A oração subordinada adjetiva na produção de sentidos no texto: a perspectiva dos livros didáticos de língua portuguesa do Ensino Médio

  • Aliana Lopes Câmara Instituto Federal de São Paulo, Matão, São Paulo
Palavras-chave: Ensino de gramática. Leitura e produção textual. Análise de livro didático. Oração subordinada adjetiva. Gramática Discursivo-Funcional.

Resumo

Este trabalho estuda o modo como livros didáticos de Língua Portuguesa do Ensino Médio, aprovados pelo Programa Nacional do Livro Didático-2015, propõem o ensino da oração subordinada adjetiva. Vários pesquisadores (Bagno, 2011; Neves, 2011; Travaglia, 2009, 2011) abordam a questão do ensino de gramática, problematizando o ensino mecanicista e tradicional de identificação e classificação de unidades linguísticas (morfológicas e sintáticas). Esses autores defendem a articulação da gramática com o ensino das habilidades leitora e escritora, de modo que os recursos linguísticos sejam estudados na mobilização de efeitos de sentido na construção textual. A escolha do corpus, portanto, foi determinada pela proposta de ensino de gramática explicitamente declarada nos manuais para o professor (parte anexa ao livro didático), segundo a qual os recursos linguísticos são subsidiários ao ensino da leitura e da escrita. Parte-se, inicialmente, da comparação entre a proposta dos manuais quanto ao ensino da gramática e o que se efetivou no livro do aluno, mais especificamente em relação às propostas para o ensino da oração subordinada adjetiva. A seguir, a partir da descrição funcional da oração subordinada adjetiva (Câmara, 2015), que tem como base a Gramática Discursivo-Funcional (Hengeveld e Mackenzie, 2008), verifica- se como alguns aspectos descritivos podem ser subsidiários ao ensino da oração subordinada adjetiva, visando ao desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita. A justificativa para a escolha desse suporte teórico está no fato de que a gramática está estruturada de modo hierárquico e descendente em níveis e camadas de análise linguística, sendo que as unidades pragmáticas determinam as unidades semânticas, que, por sua vez, determinam as unidades morfossintáticas, que, por sua vez, determinam as unidades fonológicas. Os dados demonstram que ainda permanece, nas propostas de ensino da oração subordinada adjetiva, em livros didáticos de Ensino Médio, um ensino de gramática que enfoca principalmente o domínio de nomenclatura, de metalinguagem e de regras da gramática normativa. Não se realiza uma reflexão dos recursos linguísticos, a partir de textos autênticos, com o objetivo se entender como os efeitos de sentido são produzidos. Por outro lado, esses materiais apresentam uma visão diferente da tradicional ao considerar aspectos pragmáticos na concepção da oração adjetiva explicativa.

Biografia do Autor

Aliana Lopes Câmara, Instituto Federal de São Paulo, Matão, São Paulo
Professora de Língua Portuguesa e Espanhola do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFSP, Matão) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (GPGF) de São José do Rio Preto.

Referências

Abaurre MLM, Abaurre MBM, Pontara M. Português: contexto, interlocução e sentido. 2.a ed. São Paulo: Moderna; 2013.

Bagno M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial; 2007.

Bagno M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial; 2011.

Bispo EB. Oração adjetiva cortadora: análise de ocorrências e implicações para o ensino de português. Linguagem & Ensino. Pelotas 2007;10(1):163-186. Disponível em: http:// www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/159. Acesso em: 01/09/2014.

Bispo EB, Silva JR. Análise linguística na educação básica: entre o real e o possível. Simpósio internacional de ensino de língua portuguesa. Uberlândia, SIELP EDUFU. 2011;1(1):282-294.

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): língua portuguesa, ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental; 1998. 107 f. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf. Acesso em: 10/10/2014.

Brasil. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Média e Tecnológica; 1999. 364 p.

Brasil. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica; 2002. 244 p.

Brasil. Base Nacional Comum Curricular (texto preliminar). Brasília: Ministério da Educação; 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 29/10/15.

Câmara AL. A oração relativa em português sob a perspectiva discursivo-funcional: interface entre a descrição e o ensino. [Tese]. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas; 2015.

Câmara AL, Pezatti EG. Descrição discursivo-funcional do núcleo nominal da oração relativa em português. Revista do Gel. São Paulo. 2015;12(1):9-32.

Câmara AL, Abreu-Tardelli LS. O papel da gramática nos livros didáticos de língua portuguesa: um olhar sobre o ensino da oração subordinada adjetiva. Signum. Londrina. 2014;27(2):327-353.

Cereja WR, Magalhães TC. Português: linguagens. 9.a ed. São Paulo: Saraiva; 2013.

Corrêa WR. Oração relativa: o que se fala e o que se aprende no português brasileiro. [Tese]. Campinas: Unicamp, Instituto de Estudos da Linguagem; 1998.

Dik SC. The theory of Funcional Grammar. Part I: The structure of the clause. Dordrecht: Foris; 1989.

Dik SC. The theory of Functional Grammar. Part 1: The structure of the clause. Berlin/ New York: Mouton de Gruyter; 1997. (ed. Kees Hengeveld)

Faraco CE, Moura FM, Maruxo Jr. JH. Língua Portuguesa: linguagem e interação. São Paulo: Ática; 2013.

Hengeveld K, Mackenzie JL. Functional discourse grammar: a typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press; 2008.

Kenedy E. A antinaturalidade pied-piping em orações relativas. [Tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2007.

Neves MHM. Reflexões sobre o estudo da gramática nas escolas de 1o e 2o graus. Alfa São Paulo. 1993;91(37):91-8.

Neves MHM. Gramática na escola. 4.a ed. São Paulo: Contexto; 1999.

Neves MHM. Que gramática estudar na escola? 4.a ed. São Paulo: Contexto; 2011.

Oliveira MR, Cezario MM. PCN à luz do funcionalismo linguístico. Linguagem & Ensino. Pelotas. 2007;10(1):87-108.

Pezatti EG, Câmara AL. Da descrição ao ensino da oração adjetiva: a perspectiva dos livros didáticos de língua portuguesa. Linguística. São Paulo. 2014;30(2):139-168.

Ramos RA, Takeuki M. Universos Língua Portuguesa. São Paulo: Edições SM; 2012.

Sette MGL, Travalha MA, Barros MRS. Português: linguagens em conexão. São Paulo: Leya; 2013.

Takahashi F. Ministro quer mais gramática no currículo. Folha de São Paulo. São Paulo. 11/10/2015.

Travaglia LC. Gramática ensino plural. 5.a ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Travaglia LC. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14.a ed. São Paulo: Cortez; 2009.

Publicado
2016-12-12
Como Citar
Câmara, A. (2016). A oração subordinada adjetiva na produção de sentidos no texto: a perspectiva dos livros didáticos de língua portuguesa do Ensino Médio. Filologia E Linguística Portuguesa, 18(2), 319-355. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v18i2p319-355
Seção
Artigos