Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Os processos de elisão e degeminação no português de São Tomé e Príncipe

Amanda Macedo Balduino, Manuele Bandeira, Shirley Freitas

Resumo


A República de São Tomé e Príncipe é um país multilíngue, onde são faladas línguas crioulas, como o lung’ie, o santome e o angolar, além do português, língua oficial desde 1975. Assume-se que o português santomense (PS) é caracterizado pela nativização de uma L2 (segunda língua) em uma L1 (primeira língua ou língua nativa). Dessa forma, adquirido em um primeiro momento como L2, o português é transmitido como input para as gerações mais novas, consolidando-se posteriormente como L1 (Gonçalves, 2010). Essa transição pode suscitar mudanças e adaptações estruturais que, em conjunto com o contexto de contínuo contato interlinguístico, despertam a possibilidade de afastamento do PS das demais variedades do idioma, nomeadamente o português europeu (PE) e o português brasileiro (PB). Baseado na análise de um corpus naturalístico, o objetivo deste estudo é verificar a existência dos processos de elisão e degeminação no PS e descrevê-los analiticamente. Em decorrência de uma limitação de dados, bem como por uma questão de recorte metodológico, não abarcaremos a ditongação, preferindo focar nos processos mencionados. O estudo dos dados demonstrou que ambos processos de fato ocorrem em PS. Em geral, a contraposição da análise dedicada ao PS com os resultados já obtidos para o PB indica que, ao mesmo tempo que tais variedades se aproximam, ao apresentarem contextos segmentais e suprassegmentais de aplicação semelhantes, o PS demonstra, também, características singulares. 


Palavras-chave


Sândi vocálico externo. Degeminação. Elisão. São Tomé e Príncipe.

Texto completo:

PDF

Referências


Abaurre MBM. Acento frasal e processos fonológicos segmentais. Letras de Hoje, 1996;31(2):41-50.

Agostinho ALS. Fonologia e método pedagógico do lung’Ie. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2014.

Bandeira M. Reconstrução fonológica e lexical do protocrioulo do Golfo da Guiné [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2017.

Bisol L. Sândi vocálico externo: degeminação e elisão. Cadernos de Estudos Linguísticos, 1992;23:83-101. Boersma P, Weenink D. Praat: doing phonetics by computer. [Programa de computador]. Amsterdam: Universiteit van Amsterdam, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2017. (Versão 5.4.08).

Câmara Jr. JM. Estrutura da língua portuguêsa. 32.ª ed. Petrópolis: Vozes; 1970.

Chomsky N, Halle M. The sound pattern of english. New York: Harper and Row; 1968.

Christofoletti A. Ditongos no português de São Tomé e Príncipe [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Clements GN, Keyser SJ. CV phonology: a generative theory of the syllable. Cambridge, MA: MIT Press; 1983. (Série Linguistic inquiry monographs, vol. 9). Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL). Português falado: variedades geográficas e sociais. Lisboa: Universidade de Lisboa; 1990.

Espírito Santo C. Situação actual da língua portuguesa nas ilhas de S. Tomé e Príncipe. I Congresso sobre a situação actual da língua portuguesa no mundo 28 jun.-3 jul. 1983; Lisboa. Lisboa: Instituto de Língua e Cultura Portuguesa; 1985. p. 235-260.

Frota S. Prosody and focus in European Portuguese: phonological phrasing and intonation. New York: Garland; 2000.

Gonçalves RMG. Propriedades de subcategorização verbal no português de S. Tomé. [Monografia]. Lisboa: Universidade de Lisboa; 2010.

Instituto Nacional de Estatística (INE). São Tomé e Príncipe. São Tomé e Príncipe em números. São Tomé: INE; 2011.

Kickhöfel JR. Processos de sândi vocálico externo na aquisição fonológica [Tese]. Pelotas: Universidade Católica de Pelotas; 2011.

Lucchesi D, Baxter A. A transmissão linguística irregular. In: Lucchesi D, Baxter A, Ribeiro I, organizadores. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA; 2009. p. 101124.

Mateus MHM. Estudando a melodia da fala: traços prosódicos e constituintes prosódicos. Palavras, Revista da Associação de Professores de Português. 2004;28:79-98.

Moraes JA, Wetzels WL. Sobre a duração dos segmentos vocálicos nasais e nasalizados em português: um exercício de fonologia experimental. Caderno de Estudos Linguísticos. 1992;23:153-166.

Nespor M, Vogel I. Prosodic phonology: with a new foreword. Dordrecht: Foris; 1986.

Paulino NMR. Fenómenos de sândi vocálico em variedades do português europeu [Dissertação]. Lisboa: Universidade de Lisboa; 2016.

Paulino NMR, Frota S. Variação prosódica no português europeu: análise comparada de fenómenos de sândi vocálico. Revista da Associação Portuguesa de Lisboa. 2016;1:651674.

Petter MMT. Variedades linguísticas em contato: português angolano, português brasileiro e português moçambicano [Tese]. Universidade de São Paulo; 2008.

Santos GB. Análise fonético-acústica das vogais orais e nasais do português: Brasil e Portugal. [Tese]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2013.

Santos RS. O acento e a aquisição da linguagem em português brasileiro. In: Araujo GA, organizador. O acento em português: abordagens fonológicas. São Paulo: Parábola; 2007. Vol. 1, p. 225-258.

Selkirk E. On derived domains in sentence phonology. Phonology Yearbook. 1986;3:371405.

Selkirk E. The interaction of constraints of prosodic phrasing. In: Horne M, editor. Prosody: theory and experiment: studies presented to Gösta Bruce. Dordrecht: Kluwer Academic; 2000. p. 231-261.

Tenani LE. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. [Tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2002.

Tenani LE. O bloqueio do sândi vocálico em PB e em PE: evidências da frase fonológica. Organon. 2004;18(36):17-29.

Tenani LE. Acento e processo de sândi vocálico no português. In: Araujo GA, organizador. O acento em português: abordagens fonológicas. São Paulo: Parábola; 2007. Vol. 1, p. 169-194.

Veloso MN. Aspectos segmentais dos processos de Sândi vocálico externo no falar de São Paulo [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v19i1p163-197

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Filologia e Linguística Portuguesa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

              

ISSN: 2176-9419