O processo de alfabetização e a produção do sentido no discurso escrito

  • Cecilia M. A. Goulart Universidade Federal Fluminense, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
Palavras-chave: Alfabetização, discurso escrito, Bakhtin.

Resumo

O estudo tem como objetivo compreender aspectos do processo de alfabetização infantil por meio da análise de indícios da reflexão sobre a escrita e a linguagem por parte de uma criança. Busca-se evidenciar a presença do sujeito na linguagem, no contexto da opacidade da realidade e da linguagem, pela análise dos modos de constituição de um texto escrito. Selecionamos, por sua originalidade, o texto escrito de uma menina de 5 anos, parte do banco de dados do grupo de pesquisa Linguagem, cultura e processos educativos/CNPq. Aspectos da teoria da enunciação de Bakhtin, da constituição da escrita e da relação entre oralidade e letramento são vetores da base teórico-metodológica. O saber indiciário utilizado tem como base o método de conhecimento cuja força está na observação do pormenor revelador, do detalhe. Na análise do texto da menina, observamos como diferentes sistemas representacionais convivem em seu esforço para significar por escrito. Sistemas orientados por princípios organizacionais distintos são utilizados com funções variadas, e, por vezes, apresentam instabilidades no uso da mesma função. Os diferentes signos são orientados para o interlocutor, o auditório social (Bakhtin, 1998). Na análise, sobressai a seleção de palavras dos enunciados, realizada a partir das intenções que presidem o seu todo, e, na perspectiva da tensão interna que existe em qualquer signo, de acordo com Bakhtin. Aprender a escrever abrange conhecer o princípio alfabético da escrita no interior de complexa trama de outros conhecimentos envolvida na produção de linguagem com valor social. É importante entender a aprendizagem da escrita como um processo marcado por instabilidades e estabilidades, e as crianças como pessoas capazes de aprender complexamente.

Referências

Abaurre MBM. Os estudos linguísticos e a aquisição da escrita. In: Castro MFP, editora. O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp; 1996. p. 39-58.

Amorim M. Alteridade e formas de saber. 3a Conferência de pesquisa sócio-cultural; 2000; Campinas, Brasil. Campinas, SP: Unicamp; 2000. p. 9.

Bakhtin M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 5a. ed. Aurora F. Bernardini, José P. Jr., Augusto G. Jr., Helena S. Nazário e Homero F. de Andrade, tradu- tores. São Paulo: Hucitec; 1998.

Brait B. Análise e teoria do discurso. In Brait B, editora. Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto; 2006. p. 9-31.

Cagliari LC. A escrita no século ��I (ou talvez além disso). [citado 10 jul. 2008]. Disponível em http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios; 2007.

Calvino I. Seis propostas para o próximo milênio. Ivo Barroso, tradutor. São Paulo: Com- panhia das Letras; 1990. p. 146.

Corrêa MCC. A constituição do vocábulo formal no texto escrito. In Amorim M, organiza- dora. Psicologia escolar: artigos e estudos. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ; 1990. p. 27-37.

Ginzburg C. Raízes de um paradigma indiciário. In Ginzburg C. Mitos, emblemas, sinais. Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras; 1989. p. 143-179.

Goulart CMA. Cultura escrita e escola: letrar alfabetizando. In Marinho M, Carvalho GT, organizadores. Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG; 2010. p. 438-456.

Goulart CMA. Alfabetização e letramento: os processos e o lugar da literatura. In: Paiva A, Martins A, Paulino G, Correa H, Versiani Z, organizadores. Literatura: saberes em movimento. Belo Horizonte: CEALE/Autêntica; 2007. p. 57-68.

Goulart CMA, Garcia IHM, Souza ML, Gonçalves AV et alii. Processos de letrar e ser letrado na infância: modos de letrar e ser letrado na família e no espaço educativo formal. Relatório final de pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Educação, UFF/CNPq; 2005. Relatório técnico.

Halliday MAK. The language of early childhood. Jonathan Webster, editor. Continuum; 2004. 415 p.

Halliday MAK. Learning how to mean. Explorations in the development of language. London: Edward Arnold; 1975. 161 p.

Pacheco CMG. Um estudo exploratório de aspectos do processo de produção de textos escritos por crianças de 7 anos [dissertação]. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica, Departamento de Letras; 1992.

Pacheco CMG. Era uma vez três cabritinhos: a gênese do processo de produção de textos escritos [tese]. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica, Departamento de Letras; 1997.

Soares MB. A escolarização da leitura literária. In: Evangelista A, Brandão H, Machado ZV, editoras. A escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica; 1999. p. 5-23.

Soares MB. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica; 1998. 125 p.

Sobral A. Elementos sobre a formação de gêneros discursivos: a fase “parasitária” de uma vertente do gênero de auto-ajuda [tese]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, Departamento de Letras; 2007.

Street BV. Abordagens alternativas ao letramento e desenvolvimento. Teleconferência UN- ESCO/Brasil sobre Letramento e diversidade, realizada em outubro de 2003. Disponível em <http://www.telecongresso.sesi.org.br>

Street BV. Literacy in theory and practice. Cambridge: University Press; 1984.

Publicado
2016-04-07
Como Citar
Goulart, C. (2016). O processo de alfabetização e a produção do sentido no discurso escrito. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 495-508. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p495-508
Seção
Artigos