A Historiografia da Linguística e a retórica dos linguistas: a força das palavras e seu valor histórico

  • Ronaldo de Oliveira Batista Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo
Palavras-chave: Historiografia da Linguística. Retórica. História da Linguística.

Resumo

Este texto tem como objetivo propor uma reflexão teórico-metodológica sobre o uso do que a Historiografia da Linguística denomina como retórica nos estudos que procuram reconstruir com objetivo interpretativo momentos da história dos estudos sobre a linguagem.

Biografia do Autor

Ronaldo de Oliveira Batista, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo
Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras e do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie.  Professor-Visitante na Katholieke Universiteit Leuven, Bélgica, no 2.º semestre de 2016.

Referências

Altman C. A pesquisa linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas; 1998.

Auroux S. Les modes d’historicisation. Histoire Épistemologie Langage 2006;28(1):105- 116.

Batista RO. Introdução à Historiografia da Linguística. São Paulo: Cortez; 2013.

Borges Neto J. Filosofia da Linguística. In: Gonçalves A, Góis M, organizadores. Ciências da linguagem: o fazer científico. v. 1. Campinas: Mercado de Letras; 2012. p. 35-63.

Bourdieu P. Os usos sociais da ciência. (Trad. de Denice Barbara Catani de conferência e debate organizados em março de 1997). São Paulo: Unesp; 2004.

Dascal M. Epistemologia, controvérsias, polêmicas. Revista da Sociedade Brasileira de Historia da Ciência, 1994;12:73-98.

Dascal M. Types of polemics and types of polemical moves. In: Capone A, editor. Perspectives on Language Use and Pragmatics: A Volume in Memory of Sorin Stati, Münich: Lincom; 2010. p. 77-97.

Dutra L. Pragmática da investigação científica. São Paulo: Loyola; 2008.

Koerner K. Quatro décadas de historiografia linguística: estudos selecionados. Vila Real: Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro; 2014.

Kuhn T. A tensão essencial. (Trad. de Marcelo A. Penna-Forte do orig. inglês de 1977). São Paulo: Unesp; 2011.

Maingueneau D. Novas tendências em Análise do Discurso. (Trad. de Freda Indursky do orig. francês de 1987). Campinas: Pontes: Editora da Unicamp; 1997.

Marcondes D. Filosofia, linguagem e comunicação. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez; 1992.

McCloskey DN. The literary character of economics. Daedalus 1984;113(3):97-119.

Murray S. Theory groups and the Study of Language in North America. A social history. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins; 1994.

Neves MHM. A vertente grega da gramática tradicional. 2.ed. rev. e atual. São Paulo: Unesp; 2005.

Rajagopalan K. Argumentação e discurso científico numa perspectiva pragmática. Estudos Linguísticos, 2008;37(1):113-119.

Rajagopalan K. Science, Rhetoric, and the Sociology of Knowledge: A Critique of Dascal’s Views of Scientific Controversies. In: Wrigley M. Dialogue, Language, Rationality. A Festschrift for Marcelo Dascal. Unicamp; 2009. p. 433-464.

Rajagopalan K. Nova Pragmática: fases e feições de um fazer. São Paulo: Parábola; 2010.

Schlieben-Lange B. História do falar e história da linguística. Trad. de Eni Orlandi e et al. Campinas: Pontes; 1993.

Silva DN, Ferreira DMM., Alencar CN, organizadores. Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez; 2014.

Swiggers P. Modelos, métodos y problemas en la historiografía linguística. In: Zumbado C. et al., editores. Nuevas aportaciones a la historiografia lingüística. Actas del IV Congreso Internacional de la SEHL. La Laguna, 22 al 25 de octubre de 2004. Madrid: Arco Libros; 2005. p. 113-146.

Ziman J. O conhecimento público. (Trad. de Regina Regis Junqueira do orig. inglês de 1968). Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 1979.

Publicado
2016-12-12
Como Citar
Batista, R. (2016). A Historiografia da Linguística e a retórica dos linguistas: a força das palavras e seu valor histórico. Filologia E Linguística Portuguesa, 18(2), 301-317. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v18i2p301-317
Seção
Artigos