. United States Department of Agriculture Forest Service Technology & Development Program. Disponível em: https://www.fs.fed.us/t-d/pubs/htmlpubs/htm07232806/toc.htm. Acesso em: 17 Nov. 2019.

IBAMA. (2002). Roteiro Metodológico de Planejamento: Parque Nacional, Reserva Biológica, Estação Ecológica. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Dos Recursos Naturais Renováveis, Brasília-DF. Disponível em: http://ava.icmbio.gov.br/mod/data/view.php?d=17&rid=2634. Acesso em: 17 Nov. 2019.

ICMBio. (2011). Roteiro Metodológico para Manejo de Impactos da Visitação, com Enfoque na Experiência do Visitante e na Proteção dos Recursos Naturais e Culturais. ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Brasília-DF. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/roteiro_impacto.pdf

ICMBio. (2018). Roteiro metodológico para elaboração e revisão de planos de manejo das unidades de conservação federais. ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Brasília-DF. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/downloads/roteiro_metodologico_elaboracao_revisao_plano_manejo_ucs.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Kates, R. W.; Clark, W. C.; Corell, R.; Hall, J. M.; Jaeger, C. C.; Lowe, I.; McCarthy, J. J.; Schellnhuber, H. J.; Bolin, B.; Dickson, N. M.; Faucheux, S.; Gallopin, G. C.; Grübler, A.; Huntley, B.; Jäger, J.; Jodha, N. S.; Kasperson, R. E.; Mabogunje, A.; Matson, P.; Mooney, H.; Moore III, B.; O'Riordan, T. & Svedin, U. (2001). Sustainability science. Science 292: 641–642. DOI: 10.1126/science.1059386

Lindsay, K.; Craig, J. & Low, M. (2008). Tourism and conservation: The effects of track proximity on avian reproductive success and nest selection in an open sanctuary. Tourism Management 29(4): 730-739. DOI: 10.1016/j.tourman.2007.08.001

Lobo, H. A. S. (2015). Caracterização e tendências de gestão dos impactos negativos e positivos do espeleoturismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo 9(2): 321-341. DOI: 10.7784/rbtur.v9i2.842

Lopez-Richard, V. & Chinaglia, C. (2004). Turismo de Aventura: conceitos e paradigmas fundamentais. Turismo em Análise 15(2): 199-215. DOI: 10.11606/issn.1984-4867.v15i2p199-215

Lopez-Richard, V.; Alamino, W. & Simões, M. (2007). Gerenciamento de Riscos em Programas de Aventura. Turismo em Análise 18(1): 94-108. DOI: 10.11606/issn.1984-4867.v18i1p94-108

McCool, S. F. & Cole, D. N. (1997).. Experiencing limits of acceptable change: some thoughts after a decade of implementation, Disponível em: https://www.fs.fed.us/rm/pubs_int/int_gtr371/int_gtr371_072_078.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

McCool, S. F. (2009). Constructing partnerships for protected area tourism planning in an era of change and messiness. Journal of Sustainable Tourism 17(2): 133-148. DOI 10.1080/09669580802495733

Ministério do Turismo. (2010). Ecoturismo: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. 2. ed. Brasília: Ministério do Turismo. Disponível em: http://antigo.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/Ecoturismo_Versxo_Final_IMPRESSxO_.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Ministério do Turismo. (2006). Turismo de Aventura: orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. Brasília: Ministério do Turismo. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/tu000018.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Nyaupane, G. P. & Poudel, S. (2011). Linkages among Biodiversity, Livelihood, and Tourism. Annals of Tourism Research 38(4): 1344–1366. DOI: 10.1016/j.annals.2011.03.006

Passold, A. J.; Magro, T. C.; Couto, H. T. Z. (2004). Comparing Indicators Effectiveness for Monitoring Visitor Impact in Intervales State Park, Brazil: Park Ranger-Measured Versus Specialist-Measured Experience. The Second International Conference on Monitoring and Management of Visitor Flows in Recreational and Protected Areas, Rovaniemi, Finland, Jun. 2004. Disponível em: http://www.metla.fi/julkaisut/workingpapers/2004/mwp002-08.pdf. DOI: Acesso em: 17 Nov. 2019.

