Livro de uma sogra (1895), de Aluísio Azevedo (ou “como conservar o amor sexual”)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i43.196964

Palavras-chave:

Aluísio Azevedo, Livro de uma sogra, erotismo, naturalismo, comércio livreiro

Resumo

Nesse trabalho, propomos estudar o Livro de uma sogra (1895), de Aluísio Azevedo, como um produto cultural comercialmente bem-sucedido. Para compreender o sucesso do livro, o situamos no contexto da expansão editorial do fim do século e do aparecimento dos “manuais práticos”. A obra se comunicava com o “sogrismo”, uma antiga tradição satírica que maldizia as sogras. Valia-se de apimentadas estratégias libertinas, como a narradora feminina ilustrada, e tinha como missão ensinar aos leitores como manter viva a chama sexual no casamento. Nessa visada, o Livro de uma sogra emerge como uma obra erótica, popular e cômica, que marcou a vida cultural da Belle Époque.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Leonardo Mendes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Doutor em Teoria Literária pela Universidade do Texas (EUA) e Professor Associado de Literaturas de Língua Inglesa e Teoria Literária do Departamento de Letras da Faculdade de Formação de Professores da UERJ.

  • Marina Pozes Pereira dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

    Graduada em Letras (Português/Inglês) e Especialista em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É Mestre em Literatura Brasileira e Teorias da Literatura pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é professora de Língua Portuguesa da rede municipal de ensino de São Gonçalo (RJ) e cursa o Doutorado em Literatura Comparada na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com pesquisa sobre os aspectos antipatriarcais do romance naturalista no Brasil.

Referências

A. A. (pseud. Artur Azevedo). Palestra. O Paiz, Rio de Janeiro, p. 1, 7 out. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 22 set. 2020.

ALMEIDA, Leandro Thomaz de. Literatura naturalista, moralidade e natureza. Tese (doutorado em História Literária). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2013.

ARETINO, Pietro. Pornólogos I – Ragionamento della Nanna e della Antonia – Diálogo das Cortesãs. São Paulo: Editora Degustar, 2006.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. Rio de Janeiro: Cia. Editora Americana, 1973.

AZEVEDO, Aluísio. Livro de uma sogra. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d.

BEZERRA, Carlos Eduardo. Adolfo Caminha: um polígrafo na literatura brasileira do século XIX (1885-1897). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1980.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

DARNTON, Robert. Sexo dá o que pensar. In: NOVAES, Adauto (org.). Libertinos libertários. São Paulo: Companhia das letras, 1996, p. 21-42.

DEAECTO, Marisa Midore. O império dos livros. Instituições e práticas de leitura na São Paulo oitocentista. São Paulo: EDUSP, 2019.

EL FAR, Alessandra. Páginas de sensação: literatura popular e pornográfica no Rio de Janeiro (1870-1924). São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

ELÓI, O HERÓI [pseud. Artur Azevedo]. De Palanque. Novidades, Rio de Janeiro, 18 out. 1887. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 28 set. 2017.

FANINI, Ângela. Maria Rubel. Os romances-folhetins de Aluísio Azevedo: aventuras periféricas. Tese (Doutorado em Teoria Literária). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2003. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/84646

FANTASIO (pseud. Olavo Bilac). Crônica Literária. A cigarra, n. 20, Rio de Janeiro, 19 set. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 12 jul. 2020.

FARIA, Maraísa Gabriela de. As barbas espantadiças do público: uma história da edição, circulação, recepção e fortuna crítica de Bom-Crioulo, de Adolfo Caminha. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016. https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/6879

FONTOURA JR, Antônio José. Pedagogias da sexualidade e relações de gênero: os manuais sexuais no Brasil (1865-1980). Tese (Doutorado em História). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2019. https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/60287

GALLIS, Alfredo. Mártires da virgindade: romance patológico. São Paulo: Edições Jupiter, s.d.

