Cotejo entre variantes gráficas em manuscritos goianos dos séculos XVIII e XIX

  • Carolina Faleiros Felício Universidade Federal de Goiás/Regional Catalão
  • Vanessa Regina Duarte Xavier Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: História da língua portuguesa, Filologia, Variação gráfica

Resumo

A Filologia nos permite, através de critérios adequados, editar manuscritos antigos, conservando, em sua transcrição, o máximo possível, suas formas originais, o que possibilita, dentre vários estudos, o de caráter ortográfico. O corpus desta pesquisa é composto por quarenta cartas goianas redigidas entre os anos de 1751 e 1752, cujas edições fac-similar e semidiplomática estão disponíveis em Xavier (2012). Também faz parte do corpus a edição semidiplomática de um processo de partilha e inventário de bens de Catalão-Go, de 1851, a qual encontra-se em Pires (2015). O objetivo da pesquisa foi analisar variações gráficas presentes nos documentos referidos, comparando-as com as grafias presentes em instrumentos normatizadores da escrita da época, como os dicionários de Bluteau (1712-1728) e de Moraes Silva (1813), a fim de averiguar a consonância ou não entre elas. Primeiramente, foram coletados todos os vocábulos com variações gráficas, a saber, vocálicas e consonantais. Após a coleta, suas grafias foram verificadas nos dicionários mencionados e, em seguida, o mesmo foi feito com suas etimologias nos dicionários de Machado (1977) e Cunha (1986). Por fim, realizou-se a análise quantitativa e qualitativa das variantes, com base em obras de autores como Coutinho (1976), Williams (1975) e Teyssier (1997).    

Referências

Bellotto HL. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado; 2002. (Série como fazer, Vol. 8)

Borba FS. Pequeno vocabulário de linguística moderna. 2a ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional; 1976.

Bluteau R. Vocabulario portuguez & latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus; 1712-1728. [citado 31 jul. 2018]. Disponível em: http://www.ieb.usp.br/.

Coutinho IL. Pontos de gramática histórica. 7ª ed. rev. Rio de Janeiro: Ao livro técnico; 1976.

Cunha AG. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2ª ed. rev. e acresc. de um supl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1986.

Dias JAFR, Ferreira EP. Desvios na escrita: projeções fonético-fonológicas ou consequências do sistema ortográfico? O ensino reflexivo da ortografia. Caderno de Letras. 2015, Jan-Jun;24:169-190. [citado 13 fev. 2019]. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/7299.

Fachin PRM. Práticas de escrita setecentista em manuscritos da administração colonial em circulação pública no Brasil [tese] São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2011.

Faraco CA. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial; 2008.

Feijó JMM. Othographia ou arte de escrever e pronunciar com acerto a lingua portugueza. Lisboa: Typografia Rollandiana; 1861.

Gonçalves MF. Madureira Feijó, ortografista do século XVIII: para uma história da ortografia portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa/Ministério da Educação; 1992. [citado 14 fev. 2019]. Disponível em: http://www.academia.edu/6411298/Madureira_Feij%C3%B3_ortografista_do_s%C3%A9culo_XVIII._Para_uma_hist%C3%B3ria_da_Ortografia_Portuguesa.

Machado JP. Dicionário etimológico da língua portuguesa: com a mais antiga documentação escrita e conhecida de muitos vocábulos estudados 3ª ed. Lisboa: Livros Horizonte; 1977.

Megale H, Toledo Neto SA, organizadores. Por minha letra e sinal: documentos do ouro do século XVII. Cotia, SP: Ateliê Editorial/FAPESP; 2005.

Monte VM do. Documentos setecentistas: edição semidiplomática e tratamento das sibilantes [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2007.

Moraes Silva A. Diccionario da lingua portugueza. 2ª ed. Lisboa: Typographia Lacerdina; 1813. [citado 31 jul. 2018]. Disponível em: http://www.ieb.usp.br/.

Mourão E. A hipercorreção na escrita formal: dilemas do revisor de textos. SCRIPTA. 2010;14(26):163-178. [citado 08 set. 2019]. Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/7534/1/ARTIGO_Hipercorre%C3%A7%C3%A3oEscritaFormal.pdf.

Neves MHM. A gramática passada a limpo: conceitos, análises e parâmetros. São Paulo: Parábola Editorial; 2012.

Nunes JJ. Compêndio de gramática histórica portuguesa: fonética e fonologia. 3a ed. Lisboa: Editora Clássica; 1945.

Pires MGG. De bens de herança a bens culturais: um estudo linguístico de autos de partilhas oitocentistas de Catalão-Go [dissertação]. Catalão: Unidade Acadêmica Especial de Letras e Linguística, Universidade Federal de Goiás, Regional Catalão; 2015.

Santiago-Almeida MM. Para que filologia/crítica textual?. Acta. 2011;1:1-12. [citado 31 jul. 2018]. Disponível em: http://www.assis.unesp.br/Home/SitesInternos/RevistaActa/PARAQUEFILOLOGIACRiTICATEXTUAL%28revistoISSN%29.PDF.

Santos MBG dos. Variação grafemática em documentos manuscritos em português durante o século XVIII [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2006.

Teyssier P. História da língua portuguesa. Trad. Celso Cunha. São Paulo: Martins Fontes; 1997.

Williams EB. Do latim ao português: fonologia e morfologia históricas da língua portuguesa. Trad. Antônio Houaiss. 3ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1975.

Xavier VRD. Conexões léxico-culturais sobre as minas goianas setecentistas no livro para servir no registro do caminho novo de Parati [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2012.

Publicado
2019-08-25
Como Citar
Felício, C., & Xavier, V. (2019). Cotejo entre variantes gráficas em manuscritos goianos dos séculos XVIII e XIX. Filologia E Linguística Portuguesa, 21(1), 61-79. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v21i1p61-79
Seção
Artigos