Reid, R. A.; Koljonen, E. L. & Buell, J. B. (1999). The Deming cycle provides a framework for managing environmentally responsible process improvements. Quality Engineering 12(2): 199-209. DOI: 10.1080/08982119908962577

São Paulo (2014). Decreto Nº 60.302, de 27 de março de 2014, Institui o sistema de Gestão de Áreas Protegidas no Estado de São Paulo. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2014/decreto-60302-27.03.2014.html. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Silveira, D. T. & Córdova, F. P. (2009) A Pesquisa Científica em Métodos de Pesquisa, Porto Alegre: Editora da UFRGS: 31-42.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2010). Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação em Unidades de Conservação. Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo. Disponível em: http://arquivo.ambiente.sp.gov.br/publicacoes/2016/12/manualadeamonitoramentoaeagestoadosaimpactosadaavi.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2008). Resolução SMA no 059, de 27 de agosto de 2008. Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_urbanismo_e_meio_ambiente/legislacao/leg_estadual/leg_est_resolucoes/Resolucao-SMA-59-2008.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2008a). Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. Instituto Florestal, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo. http://fflorestal.sp.gov.br/pagina-inicial/planos-de-manejo/planos-de-manejo-planos-concluidos/plano-de-manejo-pe-serra-do-mar/. Acesso em: 17 Nov. 2019.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2008b). Plano de Manejo Parque Estadual Carlos Botelho. Instituto Florestal, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo http://fflorestal.sp.gov.br/pagina-inicial/planos-de-manejo/planos-de-manejo-planos-concluidos/plano-de-manejo-pe-carlos-botelho/. Acesso em: 17 Nov. 2019.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2008c). Plano de Manejo Parque Estadual Intervales, Instituto Florestal, Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo http://fflorestal.sp.gov.br/pagina-inicial/planos-de-manejo/planos-de-manejo-planos-concluidos/plano-de-manejo-pe-intervales/. Acesso em: 17 Nov. 2019.

SMA - Secretaria do Meio Ambiente. (2016). Resolução SMA Nº 54, de 05 de junho de 2016. Dispõe sobre os procedimentos para a instituição dos Conselhos Consultivos das unidades de conservação administradas pela Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente, São Paulo. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/legislacao/2016/06/resolucao-sma-54-2016/. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Stankey, G. H.; Cole, D. N.; Lucas, R. C.; Petersen, M. E. & Frissell, S. S. (1985). The Limits of Acceptable Change (LAC) system for wilderness planning. General Technical Report INT. USDA. Forest Service, Ogden, 176: 1-37. Disponível em: https://www.fs.usda.gov/Internet/FSE_DOCUMENTS/stelprdb5346594.pdf. Acesso em: 17 Nov. 2019.

Weaver, D. B; Lawton, L. J. (2017). A new visitation paradigm for protected areas. Tourism Management 60: 140-146. DOI: 10.1016/j.tourman.2016.11.018

Williams, P. & Soutar, G. N. (2009). Value, Satisfaction and Behavioral Intentions in an Adventure Tourism Context. Annals of Tourism Research 36(3): 413–438. DOI: 10.1016/j.annals.2009.02.002

Williams, P. W. & Ponsfor, I. F. (2009). Confronting tourism’s environmental paradox: Transitioning for sustainable tourism. Futures 41(6): 396–404. DOI: 10.1016/j.futures.2008.11.019

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Brookman.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

Lopez-Richard, V., Cassiano, A. M., & Aguiar, R. J. S. . (2020). Abordagem integradora para implementação de um sistema de gestão de segurança e impactos de visitação em áreas naturais protegidas. Revista Turismo Em Análise, 31(3), 597-618. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p597-618

Edição

Seção

Artigos e Ensaios