Redescobrindo os brasileirismos

  • Bruna Elisa da Costa Moreira Universidade de Brasília, Brasília
Palavras-chave: Brasileirismos. Português brasileiro. Lexicografia. História da língua portuguesa.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo revisitar a categoria “brasileirismo”. Essa categoria é analisada sob dois pontos de vista, o da tradição, que aborda os brasileirismos na linha histórica como expressão que diverge da expressão portuguesa, e o da prática lexicográfica, que, com base no primeiro, tipifica certos vocábulos. O trabalho é elaborado a partir de revisão bibliográfica que remonta aos primeiros registros de brasileirismos na literatura, bem como da análise pontual de obras lexicográficas modernas. Um aspecto comum a todas as concepções de brasileirismo discutidas ao longo deste artigo é o aspecto que particulariza o português brasileiro (PB) em relação ao português europeu (PE), embora haja divergência quanto à questão das origens etimológicas dessas formações. Em vez de considerar esse fato problemático, este artigo conclui que a profusão de origens (e.g., ameríndia, africana, portuguesa) é uma das características fundamentais dos brasileirismos. Adicionalmente, este artigo resgata as contribuições de Mário de Andrade ao tema, a partir de sua visão particular de brasileirismos, com base em sua Gramatiquinha. A noção de brasileirismo é, então, estendida, de modo a abarcar, além de vocábulos, diversas outras construções e estratégias linguísticas, de diferentes origens, que, não obstante, seriam típicas do PB. Finalmente, a contribuição deste trabalho reside no convite a buscar uma história para o conceito de brasileirismo, a redescobri-lo e a pensar sobre quais estruturas e tendências do PB contemporâneo poderiam ser investigadas no âmbito dessa categoria.

Biografia do Autor

Bruna Elisa da Costa Moreira, Universidade de Brasília, Brasília
Pesquisadora de Pós-Doutorado (Bolsista PNPD/CAPES) do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL), Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas (LIP), Instituto de Letras (IL).

Referências

Alkmim T. Um texto inaugural: o Visconde da Pedra Branca e o português do Brasil. Stockholm Review of Latin American Studies, 2012;8:21-33.

Biderman MTC. A formação e a consolidação da norma lexical e a lexicográfica no Português do Brasil. In: Nunes JH, Petter M, organizadores. História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Pontes; 2002. p. 62-82.

Camara Jr. M. Dispersos de J. Mattoso Camara Jr. Coleção Estante da Língua Portuguesa. 2.a ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas; 1975.

Coelho O. Léxico, Ideologia e a Historiografia Linguística do Século das Identidades. Revista Letras, 2003; edição especial;(61):153-166.

Costa BEC. Brasileirismos terminológicos: estado de verbos em ação e processo. [Dissertação]. Brasília: Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília; 2008.

Cunha C. Língua, nação, alienação. Coleção Logos. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; 1981.

Faulstich E, Strehler RG. A propósito de brasileirismos; 1998. Manuscrito inédito.

Faulstich E. Duas questões em discussão; o que são brasileirismos nos dicionários de Língua Portuguesa? Existem brasileirismos terminológicos. Jornada sobre “Variación Geolectal i Terminologia”, Barcelona: Red Panlatina de Terminologia Realiter/ IULAterm/Institut Universitari de Linguística Aplicada; 2004. Disponível em: . Acesso em 26/03/2016.

Ferreira ABH et al. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, Século XXI. 8.a ed. Paraná: Editora Positivo; 2010.

Ferreira Jr. MN. Ciclo dos marcadores negativos no PB. Caderno de Squibs: temas em estudos formais da linguagem, 2015;1(1):17-24.

Houaiss A. O Português no Brasil: pequena enciclopédia da cultura brasileira. Rio de Janeiro: Unibrade Centro de Cultura; 1985.

Houaiss A et al. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Versão Monousuário 3.0. Instituto Antonio Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Objetiva; 2009.

Krieger MDG. O léxico do português do Brasil em dicionários. In: Lobo T et al., organizadores. Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA; 2012. p. 391-399.

Oliveira SE. Um espaço de enunciação para dizer os brasileirismos. In: Nunes JH, Petter M, organizadores. História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP: Pontes; 2002. p. 83-98.

Oliveira AMPP. O Português do Brasil: brasileirismos e regionalismos. [Tese]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista; 1999.

Pinto EP. O Português do Brasil: textos críticos e teóricos, v. 1: 1820/1920: fontes para a teoria e a história / seleção e apresentação de Edith Pimentel Pinto. São Paulo: EDUSP; 1978.

Pinto EP. A Gramatiquinha de Mário de Andrade: texto e contexto. São Paulo: Duas Cidades; 1990.

Ribeiro EC. Estudos gramaticais e filológicos — ligeiras observações: origem e filiação da língua portuguesa, da crase em português, elementos de gramática portuguêsa, gramática portuguêsa filosófica. Obras completas. v. 3. Salvador: Editora Aguiar & Souza LTDA; 1957.

Ribeiro J. Brasileirismos. Revista de Língua Portuguesa: Archivo de Estudos relativos ao idioma e literatura nacionaes, Rio de Janeiro; 1920, n. 7, Anno II, p. 43.

Ribeiro J. Brasileirismos: a língua nacional e outros estudos linguísticos. Petrópolis: Editora Vozes; 1979.

Rodrigues AD. Contribuições para a etimologia dos brasileirismos. Revista Portuguesa de Filologia; 1958-1959, Coimbra, v. IX, tomos I e II, p. 1-54.

Rodrigues AD. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. 4a. ed. São Paulo: Edições Loyola; 2002.

Scher AP. Formas truncadas em português brasileiro e espanhol peninsular: descrição preliminar. ReVEL, 2011 edição especial;(5):61-79.

Silva Neto SD. Introdução ao Estudo da Língua Portuguesa no Brasil. Coleção Linguagem 1. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Presença; 1986.

Timbane AA. A criatividade lexical da língua portuguesa: uma análise com brasileirismos e moçambicanismos. Caligrama, Belo Horizonte, 2013;18(2):7-30.

Publicado
2016-12-12
Como Citar
Moreira, B. E. (2016). Redescobrindo os brasileirismos. Filologia E Linguística Portuguesa, 18(2), 421-442. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v18i2p421-442
Seção
Artigos