As alegorias de "Levedando a ilha..."

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/va.i43.202998

Palavras-chave:

literatura caboverdiana, conto, Maria Margarida Mascarenhas

Resumo

O artigo analisa o conto “Levedando a ilha…” (1962), de Maria Margarida Mascarenhas, na perspectiva metodológica do Círculo de Bakhtin, defendendo a ideia de existirem alegorias relacionadas ao contexto caboverdiano. Para análise, adotamos a definição de alegoria proposta por Lausberg, metáfora que consiste na substituição do pensamento em causa, por outro, ligando-os uma relação de semelhança. Como resultado, apresentamos alguns elementos – autoria, espaço, composição da heroína e momentos do enredo - que podem ser interpretados como analogias da geografia, da formação da sociedade e da luta pela independência do arquipélago.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Kelly Mendes Lima, Instituto Federal de Ciência, Educação e Tecnologia de São Paulo

    Doutora em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa - FFLCH/USP. Docente do Instituto Federal de Ciência, Educação e Tecnologia de São Paulo. Membro do GPLEC – Grupo de Pesquisa em Literatura e Estudos Culturais

      

  • Suely Corvacho, Instituto Federal de São Paulo

    Professora aposentada do Instituto Federal de São Paulo – IFSP, São Paulo, Brasil e Pós-doutoranda do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo (USP); membro do GPLEC – Grupo de Pesquisa em Literatura e Estudos Culturais.

     

     

  • Thomaz Machado Silva, Instituto Federal de São Paulo

    Graduando em Letras pela Instituto Federal de São Paulo – IFSP, São Paulo. Membro do GPLEC – Grupo de Pesquisa em Literatura e Estudos Culturais

     

     

Referências

ALBUQUERQUE, L.; SANTOS, M.E. (coord.) História Geral de Cabo Verde. 1991. Vol. 1. Disponível em: http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/HistoriaCV/HGCV-V1&p=29. Acesso em: 24/mai/2022

AUERBACH, Erich. “A meia marron” In Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Intr. e Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. “Autor y héroe en la actividad estética” In: Hacia una filosofía del acto ético. De los borradores y otros escritos. Comentários de Iris M. Zavala y Augusto Ponzio. Trad. Tatiana Bubnova. Barcelona: Anthropos; San Juan: Universidad de Puerto Rico, 1997.

BETTO, Frei. O que é Comunidade Eclesial de Base. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CARREIRA, António. Cabo Verde: formação e extinção de uma sociedade escravocrata (1460-1878). Praia: Instituto de Promoção Cultural, 2000.

CARVALHO, GLEICIANE BRANDÃO. Nos circuitos da História: mulheres e identidades na educação em Cabo Verde e a produção da cartilha: A participação das mulheres na construção da história de Cabo Verde. São Luís, 2018. Disponível em: https://www.ppghist.uema.br/wp-content/uploads/2016/12/Gleiciane-disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 26/mai/2022

CORTÁZAR, Julio. “Situação do romance”. In Valise de cronópio. Trad. Davi Arrigucci Jr.; João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2004.

COUTINHO, Ângela Sofia Benoliel. Militantes invisíveis: as cabo-verdianas e o movimento independente (1956-1974). Revista Estudos Feministas Florianópolis, v. 28, n. 1, e68316, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n168316. Acesso em: 25/mai/2022.

FARIA, Ernesto. Dicionário Escolar Latino Português. Rio de Janeiro: FAE, 1988.

FERREIRA, Manuel. Literaturas africanas de expressão portuguesa. São Paulo: Ática, 1987.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de retórica literária. Trad. R.M. Rosado Fernandes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993

MASCARENHAS, Maria Margarida. Levedando a ilha... Linda-a-Velha/Lisboa: ALAC (África, Literatura, Arte e Cultura), 1988.

MEDVIÉDEV, Pável N. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Trad. Ekaterina V. Américo e Sheila C. Grillo. São Paulo: Contexto, 2012.

MOITA LOPES, L. P. “Como e por que teorizar o português”. In O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. Luiz Paulo da Moita Lopes (org.). São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

MONTEIRO, Eurídice Furtado. “Crioulidade, colonialidade e género: as representações de Cabo Verde”. Rev. Estud. Fem. Florianópolis. v. 24, n. 3, p. 983-996. Dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2016v24n3p983. Acesso em: 24/Mai/2022

PEREIRA, Kleyton. “Violência, gênero e diáspora na curta ficção africana de língua portuguesa”. Anais do XII Congresso Internacional da ABRALIC Centro, Centros – Ética, Estética. Curitiba: UFPR, 2011. Disponível: https://abralic.org.br/eventos/cong2011/AnaisOnline/resumos/TC0772-1.pdf. Acesso em 19/11/2021.

ROSENFELD, Anatol. “Reflexões sobre o romance moderno”, In Texto/Contexto I. São Paulo: Perspectiva, 1996.

SEMEDO, Adilson. “Pode-se falar da secularização em Cabo Verde antes da independência nacional? A diferenciação funcional do religioso e do político no período colonial (1462-1975). Disponível: https://journals.openedition.org.eces/573. Acesso em 18/11/2021.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Notas e glossário Sheila Grillo e Ekaterina V. Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

Downloads

Publicado

2023-04-28

Como Citar

LIMA, Kelly Mendes; CORVACHO, Suely; SILVA, Thomaz Machado. As alegorias de "Levedando a ilha...". Via Atlântica, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 455–488, 2023. DOI: 10.11606/va.i43.202998. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/202998.. Acesso em: 21 abr. 2024.