Bando que se lançou a respeito dos Índios Jucás: edição e contribuição ao estudo da colonização do Ceará

Autores

  • Miguel Afonso Linhares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Currais Novos, Rio Grande do Norte, Brasil
  • Expedito Eloísio Ximenes Universidade Estadual do Ceará, Quixadá, Ceará, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p353-384

Palavras-chave:

Toponímia, Colonização, Ceará

Resumo

Neste estudo, apresentamos uma edição semidiplomática de um bando que Antônio José Vitoriano Borges da Fonseca, capitão-mor do Ceará, lançou em 28 de setembro de 1767, pelo qual anunciou que a aldeia do Jucá, onde os índios jucás foram reduzidos em 1727, passasse a se chamar lugar de Arneiroz, hoje município. Nele, o autor coloca que a mudança decorreu de uma política pela qual as vilas e lugares novos não deviam ter “nomes bárbaros”, ou seja, de origem indígena, mas nomes das vilas e lugares do “reino”, ou seja, de Portugal. A partir das referências ao contexto histórico que o próprio texto encerra, empreendemos, então, uma pesquisa com o intuito de responder, ou ao menos discutir, a duas perguntas: qual é a origem desta política e como foi executada, especialmente na capitania do Ceará? Expusemos o que pudemos apurar em três seções além das considerações iniciais e da edição do documento: considerações codicológicas, diplomáticas e textuais, que além de informarem sobre o estado e a localização do documento, são relevantes por o gênero textual, o bando, estar obsoleto; e considerações históricas, nas quais procuramos esmiuçar as referências ao contexto histórico contidas no próprio texto, como subsídio para as respostas às perguntas norteadoras. Nas considerações finais, evidenciamos que compartilhamos do entendimento de que nomear um lugar não é simplesmente referenciar o espaço, mas é um ato político, imbuído de poder e cultura, atravessado por ideologia(s), que no caso estudado perfez o espólio do mundo indígena, que começou pela religião.

Biografia do Autor

Miguel Afonso Linhares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Currais Novos, Rio Grande do Norte, Brasil

Possui graduação em Letras com habilitação em Português, Espanhol e Literatura pela Universidade Federal do Ceará (2007), especialização em Filologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2011) e Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (2014). Atualmente é Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Câmpus Currais Novos, com colaboração no Câmpus Natal - Central. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Espanhola, Língua Latina e Filologia Românica.

Expedito Eloísio Ximenes, Universidade Estadual do Ceará, Quixadá, Ceará, Brasil

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1997), mestrado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2004), doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2009), com quatro meses de estágio na Universidade de Lisboa e especialização em Filologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2011). Atualmente é professor adjunto nível I da Universidade Estadual do Ceará, campus de Quixadá, atuando principalmente nos seguintes temas: Língua Latina, Língua Portuguesa, Linguística Histórica, Filologia Românica, Edição e análise de textos manuscritos. É vice-líder do grupo de pesquisa TRADICE e do grupo de Crítica Textual. É líder do grupo de pesquisa PRAETECE.

Referências

Albuquerque MC. Seara indígena: deslocamentos e dimensões identitárias [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades; 2002.

Araújo NMS, Martins CS. A prática de leitura pública do gênero bando na capitania do Ceará. VIII Semana de Humanidades; 2011; Fortaleza, BR. Fortaleza: UFC, UECE; 2011.

Araújo NMS, Martins CS. O gênero bando: uma tradição discursiva do Brasil colonial. XVI Congreso Internacional de la Asociación de Lingüística y Filología de América Latina; 2011; Alcalá de Henares, Espanha. Alcalá de Henares: ALFAL, Universidad de Alcalá; 2011. p. 2465.

Bellotto HL. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4a ed. Rio de Janeiro: FGV; 2006.

Câmara JA. Aspectos do domínio holandês no Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1956; LXX: 7-36.

Cambraia CN. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes; 2005.

Carta de Francisco Xavier Mendonça Furtado a Tomé Joaquim da Costa Corte-Real (13/06/1757). Annaes da Bibliotheca e Archivo Publico do Pará, 1906; 5: 231-32.

Carta Regia da creação da capitania do Rio Negro - 3 de março de 1755. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brazileiro, 1898; LXI: 59-63.

Chandler BJ. Os Feitosas e o Sertão dos Inhamuns. Fortaleza: UFC; Rio de Janeiro: Civi- lização Brasileira; 1980.

Coelho MC. Do sertão para o mar - um estudo sobre a experiência portuguesa na Amé- rica, a partir da colônia: o caso do Diretório dos Índios (1750-1798) [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; 2005.

Dick MVPA. Origens históricas da toponímia brasileira: os nomes transplantados. Revista do IEB, 1982; 24: 75-96.

Directorio, que se deve observar nas Povoaçoens dos Indios do Pará, e Maranhaõ em quanto Sua Magestade naõ mandar o contrario. Lisboa: Officina de Miguel Rodrigues; 1758.

