Terceirização, saúde e resistências: provocações ético-políticas à psicologia social do trabalho em contexto de precarização subjetiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p189-202

Palavras-chave:

Serviços terceirizados, Precarização do trabalho, Resistências

Resumo

A intenção deste ensaio é promover uma reflexão crítica acerca das articulações entre terceirização, saúde e algumas possíveis formas de resistência nos contextos laborais contemporâneos. Para tal, serão apresentados resultados de pesquisas realizadas com trabalhadoras e trabalhadores subcontratados de uma universidade pública brasileira. Foram feitos encontros coletivos, entrevistas semiestruturadas e elaboração de diários de campo pelos pesquisadores envolvidos. Os resultados apontam que os subcontratados vivenciam situações de exclusão, discriminação, sentimento de invisibilidade, falta de reconhecimento, sobrecarga e outras injustiças. Questões étnico-raciais e de gênero também foram observadas como aspectos produtores de sofrimento. Em contrapartida, foi possível observar algumas formas de resistência como produção de mecanismos de defesa contra o sofrimento e envolvimento de caráter político em movimentos coletivos de lutas. Defende-se o compromisso ético-político da psicologia social do trabalho brasileira – como produto de seu tempo – de assumir postura crítica diante desta temática e contribuir para a promoção de movimentos de resistência em prol da continuidade das lutas pela saúde, garantia de direitos e formas de trabalho pautadas na dignidade da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista de Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

Antunes, R. (2014). Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, 28(81), 39-53.

Antunes, R. & Druck, G. (2015). A terceirização sem limites: a precarização do trabalho como regra. O Social em

Questão, 18(34), 19-40.

Barbati, V., Henriques, F., Guimarães Junior, S. & Ferreira, J. B. (2016). Capturas e resistências à terceirização: estudo

com trabalhadores de uma universidade pública. Revista Trabalho (En)Cena, 1(2), 110-127.

Barros, P. C. R. & Mendes, A. M. B. (2003). Sofrimento psíquico e estratégias defensivas dos operários terceirizados da

construção civil. Psico-USF, 8(1), 63-70.

Boltanski, L. & Chiapello, È. (2009). O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Matins Fontes.

Braverman, H. (1987). Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX (3a ed.). Rio de Janeiro:

Editora Guanabara.

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico (6a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Costa, F. B. (2004). Homens invisíveis: relatos de uma humilhação social. São Paulo: Editora Globo.

Costa, F. B. (2008). Moisés e Nilce: retratos biográficos de dois garis: um estudo de psicologia social a partir de observação participante

e entrevistas. Tese de doutorado, Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo , São

Paulo, SP, Brasil.

Crary, J. (2016). 24/7: capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu Editora.

Dardot, P. & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Dejours, C. (1999). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14(3), 27-34.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo: sexualidade e trabalho (Vol. 1). Brasília: Paralelo 15.

Deleuze, G. (1996). O mistério de Ariana. Lisboa: Vega.

Deleuze, G. (2013). Conversações (1972-1990) (3a ed). São Paulo: Editora 34.

Druck, G. (2011). Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, 24(1), 37-57.

Druck, G. (2013). A precarização social do trabalho no Brasil: alguns indicadores. In R. Antunes (Org.), Riqueza e

miséria do trabalho no Brasil (Vol. 2, pp. 55-73). São Paulo: Boitempo.

Druck, G. (2016). A terceirização na saúde pública: formas diversas de precarização do trabalho. Trabalho, Educação e

Saúde, 14(Suppl. 1), 15-43.

Druck, G. & Filgueiras, V. A. (2014). A epidemia da terceirização e a responsabilidade do STF. Revista do Tribunal

Superior do Trabalho, 80(3), 106-125.

Ferreira, J. B. O. (2017). Espelhos partidos têm muito mais luas: por uma poética das formas-de-vida. Estudos

Contemporâneos da Subjetividade, 7(2), 235-244.

Filgueiras, V. A. (2014, 24 de junho). Terceirização e trabalho análogo ao escravo: coincidência? Repórter Brasil.

Recuperado de https://reporterbrasil.org.br/2014/06/terceirizacao-e-trabalho-analogo-ao-escravo-coincidencia/

Filgueiras, V. A. & Cavalcante, S. M. (2015). Terceirização: debate conceitual e conjuntura política. Revista da ABET,

(1), 15-36.

Filgueiras, V. A. & Dutra, R. Q. (2014). O Supremo e a repercussão geral no caso da terceirização de atividade-fim de

empresas de telecomunicações: o que está em jogo? Revista Eletrônica do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná,

(35), 123-135.

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade: a vontade de saber (Vol. 1, 13a ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Franco, T. M. A. & Faria, M. G. D. (2013). A terceirização/subcontratação do trabalho no Brasil e sua interconexão

com a saúde mental no trabalho. In J. J. Ferreira (Coord.), Saúde mental no trabalho: coletânea do fórum de saúde e

segurança no trabalho do estado de Goiás (pp. 469-485). Goiânia: Cir Gráfica.

Franco, T., Druck, G. & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e

os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 229-248.

Fundação Comitê de Gestão Empresarial. (2013). Relatório de estatísticas de acidentes no setor elétrico brasileiro 2011.

Rio de Janeiro: Funcoge.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias e Letras.

