A Carta-Testamento de Getúlio Vargas (1882-1954): genericidade e organização textual no discurso político

  • Maria das Graças Soares Rodrigues Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • João Gomes da Silva Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Luis Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Sueli Cristina Marquesi Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: Carta-testamento. Genericidade. Organização textual. Representação discursiva.Discurso político.

Resumo

Apresentamos uma análise linguística da Carta-Testamento de Getúlio Vargas, com
foco em aspectos da genericidade, da configuração composicional e do investimento semântico
do texto. O suporte teórico-metodológico apoia-se na tradição dos estudos de gênero e da
linguística textual, seguindo de perto a abordagem da análise textual dos discursos. De modo
específico, a análise procura descrever e interpretar a dupla genericidade do texto, inscrita na
própria denominação tradicional do documento, o plano do texto, com detalhamento das fases
de abertura e de explicação causal do suicídio, assim como aspectos da dimensão semântica
referente à representação discursiva do componente povo, em contraste com as figurações do
estadista e da oposição política.
Publicado
2012-12-04
Como Citar
Rodrigues, M. das G., Silva Neto, J., Passeggi, L., & Marquesi, S. (2012). A Carta-Testamento de Getúlio Vargas (1882-1954): genericidade e organização textual no discurso político. Filologia E Linguística Portuguesa, 14(2), 285-307. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v14i2p285-307
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##