O porão do navio negreiro como digênese nos romances Um defeito de cor e O crime do cais do Valongo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i41.191060

Palavras-chave:

literatura amefricana, Édouard Glissant, ensaios, diáspora, identidade cultural

Resumo

Este artigo visa discutir algumas condições a uma identidade tributária das culturas compósitas nas Américas, a partir da leitura de Um defeito de cor de Ana Maria Gonçalves (2009) e O crime do cais do Valongo de Eliana Alves Cruz (2018). Organizamos nossos procedimentos de diálogo entre os romances mencionados tomando o navio negreiro como um lugar-comum (GLISSANT, 2005). Nossa argumentação parte da hipótese de que a expressão de uma enunciação desde o porão do navio negreiro nos romances em análise nos habilita a lê-los enquanto digêneses (GLISSANT; 2014, 1997).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho, Universidade Federal do Piauí

Doutoranda em Letras no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Piauí. Integrante do Grupo de Pesquisa Teseu, o labirinto e seu nome. Professora da Secretaria Municipal de Educação de Teresina. E-mail: catharine@ufpi.edu.br

Alcione Corrêa Alves, Universidade Federal do Piauí

Alcione Correa Alves (graduação em Letras, obtido em 2005; Mestrado em Letras, obtido em 2008; e Doutorado em Letras, obtido em 2012; todos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul) está professor associado I na Universidade Federal do Piauí, onde tem desenvolvido atividades docentes de ensino, extensão e pesquisa, em níveis de graduação e pós-graduação. Tem coordenado, desde 2010, o Projeto de Pesquisa e Extensão Teseu, o labirinto e seu nome, dedicado ao tema das construções identitárias nas literaturas amefricanas. Atualmente, o objetivo central de investigação (seu e do Projeto Teseu) consiste em perceber este corpus de pensamento amefricano em uma dupla dimensão, de ficção e ensaio, de modo a compreender sua contribuição à formulação de novos problemas (metodológicos e epistemológicos), atinentes a uma Teoria Literária contemporânea em Nuestramérica (Améfrica Ladina).

Referências

ALVES, Alcione Correa. Violência epistêmica e enunciação de sujeitas negras em uma interpretação de Nancy Morejón. Revista Língua & Literatura. v. 19, n. 33, p. 165-191, jan./jun. 2017.

ALVES, Alcione Correa. Mulheres deixam traços nas águas? Revista Organon. Porto Alegre, v. 29, n. 57, p. 77-98, jul/dez. 2014a.

ALVES, Alcione Correa. Teseu o labirinto e seu nome: Ser e processo em Édouard Glissant. In: ALVES, Alcione Correa; BEZERRA, Rosilda Alves; SOUZA, Elio Ferreira de; WALTER, Roland (Orgs.). Entre centros e margens: literaturas afrodescendentes da diáspora. Curitiba: CRV, 2014b.

ALVES, Alcione Correa. ‘Mon nom, je l´habite tout entier': littérature-monde en français e seus lugares de enunciação. 2012. 208 f. Tese (Doutorado em Literatura Francesa e Francófonas) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/54085. Acesso em: ago. 2021.

BAQUAQUA, Mahommah Gardo. Biografia de Mahommah G. Baquaqua. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 08, n. 16, mar./ago. 1988, p. 269-284. (Apresentação de Silvia Hunold Lara, tradução de Sonia Nussenzweig).

BARR, Shirley Campbell. Letras e vozes da diáspora negra. In: PINTO, Ana Flávia Magalhães; DECHEN, Chaia; FERNANDES; Jaqueline (Orgs.). Griôs da diáspora negra. Brasília: Griô, 2017.

BERND, Zilá. Identidades compósitas: Escrituras híbridas. Matraga, Rio de janeiro, n. 12, 1999.

BERND, Zilá; LOPES, Cícero Galeno (Orgs.). Identidades e estéticas compósitas. Canoas: Editora La Salle/PPG-Letras/UFRGS, 1999.

BISPO, Ella Ferreira. Processos de crioulização no romance Um defeito de cor: as condições de possibilidade a uma identidade cultural latino-americana. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufpi.br/xmlui/handle/123456789/1143. Acesso em: ago. 2021.

