O processo de cocriação de valor nas experiências de consumo colaborativo em turismo

o caso Blablacar

Autores

  • Lucas Pereira Tomaz de Aquino Universidade Federal de Pernambuco
  • Maria de Lourdes de Azevedo Barbosa Universidade Federal de Pernambuco
  • José William de Queiroz Barbosa Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p417-434

Palavras-chave:

Turismo, Consumo colaborativo, Experiência de consumo, Cocriação

Resumo

Este estudo buscou melhor compreender como ocorre a construção da cocriação de valor durante as experiências de turistas usuários das plataformas de consumo colaborativo, tendo como objeto de estudo o aplicativo de caronas BlaBlaCar. Para dar suporte teórico à pesquisa, foi realizado um levantamento bibliográfico sobre as experiências de consumo, a co-criação de valor e o consumo colaborativo. Para alcançar o objetivo proposto, a natureza qualitativa da pesquisa foi adotada, optando-se pela estratégia do estudo de caso. Para a coleta dos dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas com usuários da mencionada plataforma, bem como foi elaborado um roteiro para observação do conteúdo do site como forma de realizar um contraponto entre os dados. Os resultados encontrados possibilitaram reconhecer a tendência a adoção de novos tipos de serviços colaborativos, bem como a mudança do comportamento dos consumidores. Obteve-se também uma melhor compreensão de como as experiências são desenvolvidas, identificando como ocorre a participação entre ofertantes e demandantes de serviços nesses novos formatos possibilitados por rede de computadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Pereira Tomaz de Aquino, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharelando em Hotelaria pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Pernambuco, Brasil.

Maria de Lourdes de Azevedo Barbosa, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente do Programa de Pós Graduação em Hotelaria e Turismo na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Pernambuco, Brasil.

José William de Queiroz Barbosa, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharel em Hotelaria pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Pernambuco, Brasil.

Referências

Aaker, et al. (2001). Marketing Research (7a ed.), New York: John Wiley & Sons, Inc.

Belk, R. (2014). You are what you can access: Sharing and collaborative consumption on-line. Journal of Business Research, 67, 1595-1600.

Benkler, Y. (2006). Commons-based peer production and virtue. The Journal of Political Philosophy, 4, 394–419.

Bostman, R., & Rogers, R. (2011). O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Porto Alegre: Bookman.

Campi, M. (2011). Consumo colaborativo é o novo escambo 2.0. Info Online Abril. Referenciado de: <http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/consumo-colaborativo-e-o-novo-escambo- 2.0-02062011-12.shl?p=3>. Acesso em: 13 abr. 2019.

Cipolla, C. (2009). Relational Services: service design fortering sustainability and new welfare models. Proceedings of the 2nd international Symposium on Sustainable Design. Brazil Network on Sustainable Design, RBDS. São Paulo: Brasil.

Cova, B., Dalli, D., & Zwick, D. (2011). Critical perspectives on consumers’ role as ‘producers’: Broadening the debate on value co-creation in marketing processes. Marketing Theory, 11(3), 231–241.

Creswell, J. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dirks, K. T., & Ferrin, D. L. (2001). The role of trust in organizational settings. Organization Science, 12, 450-467.

Dredge, D., & Gyimóthy, S. (2015). The collaborative Economy and Tourism: Critical perspectives, questionable claims and silenced voices. Tourism Recreation Research, 40.

Gansky, L. (2010). The mesh: Why the future of business is sharing. New York: Portfolio Penguin.

Geertz, C. (1989). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Grönroos, C. (2000) Service logic revisited: who creates value? And who co-creates? European Business Review, 20(4), 298-314.

__________. (2012). Conceptualising value co-creation: a journey to the 1970s and back to the future. Journal of Marketing Management, 28, 1520-1534.

__________., & Voima, P. (2013). Critical service logic: making sense of value creation and co-creation. Journal of the Academy of Marketing Science, 41, 133-150.

Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982). The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings and fun. Journal of Consumer Research, 9(2).

