O tribunal como rito de passagem em Ressurreição e a literatura como rito de passagem em Tolstói

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2016.120652

Palavras-chave:

Tribunal, Tolstói, Terra, Homem, Luta.

Resumo

O presente trabalho se propõe a pensar sobre a terra, o homem e a luta enquanto categorias constitutivas do romance Ressurreição, de Tolstói. Ao se deparar, em um tribunal, com uma antiga criada de suas tias, o aristocrata Nekhliúdov inicia um processo de transformação operado por uma crise de consciência desencadeada pelas lembranças do tempo em que seduziu a moça e a abandonou à própria sorte. As mudanças ocasionadas geram um deslocamento tanto interior quanto exterior, uma vez que são travadas indagações sobre a conduta e os valores que moldam a sociedade russa, bem como sobre a própria conduta da personagem masculina, em paralelo a um deslocamento espacial que atravessa o território russo no romance. A terra, o homem e a luta se relacionam de forma dialética, uma vez que associam a personagem ao meio físico e às transformações por ele desencadeadas. A dualidade comumente atribuída ao ser humano é percebida na apresentação do príncipe, que aparece, no decorrer do enredo, como um homem dos avessos, ou seja, como um ser surpreendente ao se apresentar sob a veste da aristocracia, mas se afirmar como portador das necessidades dos socialmente excluídos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Michelline Veloso Danese, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutoranda em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Viçosa.

Downloads

Publicado

2016-12-13

Como Citar

Danese, V. M. V. (2016). O tribunal como rito de passagem em Ressurreição e a literatura como rito de passagem em Tolstói. RUS (São Paulo), 7(8), 115-129. https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2016.120652

Edição

Seção

Artigos