Fundamentos para o estudo da oralidade na escrita

  • José Gaston Hilgert Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Cenário de interação. Ensino. Enunciação. Escrita. Oralidade.

Resumo

No presente capítulo introduzem-se reflexões sobre a produção de efeitos de oralidade em textos escritos à luz de fundamentos da enunciação. Nesse contexto teórico, mostra-se que não se deve partir de uma identificação aleatória de recursos lexicais e sintáticos, figurativos e temáticos, estilísticos ou retóricos para a compreensão da oralidade na escrita.  Importa, antes de mais nada, identificar o cenário interativo em que esses recursos de linguagem se manifestam. O cenário interativo ou cenário de interação é configurado pela a relação narrador/narratário revelada no texto. Se essa relação se realiza por meio da interação de um eu (narrador) com um você (narratário), explícitos ou implícitos, tem-se nele instituído o princípio básico do diálogo, da conversa, que define a condição de proximidade dos interlocutores e, portanto, o cenário interativo propício ao uso dos recursos de oralidade. Na medida, porém, em que essa relação se realiza na forma de um narrador em terceira pessoa que se dirige a um leitor implícito, estabelece-se o cenário do distanciamento, no qual recursos que evoquem a oralidade não cabem ou, se ocorrem, assumem função específica. Este texto vai, então, dar especial atenção ao cenário interativo constituído pela interação eu/você, mostrando, em diferentes exemplos, os traços de oralidade determinados por ela e, também, os variados graus de proximidade que ela, por suas variadas formas de manifestação, pode revelar.

Biografia do Autor

José Gaston Hilgert, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Professor do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras (Mestrado e Doutorado) da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

Bakhtin M. Marxismo e filosofia da linguagem. 14. ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Barros DLP. Interação em anúncios publicitários. In: Preti D (org.). Interação na fala e na escrita v.5. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP; 2002. p. 17-44

Barros MF. Entre aspas : uma análise das funções metaenunciativas em editoriais dos jornais Agora São Paulo e Folha de S. Paulo [dissertação]. São Paulo : Universidade Presbiteriana Mackenzie ; 2014.

Blanche-Benveniste E. Le français parlé: études grammaticales. Paris: CNRS; 1990.

Editorial. Arrastão no Paraíso. Agora São Paulo. 5 abr. 2012.

Editorial. Choque no metrô. Agora São Paulo. 18 de mai. 2012.

Editorial. Colisão no metrô. Folha de S. Paulo. 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/43484-colisao-no-metro.shtml. Acesso em: 15 ago. 2014.

Editorial. Roubos e arrastões. Folha de S. Paulo 5 abr. 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/35334-roubos-e-arrastoes.shtml. Acesso em: 15 ago. 2014.

Fiorin JL. Pragmática. In: Fiorin JL (org.). Introdução à linguística: princípios de análise. São Paulo: Contexto; 2003.

Hilgert JG (org.). A linguagem falada culta na cidade de Porto Alegre: diálogos entre dois informantes. Vol. III. Florianópolis: Insular; 2009.

Kerbrat-Orecchioni C. L’ énonciation: de la subjectivité dans le langage. Paris: Armand Colin; 1980.

Koch P, Oesterreicher W. Gesprochene Sprache in der Romania: Französisch, Italienisch, Spanisch. Tübigen: Niemeyer ; 1990.

Koch P, Oesterreicher W. Sprache der Nähe–Sprache der Distanz. Romanistisches Jahrbuch. 1985; 36:15-43.

Koch P, Oesterreicher W. Funktionale Aspekte der Schriftkultur. In: Günther H, Ludwig O (eds.). Schrift und Schriftlichkeit. Berlim/Nova Iorque: Walter de Gruyter. 1994; 1: 588-604.

Koch P, Oesterreicher. W. Zeitschrift für germanistische Linguistik. 2007; 35: 346-375.

Lopes G. Por que as girafas fedem? [site]. 2003. Disponível em: <http://chc.cienciahoje.uol.com.br/por-que-as-girafas-fedem/>

Maingueneau D. Cenas da enunciação. Curitiba: Criar Edições; 2006.

Marcuschi LA. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez; 2001.

Ramos G. Cartas. Rio de Janeiro: Record; 1994.

Tatit L. A linguagem do texto. In: Fiorin JL (org.). Introdução à linguística: objetos teóricos. Vol. 1. São Paulo: Contexto; 2002. p.187-209.

Publicado
2015-06-21
Como Citar
Hilgert, J. (2015). Fundamentos para o estudo da oralidade na escrita. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(1), 57-73. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i1p57-73
Seção
Artigos