CARVALHO, Jéssica Catharine Barbosa de. Literatura e atitudes políticas: olhares sobre o feminino e antiescravismo na obra de Maria Firmina dos Reis. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpi.br/xmlui/handle/123456789/1142. Acesso em: ago. 2021.

CORTES, Cristiane. Na rota do Atlântico: Kehinde e o movimento pendular das identidades diaspóricas. In: MIRANDA, Fernanda Rodrigues de; OLIVEIRA, Maria Aparecida Cruz de (Orgs.). Ana Maria Gonçalves: cartografia crítica. Brasília: Edições Carolina, 2020. (E-book).

CORDEIRO, Hildalia Fernandes Cunha. Memória das águas performando o passado: sal de cura e cicatrização. In: MIRANDA, Fernanda Rodrigues de; OLIVEIRA, Maria Aparecida Cruz de (Orgs.). Ana Maria Gonçalves: cartografia crítica. Brasília: Edições Carolina, 2020. (E-book).

CRUZ, Eliana Alves. Nada digo de ti, que em ti não veja. Rio de Janeiro: Pallas, 2020.

CRUZ, Eliana Alves. O crime do Cais do Valongo. Rio de Janeiro: Malê, 2018a.

CRUZ, Eliana Alves. Romance histórico-policial | Programa Completo. Canal da TV Brasil no Youtube, 2018b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8ng-GVEjIXc. Acesso em: set. 2020.

CRUZ, Eliana Alves. Água de Barrela. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

FIGUEIREDO, Eurídice. História da escravidão e da resistência dos negros: Maria Firmina dos Reis, Ana Maria Gonçalves e Eliana Alves Cruz. In: FIGUEIREDO, Eurídice. Por uma crítica feminista. Porto Alegre: Zouk, 2020.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Editora 34, Rio de Janeiro: UCAM, 2001.

GLISSANT, Édouard. O pensamento do tremor. La cohée du lamentin. Trad. Enilce Albergaria Rocha e Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Gallimard/Editora UFJF, 2014.

GLISSANT, Édouard. Poética da Relação. Trad. Manuela Mendonça. Lisboa: Porto, 2011.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Trad. Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

GLISSANT, Édouard. Traité du Tout-Monde. Paris: Gallimard, 1997.

GLISSANT, Édouard. Le sel noir. Paris: Gallimard, 1983.

GLISSANT, Édouard. Fastos y otros poemas. Selección y traducción del francés de Nancy Morejón. La Habana: Fondo Editorial Casa de las Américas, 2002 (Colección Pasamanos).

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

GONZÁLEZ, Lélia. A categoria político-cultural da Amefricanidade. In: GONZÁLEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia González em primeira pessoa… Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018.

KANOR, Fabienne. Humus. Paris: Gallimard, 2007 (Continents noirs).

LORDE, Audre. Irmã outsider. Trad. Stephanie Borges. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo, n-1 edições: 2018.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo, n-1 edições: 2020.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. O banzo e outros males: o páthos dos negros escravos na Memória de Oliveira Mendes. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, ano X, n. 2, p. 346-361, jun. 2007.

RODRIGUES, Jaime. Navios negreiros: imagens e descrições. In: RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780- 1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SOUZA, Lívia Maria Natália de. Uma reflexão sobre os discursos menores ou a escrevivência como narrativa subalterna. Revista Crioula, 21, p. 25-43, 2018.

THE TRANS-ATLANTIC SLAVE TRADE DATABASE. Análise do tráfico de escravos – estimativas. [website]. Disponível em: https://www.slavevoyages.org/. Acesso em: ago. 2021.

WALTER, Roland. Édouard Glissant: in memoriam. CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABECAN: 20 ANOS DE INTERFACES BRASIL-CANADÁ, XI. Anais... Salvador: UFBA, 2011.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

Bispo, E. F., Carvalho, J. C. B. de, & Alves, A. C. (2022). O porão do navio negreiro como digênese nos romances Um defeito de cor e O crime do cais do Valongo. Via Atlântica, 23(1), 345-376. https://doi.org/10.11606/va.i41.191060

Edição

Seção

Dossiê 41: Margens do Atlântico em Português