Faria E. Dicionário latino-português. Belo Horizonte: Livraria Garnier; 2003.

Feitosa A. Arneiroz passado e presente. Canindé (CE): Gráfica Canindé; 2000.

Ferreira AR. Diário da viagem filosófica pela capitania de São José do Rio Negro com a informação do estado presente [Internet]. [local desconhecido: editoria desconhecida; data desconhecida] [citado em 2015 fev.]. Disponível em: http://www.filologia.org.br/pereira/ textos/diario_do_rio_negro_2.pdf

Freitas AG. Notas e transcrições: vários artigos. Revista do Instituto do Ceará, 1966;80:277- 305.

Girão VC. Dependência da capitania do Ceará do governo de Pernambuco - 1656-1799. Revista do Instituto do Ceará, 1982;96:145-70.

Gomes JEAB. As milícias d’El Rey: tropas militares e poder no Ceará setecentista [dis- sertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia; 2009.

Houaiss A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. 2a ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil básico municipal 2011: Arneiroz. Fortaleza; 2014.

Instituto Nacional de Estatísticas (PT). Censos 2001: resultados definitivos - Norte. Lisboa; 2001, 2.

Lopes LPM. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola; 2006. p. 85-107.

Machado JP. Dicionário onomástico etimológico da língua portuguesa. 3a ed. Lisboa: Livros Horizonte; 2003.

Nascentes A. A saudade portuguesa na toponímia brasileira. Letras, 1960; 11: 102-07.

Niza PD. Portugal Sacro-Profano, ou catalogo alfabetico de todas as Freguezias dos Rei- nos de Portugal, e Algarve: das Igrejas com seus Oragos: do titulo dos Parocos, e annual rendimento de cada huma: dos Padroeiros, que apresentão: juntamente com as leguas de distancia da Metropoli do Reino, E da Cidade principal, e cabeça do Bispado, com o numero dos fogos. Lisboa: Officina de Miguel Manescal da Costa; 1767, 1.

Nogueira P. Vocabulario indigena em uso na provincia do Ceará, com explicações etymo- logicas, orthographicas, topographicas, historicas, therapeutica, etc. Revista do Instituto do Ceará, 1887; 1: 209-432.

Oliveira JBP. O resumo chronologico para a historia do Ceará pelo Senr. Major João Brigido dos Santos: ligeira apreciação. Revista do Instituto do Ceará, 1888; 2: 25-79.

Oliveira TTG. Martim Soares Moreno, o capitão do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1987; 101: 31-48.

Perides PP. A organização político-administrativa e o processo de regionalização do território colonial brasileiro. Revista do Departamento de Geografia, 1995; 9: 77-91.

Perrone-Moisés B. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: Cunha MC. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP; 1992. p. 115-32.

Pinheiro FJ. Mundos em confronto: povos nativos e europeus na disputa pelo território. In: Souza S. Uma nova história do Ceará. 4a ed. Fortaleza: Demócrito Rocha; 2007.

Registro dos autos da erecção da real villa de Monte-mór o Novo da America, na capitania do Ceará Grande. Revista do Instituto do Ceará, 1891; 5: 82-106.

Rezende TVF. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição das fronteiras [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; 2006.

Seemann J. A toponímia como construção histórico-cultural: o exemplo dos municípios do estado do Ceará. Vivência, 2005; 29:207-24.

Seraine F. Contribuição à toponímia cearense. Revista do Instituto do Ceará, 1946; 60: 254-76.

Seraine F. Contribuição à toponímia cearense. Revista do Instituto do Ceará, 1948; 62: 266-85.

Seraine F. Topônimos de Portugal no Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1961; 75: 89-109.

Silva AD. Collecção da legislação portugueza desde a ultima compilação das ordenações. Lisboa: Typographia Maigrense; 1828.

Silva IBP. Vilas de índios no Ceará Grande: dinâmicas locais sob Diretório Pombalino [tese]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciên- cias Humanas, 2003.

Studart Filho C. O Ceará sob o regime das capitanias hereditárias. Revista do Instituto do Ceará, 1938; 52: 42-56.

Studart Filho C. Os aborígenes do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1963; 77: 154-217.

Studart G. Antonio José Victoriano Borges da Fonseca e seu governo no Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1890; 4: 189-247.

Studart G. Notas para a historia do Ceará (segunda metade do seculo XVIII). Lisboa: Typographia do “Recreio”; 1892.

Ximenes EE. Estudo filológico-linguístico das unidades fraseológicas da linguagem jurídico- criminal da capitania do Ceará nos séculos XVIII e XIX [tese]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, 2009.

Studart Filho C. Os aborígenes do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1962; 76: 5-75.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Linhares, M. A., & Ximenes, E. E. (2016). Bando que se lançou a respeito dos Índios Jucás: edição e contribuição ao estudo da colonização do Ceará. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 353-384. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p353-384

Edição

Seção

Artigos