Diálogos com Marcuschi: sociocognição, argumentação e ensino

  • Zilda Gaspar Oliveira de Aquino Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
  • Renata Palumbo Centro Universitário Carlos Drummond de Andrade
Palavras-chave: Sociocognição, Compreensão, Argumentação, Ensino

Resumo

Os estudos que intercalam a ciência cognitiva às questões sobre as interações humanas via linguagens no Brasil têm, em Marcuschi, um de seus principais expoentes, em razão de o autor ter se dedicado, sobremaneira, aos mecanismos semânticos, pragmáticos, referenciais e inferenciais, constitutivos e constituintes dos discursos orais e escritos e de suas produções de sentido a partir de uma perspectiva sociocognitiva, que era pouco explorada na ocasião em que passou a desenvolver seus trabalhos na década de 70. Estabelecemos diálogos com esses estudos de Marcuschi, relacionando-os ao ensino de argumentação, a fim de compreendermos processos específicos de aprendizagem na área de Língua Portuguesa. Examinamos as respostas de uma atividade de ensino de argumentação, realizada por vinte e um alunos de primeiro ano de graduação com a atenção voltada para os mecanismos cognitivos e linguísticos ativados para a compreensão. Após as análises, podemos afirmar que o ensino-aprendizagem da argumentação deve levar em conta as etapas dos processos e das atividades cognitivas dos alunos, uma vez que é pela sua ativação que se podem compreender gêneros discursivos argumentativos, bem como se podem alcançar estados mentais determinados, mas não acabados, tal como o é a opinião.

Biografia do Autor

Zilda Gaspar Oliveira de Aquino, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo

Professora Doutora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, da FFLCH/USP. Doutora em Linguística pela Universidade de São Paulo e Mestre em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-Doutorado pela Universidade do Minho. Lidera o Grupo de Estudos do Discurso da USP (GEDUSP) e coordena os subgrupos Teorias da Argumentação e Análise Crítica do Discurso. Coordena o projeto de cooperação acadêmica interinstitucional PROCAD (USP/UFRN/UNISINOS. Integra o REDIPAr (Rede Internacional de Pesquisas em Argumentação). Participa do Programa de Pós-Graduação Profissional - PROFLETRAS -USP, vinculado ao Depto de Letras Clássicas e Vernáculas (FFLCH-USP) , tendo sido Coordenadora. de 2015 a 2017. Foi editora responsável pela revista Linha DÁgua (2005-2011). Integrou os seguintes Projetos - Projeto de cooperação internacional USP/Univ. do Porto. Projeto da Norma Urbana Culta - Núcleo São Paulo (NURC/SP), Projeto da Gramática do Português Falado (PGPF), Projeto da História do Português Paulista - Projeto Caipira (PHPP), Subgrupo Tradições Discursivas, vinculado ao Projeto para a História do Português do Brasil (PHPB). Pesquisa sobre os temas direcionados a: discurso político, teorias da argumentação, argumentação e cognição,análise crítica do discurso, discurso da mídia, língua falada e escrita nas perspectivas sincrônica e diacrônica, além de se dedicar à linguística aplicada ao ensino de língua materna

Referências

Dascal M. Interpretação e compreensão. Rocha MHL, tradutora. São Leopoldo: Unisinos; 2005.

Dascal M. Linguagem como tecnologia cognitiva [aula inaugural]. Porto Alegre: Curso de pós-graduação em Filosofia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos; 2008 [publicado em 04 de setembro de 2017]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=coknMODBcdQ&t=860s.

Fauconnier G. Mental spaces. Aspects of meaning construction in natural languages. Cambridge: MIT Press; 1985.

Fauconnier G. Mappings in thought and language. Cambridge: Cambrigde University Press, 1997.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Avaliação Nacional da Alfabetização: relatório 2013-2014. Brasília; 2015. Volume 2: análise dos resultados.

Instituto Paulo Montenegro (IPM). Indicador de Analfabetismo Funcional (INAF). Estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. São Paulo: SP; 2016.

Karnal L. Tornar-se mulher. Quanto mais frágil a sociedade julga ser uma pessoa, mais a atacará [internet]. Estado de São Paulo. 2017 março 8; seção de cultura [citado 9 mar. 2017]. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,tornar-se-mulher,70001690623

Kerbrat-Orecchioni C. Texte et contexte. SCOLA – Sciences Cognitives, Linguistique & Intelligence Artificielle. 1996;6:40-59.

Lakoff G. Linguistics gestalts. Papers from the thirteenth regional meeting of the Chicago Linguistic Society. 1977;14-16:236-287.

Marcuschi LA. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial; 2008.

Marcuschi LA. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna; 2007a.

Marcuschi LA. A propósito da metáfora. In: Marcuschi LA. Fenômenos da linguagem. Reflexões semânticas e discursivas. Rio de Janeiro: Lucerna; 2007b.

Marcuschi LA. A construção do mobiliário do mundo e da mente: linguagem, cultura e categorização. In: Miranda, NS, Name, MC, organizadores. Linguística e Cognição. Juiz de Fora: Ed. UFJF; 2005. p.49-77.

Marcuschi LA. Compreensão de texto: algumas reflexões. In: Dionísio, AP, Bezerra, MA, organizadores. O livro didático de Português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna; 2003. p. 46-59.

Marcuschi LA. Do código à cognição: o processo referencial como atividade criativa. Veredas, Juiz de Fora. 2002;6(1):43-62.

Marcuschi LA. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem & Ensino, Pelotas. 2001;4(1):79-111.

Marcuschi LA. Exercícios de compreensão ou copiação nos manuais de ensino de língua? Em Aberto. 1996;69:66-82.

Ministério da Educação (MEC), Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: Secretaria de Educação Básica; 2018.

Perelman C, Olbrechts-Tyteca L. Tratado da argumentação - a nova retórica. Galvão ME, tradutora. São Paulo: Martins Fontes; 2002.

Publicado
2019-08-25
Como Citar
Aquino, Z., & Palumbo, R. (2019). Diálogos com Marcuschi: sociocognição, argumentação e ensino. Filologia E Linguística Portuguesa, 21(1), 9-24. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v21i1p9-24
Seção
Artigos