Gaulejac, V. & Hanique, F. (2015). Le capitalisme paradoxant : un système qui rend fou. Paris: Seuil.

Guimarães Junior, S. D., Oliveira, V. R. & Assunção-Matos, A. A. (2017). Precarização do trabalho e efeitos subjetivos:

interlocuções entre práticas de pesquisa. Revista Psicologia Política, 17(39), 304-317.

Guimarães Junior, S. D. & Ferreira, J. B. O. (2018). Sujeito em terceiro plano: uma reflexão crítica acerca da articulação entre

a dinâmica da terceirização e processos de subjetivação. Revista Psicologia: Organizações & Trabalho, 18(2), 381-389.

Guimarães Junior, S. & Assunção-Matos, A. (2018). Embaraços contemporâneos do processo de terceirização: um

horizonte de retrocessos já anunciado. Revista Laborativa, 7(2), 21-39.

Heckert, A. L. C. (2014). Os exercícios de resistência no contemporâneo: entre fabulações e contágios. Psicologia em

Estudo, 19(3), 469-479.

Hardt, M. & Negri, A. (2016). Bem-estar comum. São Paulo: Record.

Lapoujade, D. (2015). Deleuze, os movimentos aberrantes. São Paulo: N-1 Edições.

Lima, J. C. (2010). A terceirização e os trabalhadores: revisitando algumas questões. Cadernos de Psicologia Social do

Trabalho, 13(1), 17-26.

Lhuilier, D. (2012). A invisibilidade do trabalho real e a opacidade das relações saúde-trabalho. Trabalho & Educação,

(1), 13-38.

Marcelino, P. & Cavalcante, S. (2012). Por uma definição de terceirização. Caderno CRH, 25(65), 331-346.

Martins, S. R. & Mendes, A. M. (2012). Espaço coletivo de discussão: a clínica psicodinâmica do trabalho como ação

de resistência. Revista Psicologia Organizações & Trabalho, 12(2), 171-183.

Mendes, A. M. (Org.) (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pelatieiri, P., Camargos, R. C., Ibarra, A. & Marcolino, A. (2018). Terceirização e precarização das condições de trabalho:

condições de trabalho e remuneração em atividades tipicamente terceirizadas e contratantes. In A. G. Campos

(Org.), Terceirização do trabalho no Brasil: novas e distintas perspectivas para o debate (pp. 11-32). Brasília: Ipea.

Pelbart, P. P. (2003). Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras.

Pelbart, P. P. (2008, 3 de outubro). Vida e morte em contexto de dominação biopolítica. Recuperado de http://www.iea.usp.br/

publicacoes/textos/pelbartdominacaobiopolitica.pdf

Périlleux, T. (2013). O trabalho e os destinos políticos do sofrimento. In A. R. C. Merlo, A. M. Mendes & R. D. Moraes

(Orgs.), O sujeito no trabalho: entre a saúde e a patologia (pp. 73-92). Curitiba: Juruá.

Rebelo, A. M., Moreira, G. R. C., Lopes, G. B. & Coura, E. B. (2018). Terceirização: o que os dados revelam sobre

remuneração, jornada e acidentes de trabalho. In A. G. Campos (Org.), Terceirização do trabalho no Brasil: novas

e distintas perspectivas para o debate (pp. 49-76). Brasília: Ipea.

Safatle, V. (2011). O que é uma normatividade vital? Saúde e doença a partir de Georges Canguilhem. Scientiae Studia,

(1), 11-27.

Santos, E. F., Diogo, M. F. & Shucman, L. V. (2014). Entre o não lugar e o protagonismo: articulações teóricas entre

trabalho, gênero e raça. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17(1), 17-32.

Sato, L., Coutinho, M. C. & Bernardo, M. H. (2018). A perspectiva da psicologia social do trabalho. In M. C. Coutinho,

M. H. Bernardo & L. Sato (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Vozes.

Secretaria Nacional de Relações de Trabalho & Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

(2014). Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Recuperado de https://www.cut.org.br/

system/uploads/ck/files/Dossie-Terceirizacao-e-Desenvolvimento.pdf

Secretaria Nacional de Relações de Trabalho & Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

(2017). Terceirização e precarização das condições de trabalho: condições de trabalho e remuneração em atividades tipicamente

terceirizadas e contratantes. Recuperado de https://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec172Terceirizacao.pdf

Seligmann-Silva, E. & Heloani, R. (2017). Precarização: impactos sociais e na saúde mental. In V. Navarro & E. A.

Lourenço (Orgs.), O avesso do trabalho IV: terceirização, precarização e adoecimento no mundo do trabalho

(pp. 281-300). São Paulo: Outras Expressões.

Sennett, R. (2009). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo (14a ed.). São Paulo:

Editora Record.

Souto Maior, J. L. (2017). Juridicamente, a terceirização já era: acabou!. In V. Navarro & E. A. Loureço (Orgs.), O

avesso do trabalho IV: Terceirização, precarização e adoecimento no mundo do trabalho. São Paulo: Outras Expressões.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Guimarães Junior, S. D., & Ferreira, J. B. de O. (2020). Terceirização, saúde e resistências: provocações ético-políticas à psicologia social do trabalho em contexto de precarização subjetiva. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 23(2), 189-202. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p189-202

Edição

Seção

Artigos Originais