Emprego de vírgula e prosódia do Português Brasileiro: aspectos teórico-analíticos e implicações didáticas

  • Geovana Soncin Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil
  • Luciani Tenani Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Vírgula. Prosódia. Escrita. Língua Portuguesa.

Resumo

Neste artigo, estabelecemos relações entre o emprego de vírgula em textos de alunos concluintes do Ensino Fundamental e a organização prosódica do Português Brasileiro. Por meio da análise realizada, mostramos que, embora a convenção para o uso da vírgula seja prioritariamente de base sintática, os usos encontrados apresentam regularidades prosódicas que, ao mesmo tempo, organizam a segmentação do enunciado e contribuem para a constituição dos sentidos dos textos. Do ponto de vista teórico, defendemos, por um lado, que a prosódia atua como estrutura significante na escrita e, desse modo, não é particularidade da fala e, por outro, que os usos de vírgula, ao marcar a estruturação prosódica da língua na escrita, faz remissão, por meio de um processo simbólico, ao modo como os fenômenos prosódicos produzem sentidos em diferentes enunciados no interior de práticas de oralidade. Como desdobramento da discussão teórica, propomos que, na prática didática, enfrentar a complexidade do emprego da vírgula poderia ser mais produtivo para o ensino do que considerá-lo em sua suposta homogeneidade sintática.

Biografia do Autor

Geovana Soncin, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil
Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Atualmente, é bolsista de pós-doutorado da FAPESP no Departamento de Estudos Linguísticos e Literários do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" em São José do Rio Preto.
Luciani Tenani, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil
Docente do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" em São José do Rio Preto.

Referências

Abaurre, MBM. Fiad, RS. Mayrink-Sabinson, MLT. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas: Mercado de Letras/ALB; 1997.

Anis J. Pour une graphématique autonome. Langue française. Paris; 1983, 59: 31-44. Bechara E. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna; 1999.

Cagliari LC. Marcadores prosódicos na escrita. Estudos linguísticos. XVIII Anais de Se- minários do GEL. Lorena; 1989, 195-203.

Catach N. La Ponctuation. Paris: Presses Universitaires de France; 1994.

Chacon L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Chafe W. Punctuation and the prosody of written language (Technical Report n. 11). Berkeley: Center for the study of writing; 1987.

Corrêa MLG. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes; 2004.

Corrêa MLG. Bases teóricas para o ensino da escrita. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão; 2013a, 13 (3): 481-513.

Corrêa MLG. Heterogeneidade da escrita no ensino: das modalidades às relações interge- néricas. In: Pereira LA, Cardoso I, (coord.). Reflexão sobre a escrita: o ensino de diferentes géneros de textos. Aveiro: UA Editora/Universidade de Aveiro; 2013b. p. 67-91.

Dahlet V. As (man)obras da pontuação: usos e significações. São Paulo: Associação Editorial Humanitas; 2006.

Damourette J. Traité moderne de ponctuation. Paris: Larousse; 1939.

Fernandes FR. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia [tese]. Campinas: Instituto de Estudos da linguagem, Universidade Estadual de Campinas; 2007.

Nespor M, Vogel I. Prosodic Phonology. Dordrecht: Foris Publications; 1986.

Pacheco V. Investigação fonético-acústico-perceptual dos sinais de pontuação enquanto marcadores prosódicos [dissertação]. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Pacheco V. O efeito dos estímulos auditivo e visual na percepção dos marcadores prosódicos lexicais e gráficos usados na escrita do português brasileiro [tese]. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Soncin, GCN. Língua, discurso e prosódia: investigar o uso da vírgula é restrito? Vírgula! [tese]. São José do Rio Preto: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universi- dade Estadual Paulista; 2014.

Publicado
2016-04-07
Como Citar
Soncin, G., & Tenani, L. (2016). Emprego de vírgula e prosódia do Português Brasileiro: aspectos teórico-analíticos e implicações didáticas. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 473-493. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p473-493
Seção
Artigos