UM NOME, UM DESTINO: UMA ONOMÁSTICA NA FICÇÃO DE NELSON RODRIGUES

Autores

  • Adriano de Paula Rabelo Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i38.172207

Palavras-chave:

Nelson Rodrigues, nomes, personagens, criação literária

Resumo

Os nomes dos personagens são uma das mais importantes chaves de interpretação de uma obra ficcional, a ponto de chegarem a determinar os rumos da ação. Muito especialmente, eles dizem muito sobre quem são tais personagens, por que fazem o que fazem, como representam aspectos da realidade de uma determinada sociedade. Nas peças, romances, contos e folhetins de Nelson Rodrigues, escritor que tinha plena consciência desse poder expressivo dos nomes, a ponto de refletir frequentemente sobre isso em de suas crônicas ensaísticas, os nomes dados a seus personagens constituem um dos elementos a que o leitor ou espectador de seus trabalhos deve prestar grande atenção. Este artigo resulta de um amplo levantamento dos nomes de seus personagens, classificando-os em categorias e analisando brevemente seus sentidos, suas peculiaridades, suas relações com as personalidades que nomeiam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano de Paula Rabelo, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor de Literatura Brasileira na Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

AZEVEDO, Sebastião Laércio de. Dicionário de nomes de pessoas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993.

FLAG, Suzana. (Nelson Rodrigues). Meu destino é pecar. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

FLAG, Suzana. (Nelson Rodrigues). Minha vida. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1946.

FLAG, Suzana. (Nelson Rodrigues). Núpcias de fogo. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FLAG, Suzana. (Nelson Rodrigues). Escravas do amor. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MACHADO, Ana Maria. Recado do nome: Leitura de Guimarães Rosa à luz do nome de seus personagens. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

MYRNA. (Nelson Rodrigues). A mulher que amou demais. São Paulo: Companhia das Letras, 2003b.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia: Construção do personagem. São Paulo: Ática, 1989.

RABELO, Adriano de Paula. Formas do trágico moderno nas obras teatrais de Eugene O’Neill e Nelson Rodrigues. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira). São Paulo: Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2004. Teses - USP.

REUTER, Yves. Introdução à análise do romance. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

RODRIGUES, Nelson. O casamento. São Paulo: Companhia das Letras, 1992a.

RODRIGUES, Nelson. A vida como ela é: O homem fiel e outros contos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992b.

RODRIGUES, Nelson. O óbvio ululante: Primeiras confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1993a.

RODRIGUES, Nelson. A coroa de orquídeas e outros contos de A vida como ela é... São Paulo: Companhia das Letras, 1993b.

RODRIGUES, Nelson. A menina sem estrela: Memórias. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

RODRIGUES, Nelson. O reacionário: Memórias e confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1995a.

RODRIGUES, Nelson. Asfalto selvagem: Engraçadinha, seus amores e seus pecados. São Paulo: Companhia das Letras, 1995b.

RODRIGUES, Nelson. O remador de Ben-Hur: Confissões culturais. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RODRIGUES, Nelson. Pouco amor não é amor: Contos. São Paulo: Companhia das Letras, 2002a.

RODRIGUES, Nelson. A mentira. São Paulo: Companhia das Letras, 2002b.

RODRIGUES, Nelson. Teatro Completo. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003a.

RODRIGUES, Nelson. O homem proibido. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Rabelo, A. de P. . (2020). UM NOME, UM DESTINO: UMA ONOMÁSTICA NA FICÇÃO DE NELSON RODRIGUES. Via Atlântica, (38), 338-362. https://doi.org/10.11606/va.i38.172207