Vimala Devi, Ida Vitale e Gabriela Mistral: diáspora ao feminino ou a lusofonia em diálogo

Autores

  • Carolina Cunha Carnier

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i38.167092

Palavras-chave:

poesia feminina, memória, exílio, pós-colonial

Resumo

A América Latina e certos territórios coloniais europeus da África e Ásia, apesar de contextos diversos, são terrenos de convergência de formas poéticas que problematizam a memória e o exilio. Se muito já se disse sobre a influência da obra de Gabriela Mistral na escrita de autores diversos, é inédita, no entanto a aproximação de seu lirismo com as representações da Montevideo de Vitale, bem como com as relações ao sensível explícitas nas representações de Goa de Devi. Concentro-me, respectivamente, nas três partes dessa análise, em uma seleção de poemas de Procura de lo Impossible (1998) de Ida Vitale, Poema de Chile de Gabriela Mistral (1967) e de Súria (1962) de Vimala Devi.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Carolina Cunha Carnier

    Doutora em literatura francesa e brasileira pela Universidade de Lyon e a Universidade de São Paulo. Trabalha com a poesia moderna e contemporânea sob uma perspectiva comparatista. Seu último artigo publicado concerne a poesia escrita por mulheres numa perspectiva transatlântica: "Corps, langue et mémoire. Éléments pour une étude genrée de l'espace poétique ouest-atlantique", In: L'Atlantique littéraire au féminin. Approches comparatistes (XXe- XXIe siècles). Clermont-Ferrand: Presses universitaires Blaise Pascal, 2020.

Referências

BRAH, Avtar. Cartografías de la diáspora: Identidades en cuestión. Madrid: Traficantes de Sueños, 2011.

CASTILLO CEREZUELA, Queralt. Avtar Brah: “La identidad siempre es un proceso, no un producto final”. El Salto, Madrid, 9 abr. 2018.

CASTRO, Paul Melo e. Em torno do fim: Goa tardo-colonial no ciclo de contos Monção (1963) de Vimala Devi. Via Atlântica / USP. São Paulo, n. 36, p. 15-41, 2019.

DE ALDANA, Francisco. c Madrid : Castalia, 2003, pp. 283-284.

DE BEAUVOIR, Simone. Final de Cuentas. Tradução de Ida Vitale. Barcelona: Edhasa, 1993.

DEVI, Vimala. Súria. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar, 1962.

LUCO FALABELLA, Soledad. “Desierto”: Territorio, desplazamiento y nostalgia en Poema de Chile de Gabriela Mistral, Revista Chilena de Literatura, no 50, p. 79-96, 1997

MISTRAL, Gabriela. Poema de Chile. Santiago: La Pollera Ediciones, 2015.

NERUDA, Pablo. Residencia en la Tierra. Santiago: Editorial Universitaria, 2004.

NOUSS, Alexis. La condition de l’exilé. Penser les migrations contemporaines, Paris: Maison des Sciences de l’Homme, 2015.

NOUSS, Alexis. L’exil comme expérience. FMSH-WP-2013-43, 2013. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00861245/document. Acesso em: 10 out. 2020.

NOUSS, Alexis. Exiliance : condition et conscience. FMSH-WP-2013-44, 2013. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00861246/document. Acesso em: 10 out. 2020.

PASSOS, Joana. As políticas do cânone: quem se marginaliza e por quê? O caso de Vimala Devi.Via Atlântica / USP. São Paulo, n. 36, p. 43-62, 2019.

PASSOS, Joana.Literatura goesa em português nos séculos XIX e XX: Perspectivas pós-coloniais e revisão crítica. Braga: CEHUM, 2012.

PASSOS, Joana. A ambivalência de Goa como imagem do império português e as representações da sociedade colonial na literatura luso-indiana. e-cadernos CES, n. 1, 2008.

PERET, Benjamin. Pulquería Quiere Un Auto Y Otros Cuentos. Tradução de Ida Vitale. Introd. de Octavio Paz. México: Editorial Vuelta, 1996.

VITALE, Ida. La poesía es irremplazable. [Entrevista concedida a Roberto Mascaró]. El País Cultural, 209, nov. 1993.

VITALE, Ida. Poesía Reunida. Barcelona: Tusquets Editores, 2017.

VITALE, Ida. Shakespeare Palace: Mosaicos de mi vida en México. Barcelona: Lumen, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

CARNIER, Carolina Cunha. Vimala Devi, Ida Vitale e Gabriela Mistral: diáspora ao feminino ou a lusofonia em diálogo. Via Atlântica, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 363–400, 2020. DOI: 10.11606/va.i38.167092. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/167092.. Acesso em: 12 abr. 2024.