GARCIA-CAMELLO, Cleyciara. A filha do conselheiro: cientificismo, licenciosidade e promoção publicitária em O homem, de Aluísio Azevedo. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2018. https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/6241

JACOB, Margaret. O mundo materialista da pornografia. In: HUNT, Lynn (org.). A invenção da pornografia: obscenidade e as origens da modernidade. São Paulo: Editora Hedra, 1999, p. 169-215.

MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira. Vol. IV (1877-1896). São Paulo: Cultrix, 1979.

MENDES, Leonardo. O aborto, de Figueiredo Pimentel: naturalismo, pedagogia e pornografia no final do século XIX. In: MENDES, Leonardo & CATHARINA, Pedro Paulo (org.). Figueiredo Pimentel, um polígrafo na Belle Époque. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2019, p. 261-349.

MENDES, Leonardo. Biblioteca Galante: a Gazeta de Notícias e a popularização da pornografia no Brasil pós-1870. Brasiliana. Journal for Brazilian Studies, v. 9. n. 1, p. 239-258, 2020.

MENDES, Leonardo. “Livros para homens”: sucessos pornográficos no Brasil no final do século XIX. Cadernos do IL, n. 53, p. 173-191, 2016.

MENDES, Leonardo; CATHARINA, Pedro Paulo. Le naturalisme brésilien au pluriel. Brésil(s). Sciencies Humaines et Sociales, n. 15, p. 1-22, 2019.

MÉRIAN, Jean-Yves. Aluísio Azevedo: vida e obra (1857-1913). Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional: Garamond, 2013.

NORDAU, Max. Degeneration. New York: D. Appleton & Company, 1895.

PEREIRA, Lucia Miguel. História da literatura brasileira. Prosa de ficção, de 1870 a 1920. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

REDONDO, Garcia. Chronica paulista. O Paiz, Rio de Janeiro, 7 out. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 25 jan. 2020.

ROURE, Agenor de. O Livro de uma sogra (impressões de leitura). O Paiz, Rio de Janeiro, 13 e 17 out. 1895. http://memoria.bn.br. Acesso 13 nov. 2020.

SALOMAR. Júlio Camisão e sua obra literária. Gazeta da Tarde, Rio de Janeiro, 3 maio 1896. http://memoria.bn.br. Acesso 24 ago. 2021.

SANTOS. J. Crônica Literária. A Notícia, Rio de Janeiro, 18 nov. 1898. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 15 jun. 2021.

TEIXEIRA, Hendie. A fórmula de sucesso vende atentado ao pudor: os best-sellers no Rio de Janeiro (1880-1910). Tese de doutorado (História Social), Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2021.

V. (pseud. Valentim Magalhães). É realmente notável.... A Notícia, Rio de Janeiro, 25 ago. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 12 jul. 2020.

VERISSIMO, José. A questão do casamento: a propósito do Livro de uma sogra. Revista Brazileira: jornal de sciencias, lettras e artes, Rio de Janeiro, edição 4, tomo IV, p. 109-122, outubro a dezembro de 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 21 ago. 2019.

V. M. (pseud. Valentim Magalhães). Semana Literária. A Notícia, Rio de Janeiro, 23 set. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 18 nov. 2020.

VIANA, Caldas. Livro de uma sogra. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 18 set. 1895. Disponível em http://memoria.bn.br. Acesso 28 set. 2020.

Downloads

Publicado

2023-04-28

Edição

Seção

Dossiê 43: Sexo e sensibilidades eróticas na literatura luso-brasileira de Oitoc

Como Citar

MENDES, Leonardo; SANTOS, Marina Pozes Pereira dos. Livro de uma sogra (1895), de Aluísio Azevedo (ou “como conservar o amor sexual”). Via Atlântica, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 328–358, 2023. DOI: 10.11606/va.i43.196964. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/196964.. Acesso em: 17 abr. 2024.