Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Fatores semânticos e pragmáticos na desgramaticalização: a substituição do “Condicional” pelo Imperfeito no português

Maria José Pereira Carvalho

Resumo


Neste artigo, prova-se, com evidência histórica, que a substituição do chamado “Condicional” pelo Imperfeito é um fenómeno muito antigo, datando do século XIII. Começou por verificar-se, sobretudo, nos verbos modais, tendo-se difundido, gradualmente, a outros tipos de verbos. Questionar-se-á se este tipo de substituição poderá ser entendida como um fenómeno de desgramaticalização que obriga a repensar a questão da “unidirecionalidade” dos processos de gramaticalização ou se, tendo em conta as características partilhadas com esse processo, aquele termo não tem pertinência. Tal como em alguns processos de gramaticalização, observa-se uma etapa de transição em que a forma de Imperfeito pode ser interpretada de duas maneiras: expressando simultaneidade e ao mesmo tempo futuridade, no passado.


Palavras-chave


Desgramaticalização. Gramaticalização. Sintaxe histórica. Mudança sintática.

Texto completo:

PDF

Referências


Auwera J. More thoughts on degrammaticalization. In: Wischer I, Diewald G, editors. New reflexions on grammaticalization. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company; 2002. p. 19-29.

Banza APF. A linguagem dos documentos em português da chancelaria de D. Afonso III. [Dissertação]. Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa; 1992.

Carvalho MJ. Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (sécs. XIII-XVI). Edição e estudo linguístico [tese]. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; 2006. [Parcialmente inédita].

Carvalho MJ. Complementadores preposicionais na história da língua portuguesa: variação, gramaticalização e desgramaticalização. Revista de Pesquisa & Pós-Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto, 2010;10(1):101-111.

Carvalho MJ. A gramaticalização e a lexicalização como processos históricos. Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, 2012;6-7:159-176. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

Carvalho MJ. Cognition, grammaticalization and syntactic change: the emergence of compound tenses in Portuguese. Entrepalavras: Revista de Linguística do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Ceará, 2013;3(2):33-57. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

Carvalho MJ. Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. Edição, com introdução e notas de aparato crítico. Verba, Anexo 14. Santiago de Compostela: Servicio de Publicacións e Intercambio Cientifico da Universidade de Santiago de Compostela; 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

Campos MHC. Dever e poder: um subsistema modal do português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica; 1998.

Corbari AT. O modal dever epistêmico e deôntico: um problema de processamento lexical. Ciências & Cognição, 2007;11:120-131.

Heine B. Auxiliaries: cognitive forces and grammaticalization. New York, Oxford: Oxford University Press; 1993.

Heine B. On the role of contex in grammaticalization. In: Wischer I, Diewald G, editors. New reflexions on Grammaticalization. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company; 2002. p. 83-101.

Heine B. On degrammaticalization. In: Blake B, Burridge K, editors. Historical linguistics 2001: selected papers from the 15th International Conference on Historical Linguistics, Melbourne, 13-17th August 2001. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins; 2003. p. 163-179. (Série Current Issues in Linguistic Theory, vol. 237).

Hopper PJ. On some principles of grammaticalization. In: Traugott EC, Heine B, editors. Approaches to grammaticalization, vol. I: focus on theoretical and methodological issues. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company; 1991. p. 17-35. (Série Typological studies in language; vol. 19).

Hopper PJ, Traugott EC. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press; 1993.

Lehmann C. Thoughts on Grammaticalization. Revised and expanded version. First published edition. Lincom Europa: München, Newcastle; 1995 [1982].

Lehmann C. On degrammaticalization. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

Norde M. Degrammaticalization: three common controversies. The Netherlands: University of Groningen. p. 1-40. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

Norde M. Degrammaticalization. Oxford: Oxford Scholarship Online; 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2017.

Pinto IMPL. Estudo sintáctico e axiológico das formas cantava e cantaria em português. [Dissertação]. Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1995.

Schulte K. Pragmatic relevance as cause for syntactic change: the emergence of prepositional complementizers in romance. In: Blake B, Burridge K, editors. Historical Linguistics 2001: selected papers from the 15th International Conference on Historical Linguistics, Melbourne, 13-17th August 2001. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins; 2003. p. 377-389. (Série Current Issues in Linguistic Theory, vol. 237)

Traugott EC. Subjectification in grammaticalization. In: Stein D, Wright S, editors. Subjectivity and subjectivisation: linguistic perspectives. Cambridge: Cambridge University Press; 1995. p. 31-54.

Traugott EC. Legitimate counterexamples to unidirectionality. Paper presented at Freiburg University, October 17th 2001. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v19i1p89-111

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Filologia e Linguística Portuguesa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.