Metáforas da crise econômica: CRISE ECONÔMICA É DESASTRE NATURAL

  • Odair Luiz Nadin Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/Araraquara
  • Sarah Barbieri Vieira Estácio – UniSEB. Universidade Estadual Paulista (UNESP/FCLAr)
Palavras-chave: Metáfora Conceptual. Crise econômica. Língua portuguesa. Desastres Naturais.

Resumo

Desastres, segundo o Inpe – Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais, são eventos adversos causadores de grandes impactos negativos na sociedade e são distinguidos essencialmente em função de sua origem, ou seja, da natureza do fenômeno que o desencadeia. Terremotos, dilúvios, tempestades, tsunamis, inundações, entre outros, são exemplos de fenômenos naturais comuns que podem resultar em desastres naturais. Neste artigo, apresentamos uma análise de ocorrências de metáfora no discurso econômico-financeiro relacionadas à crise econômica mundial e formadas a partir das denominações desses “desastres naturais”. Essa crise, cuja maior divulgação se iniciou em 2007, provocou o (res)surgimento de inúmeros Itens Lexicais metafóricos para denominar as ações, instituições, processos etc. que afetaram os sistemas financeiros de alguns países, provocando reflexos negativos na economia dessas nações. Itens Lexicais como tempestade, dilúvio, inundação e tsunami, por exemplo, assumiram características terminológicas e passaram a denominar, de forma mais concreta, conceitos da crise. À luz da Metáfora Conceptual e da Semântica de Frames, analisamos alguns Itens Lexicais metafóricos presentes no discurso jornalístico sobre a crise, publicado na Folha de S. Paulo no período de agosto de 2007 a dezembro de 2013.

Biografia do Autor

Odair Luiz Nadin, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/Araraquara

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa (UNESP/Araraquara/2008).

Professor Assistente Doutor de Língua Espanhola do Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Ciências e Letras - FCLAr/UNESP.

Sarah Barbieri Vieira, Estácio – UniSEB. Universidade Estadual Paulista (UNESP/FCLAr)
Doutora em LLinguística e Língua Portuguesa (UNESP/Araraquara/2013). Professora da Universidade Estácio de Sá – UniSEB; Membro Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Linguística Cognitiva (GEPELIC) da Universidade Estadual Paulista – UNESP/FCLAr.

Referências

Berber Sardinha, T. Metáfora. São Paulo: Parábola; 2007. Croft W, Cruse DA. Cognitive Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press; 2004.

Espinoza Elorza RM. El cambio semántico. In: Miguel E. (Org.). Panorama de la Lexicología. Barcelona: Ariel; 2009.

Ferrari L. Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Contexto; 2011.

Fillmore CJ, Baker CF. A Frame Approach To Semantic Analysis. In: Heine B; Narrog H (Ed.). The Oxford Handbook of Linguistic Analysis. Oxford: Oxford University Press; 2010.

Fillmore CJ. Frames and the semantics of understanding. Quaderni di Semantica. 1985;2(4):222-254.

Fuentes Olivera PA. (et. al). La variación y la metáfora terminológica en el dominio de la economía. Valladolid: Atlantis. 2002;2(24).

Ibarretxe-Antuñano I, Valenzuela J. (Org.). Lingüística Cognitiva. Barcelona: Anthropos Editorial; 2012.

Ibarretxe-Antuñano I, Valenzuela J. Lingüística Cognitiva: Origen, Principios y Tendencias. In: Ibarretxe-Antuñano I, Valenzuela J (Org.). Lingüística Cognitiva. Barcelona: Anthropos Editorial; 2012.

Lakoff G, Johnson M. Metáforas de la vida cotidiana. Trad. Marín, CG. 9ed. Madrid: Cátedra; [1986] 2012.

Lima PCL, Gibbs Jr. RW, Françoso E. Emergência e natureza da metáfora primária – desejar é ter fome. Cadernos de Estudos Linguísticos. 2001;40:107-140.

Llamas Saíz C. Metáfora y creación léxica. Pamplona: EUNSA – Ediciones Universidad de Navarra S. A.; 2005.

Mendes PHA, Nascimento M. Análise do processamento metafórico no discurso: metáforas das crise econômica e da corrupção política. SCRIPTA. 2010;26(14):89-106.

Miguel E. (Org.). Panorama de la Lexicología. Barcelona: Ariel; 2009.

Oakley T. Image Schemas, In: Geeraerts D, Cuyckens H. (Ed). Handbook of Cognitive Linguistics. Oxford: Oxford University Press.

Ramacciotti S. La metáfora como elemento constitutivo del discurso económico. Una aproximación desde el análisis de texto. In: Cabré MT, Bach C, Tebé C. (Org.). Literalidad y dinamicidad en el discurso económico. VI Actividades de IULATERM de Verano. Barcelona: Documenta Universitaria; 2008: 147-161.

Silva AS. O que sabemos sobre a crise económica, pela metáfora. Conceptualizações metafóricas da crise na imprensa portuguesa. In: Actas digitais do VI congresso da SOPCOM – Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, Anexo dos congressos 6o SOPCOM/8o LUSOCOM ULHT. Lisboa, 2009, p. 291-311. Disponível em:. Acesso em: 20/05/2015.

Soriano C. La Metáfora Conceptual. In: Ibarretxe-Antuñano I, Valenzuela J (Org.). Lingüística Cognitiva. Barcelona: Anthropos Editorial; 2012.

Vieira SLABR. Polissemia em Phrasal Verbs: uma concepção semântico-cognitiva de análise e aplicação didática. 2013. 252 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras. Universidade Estadual Paulista – UNESP. Araraquara; 2013.

Publicado
2016-10-21
Como Citar
Nadin, O., & Vieira, S. (2016). Metáforas da crise econômica: CRISE ECONÔMICA É DESASTRE NATURAL. Filologia E Linguística Portuguesa, 18(1), 69-84. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v18i1p69-84
Seção
Artigos