Horodyski, G. S., Manosso, F. C., & Gândara, J. M. G. (2014). A Pesquisa Narrativa na Investigação das Experiências Turísticas Relacionadas ao Consumo de Souvenirs: uma abordagem fenomenológica. Turismo em Análise, 25(1).

Jensen, R. (1999). The Dream Society: how the coming shift from information to imagination will transform your business. New York: McGraw – Hill.

Kramer, R. M. (1999). Trust and distrust in organizations: emerging perspectives, enduring questions. Annual Review Phycology, 50, 569-598.

Kunz, W., & Seshadri, S. (2015). From Virtual Travelers to Real Friends: Relationship-building Insights from an Online Travel Community. Journal of Business Research, 68, 1822–1828.

Lambert, D. M., & Enz, M. G. (2012). Managing and measuring value co-creation in business-to-business relationships. Journal of Marketing Management, 28, 1588–1625.

Lamberton, C. P. L., & Rose, R. L. (2012). When Is Ours Better Than Mine? A Framework for Understanding and Altering Participation in Commercial Sharing Systems. Journal of Marketing.

Manzini, E. J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: Marquezine, M. C., Almeida, M. A., & Omote, S. (Orgs.). Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. Londrina: Eduel, 11-25.

Molz, J. G. (2013). Social Networking Technologies and The Moral Economy of Alternative Tourism: The Case of Couchsurfing.org. Annals of Tourism Research, 43, 210-230.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa Qualitativa – características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, 1(3).

Payne, A. F., Storbacka, K., & Frow, P. (2008) Managing the co-creation of value. Journal of the Academy Marketing Science, 36, 83-96.

Pereira, C. S., Siciliano, T., & Rocha, E. (2015). "Consumo de experiência" e "experiência de consumo": uma discussão conceitual. Cotidiano e Experiência, 22(2).

Pine II, B. J., & Gilmore, J. H. (1999). The Experience Economy: work is theatre & every business a stage. Massachusetts: Harvard Business School Press.

Prahalad, C. K., & Ramaswamy, V. (2004). Co-creation Experiences: the next practice in value creation. Journal of Interactive Marketing, 18(3), 5-14.

Richards, G. (2014). Creativity and tourism in the city, Current Issues in Tourism. Referenciado de: <http://dx.doi.org/10.1080/13683500.2013.783794> . Acesso em: 24 fev. 2019.

Rocha, E. (2006). Coisas estranhas, coisas banais: notas para uma reflexão sobre o consumo. In: Rocha, E., Almeida, M., & Eugenio, F. (orgs.). Comunicação, consumo e espaço urbano: novas sensibilidades nas culturas jovens. Rio de Janeiro: Mauad/PUC-Rio.

Schor, J. (2015). Collaborating and Connecting: The emergence of the sharing economy. In: Reisch, L., & Thogersen, J. Handbook on research on sustainable consumption. Cheltenham, UK: Edward Elgar.

Silva, L. A. (2018). Discurso e identidade no consumo colaborativo de turismo: uma investigação sobre a plataforma de viagens Airbnb e seus usuários. 190 p. Dissertação – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Stake, R. (2006). Multiple Case Study Analysis. New York: The Guilford Press.

Steward, D., & Kamins, M. (1993). Secondary Research: Information Sources and Methods (2a ed.). London: Sage Publications, Inc.

Tonini, H. (2009). Economia da experiência: o consumo de emoções na Região Uva e Vinho. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. 3(1), 90-107.

Troccoli, I. R. (2009). Co-Criação de Valor e Fidelização dos Clientes: Uma Visão Integrada. Revista Científica Internacional, 2(4).

Vargo, S. L., & Lusch, R. F. (2016). Institutions and axioms: an extension and update of service-dominant logic. Journal of the Academy of Marketing Science, 44(1), 5-23.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Aquino, L. P. T. de, Barbosa, M. de L. de A., & Barbosa, J. W. de Q. (2020). O processo de cocriação de valor nas experiências de consumo colaborativo em turismo: o caso Blablacar. Revista Turismo Em Análise, 31(3), 417-434. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v31i3p417-434

Edição

Seção

Artigos e Ensaios