Profissão docente no ensino superior privado

o difícil equilíbrio de quem vive na corda bamba

Palavras-chave: Condições de trabalho, Ensino superior, Professores universitários, Saúde do trabalhador

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir o trabalho e a saúde de professores do ensino superior privado. Parte-se da premissa de que a precarização do trabalho é um dos principais fatores que degradam a educação e a saúde desses profissionais. Considerando a complexidade do tema, este artigo se fundamentou no materialismo histórico dialético e em estudos sobre saúde mental relacionada ao trabalho. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semidirigidas. Os resultados mostram que os docentes estão submetidos a condições precárias e intensificadas de trabalho. A preservação da idealização da atividade profissional é um facilitador da alienação que prende os docentes a uma representação do trabalho como missão, que, além de submetê-los a condições fisicamente desgastantes, também os sujeitam a pressão psicológica potencialmente adoecedora. Conclui-se que a mercantilização da educação e do ensino descaracterizam a função do educador e propiciam o desgaste, o mal-estar e o adoecimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agra, N. G. (2015).Trabalho docente no ensino superior privado em Campina Grande/PB: controle, resistência e formação de consentimento. Tese de doutorado, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Brasil (2003). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior Estatísticas dos professores no Brasil. Brasília.

Brasil (2007). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior: sinopse estatística – 2005. Brasília.

Brasil (2009). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo técnico censo da educação superior 2008 (Dados preliminares). Brasília.

Brasil (2010). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior: 2009 – resumo técnico. Brasília.

Brasil (2011). Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais. Censo da Educação Superior 2010. Brasília.

Brasil (2012). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.Censo da educação superior: 2010 – resumo técnico. Brasília.

Brasil (2013). Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior: 2011 – resumo técnico. Brasília.

Brasil (2018). Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior: 2015 – resumo técnico. Brasília.

Canguilhem, G. (2006). O normal e o patológico (6ª ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Chomsky, N. (2014). Sobre a precarização do trabalho e da educação na universidade. Carta Maior, 2 mar. 2014. Disponível na Internet em:http://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FEducacao%2FChomsky-Sobre-a-precarizacao-do-trabalho-e-da-educacao-na-universidade%2F13%2F30389.

Dejours, C. (1997) O fator humano. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1997.

Dejours, C. (1999). Conferências brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. São Paulo: FGV/FUNDAR.

Dejours, C. (2007). A psicodinâmica do trabalho na pós modernidade. In A. M. Mendes, S. C. C. Lima, & E. P. Facas (Orgs.), Diálogos em psicodinâmica do trabalho (pp. 13-26). Brasília: Paralelo 15.

Dos Santos, A. (2010). Política educacional para a “universidade microondas”: gestão universitária, trabalho docente e qualidade da formação humana sob o efeito do “mercado educador”. Revista Gestão Universitária na América Latina, 3 (1), 12-27.

Dos Santos, A. F. T. (2012). Pedagogia do mercado: neoliberalismo, trabalho e educação no século XXI. Rio de Janeiro: Ibis Libris.

Elias, M. A. (2014). Equilibristas na corda bamba: o trabalho e a saúde de docentes do ensino superior privado em Uberlândia, MG. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias e Letras.

Hashizume, C. (2018). Trabalho docente e precarização nas relações laborais da educação: uma abordagem crítica. Curitiba: Appris.

Heloani, R. (2018). Modelos de gestão e educação: gerencialismo e subjetividade. São Paulo: Cortez.

Laurell, A. C. & Noriega, M. (1989). Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec.

Lukács, G. (1979). Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas.

Mancebo, D. & Silva Júnior, J. R. (2012). Trabalho docente e expansão da educação superior brasileira. Rio de Janeiro: Editora UERJ.

Marx, K. (1985). O capital: crítica da economia política (Livro 1, v. 1, t. 1. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe, trad.). São Paulo: Abril Cultural.

Marx, K. (2005). O capital: extratos por Paul Lafargue (A. Bastos, Trad., 2ª ed.). São Paulo: Conrad.

Maykut, P. & Morehouse, R. (1994). Beggining qualitative research: a philosophic and practical guide. London: Farmer Press Teacher’s Library.

Mészáros, I. (2004). A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo.

Minayo, M. C. S. (2004). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (23ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Piolli, E. (2010). Identidade e trabalho do diretor de escola: reconhecimento de sofrimento. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Pires, M. F. C. (1997). O materialismo histórico-dialético e a educação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 1 (1), 83-94.

Sampaio, H. M. S. (2000). O ensino superior no Brasil: o setor privado. São Paulo: Hucitec/FAPESP.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Sennet, R. (2003). A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo (7ª ed.). Rio de Janeiro: Record.

Silva Júnior, J. R. & Sguissardi, V. (2001). Novas faces da educação superior no Brasil: reforma do Estado e mudança na produção. São Paulo: Cortez. Bragança Paulista, SP: USF-IFAN.

Silva Júnior, J. S. (2012). Afastamento do trabalho por transtornos mentais e fatores associados: um estudo caso-controle entre trabalhadores segurados da Previdência Social. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, A. A. R. (2017). Trabalho docente nas instituições de ensino superior privadas no estado do Piauí: significados e tendências. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Souza, D. (2014). Fusão que cria maior grupo educacional do Brasil é aprovada. O Estado de São Paulo, 6 de julho. Disponível na Internet em: http://www.economia.estadao.com.br/noticias/negocios,fusao-que-cria-maior-grupo-de-educacao-do-brasil-e-aprovada,1522995.
Publicado
2019-12-21
Como Citar
Elias, M., & Navarro, V. (2019). Profissão docente no ensino superior privado. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(1), 49-63. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p49-63
Seção
Artigos Originais