Um resgate de si: itinerário terapêutico de um caso de adoecimento mental relacionado ao trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v24i2p217-233

Palavras-chave:

Saúde do trabalhador, Adoecimento mental, Itinerário terapêutico

Resumo

Este artigo reflete sobre o processo de reabilitação de adoecimento mental relacionado ao trabalho por meio da reconstituição do Itinerário Terapêutico de uma trabalhadora, evidenciando a importância dos serviços públicos de saúde. Mesmo diante do expressivo aumento dos casos de adoecimento mental e das evidências de relação com as condições e formas de organização do trabalho, raramente as situações laborais são consideradas nas avaliações dos serviços de saúde. Mesmo com o atual contexto de desmonte da saúde pública, existem exemplos de atuações exitosas, como a que discutimos aqui. Por meio de entrevista semidirigida com uma trabalhadora e construção do Itinerário Terapêutico, buscou-se compreender seu processo de adoecimento mental, a relação com o trabalho e o percurso de reabilitação. Os resultados demonstram a importância do entendimento do trabalho como determinante de saúde, da elaboração de projetos terapêuticos singulares e da atenção integral, revelando que a articulação em rede, o estabelecimento de vínculo e a busca pelo protagonismo do usuário são essenciais na atenção à saúde mental relacionada ao trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, J., Kana, L. A., & Masiero, A. V. (2019). Práticas integrativas e complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Revista Saúde em Debate, 43(123), 1025-1218. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912318

Alves, P. C. B., & Souza, I. M. A. (1999). Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In M. C. M. Rabelo, P. C. B. Alves, & I. M. A. Souza (Orgs.), Experiência de doença e narrativa (pp. 1-15). Fiocruz.

Bernardo, M. H. (2006). Discurso flexível, trabalho duro: o contraste entre o discurso de gestão empresarial e a vivência dos trabalhadores [Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo].

Bernardo, M. H. & Garbin, A. C. (2011). A atenção à saúde mental relacionada ao trabalho no SUS: desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 36(123), 103-117. https://doi.org/10.1590/S0303-76572011000100010

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. Boitempo.

Cabral, A. L. L. V., Martinez-Hemáez, A., Andrade, E. I. G., & Cherchiglia, M. L. (2011). Itinerários terapêuticos: o estado da arte da produção científica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 16(11), 33-42.

Campos, G. W. S. (2018). SUS: o que e como fazer? Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1707-1714. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05582018

Campos, G. W. S., & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(2), 399-407. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Dejours, C., & Bègue, F. (2010). Suicídio e trabalho: o que fazer? Paralelo 15.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Vozes.

Franco, T., Druck, G., & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 229-248. http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572010000200006

Gomez, C. M., Vasconcellos, L. C. F., & Machado, J. M. H. (2018). Saúde do trabalhador: aspectos históricos, avanços e desafios no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1963-1970. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.04922018

Kleinman, A. (1978). Concepts and a model for the comparison of medical systems as cultural systems. Social Science & Medicine, 12(1), 85-93.

Laurell, A. C. & Noriega, M. (1989). Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. Hucitec.

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Lei Orgânica de Saúde. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Linhart, D. (2014). Modernização e precarização da vida no trabalho. In R. Antunes (Org.), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III (Cap. 4, pp. 45-54). Boitempo.

Maccali, N., Minghini, L., Walger, C. S., & Roglio, K. D. (2014). O método história de vida: desvendando a subjetividade do indivíduo no estudo das organizações. Administração: Ensino e Pesquisa, 15(3), 439-468. https://raep.emnuvens.com.br/raep/article/view/11/9

Martins, A. C. A. & Oliveira, G. (2012). Trabalho: fonte de prazer e sofrimento e as práticas orientais. UNICAMP.

Meihy, J. C. S. B. (2005). Manual de história oral. Loyola.

Merhy, E. E. (2013). A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In T. Franco, & E. Merhy, (Orgs.), Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde. (pp. 68-94). Hucitec.

Merhy, E. E., Chakkour, M., Stéfano, M. E., Santos, C. M., & Rodrigues R. A. (2006). Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. In E. E. Merhy, & R. Onocko (Orgs.), Agir em saúde: um desafio para o público (pp. 113-15). Hucitec.

Minayo, M. C. S. (1999). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes.

Minayo, M. C. S. (2012). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, 17(3), 621-626.

Muhl, C. (2020). O itinerário terapêutico da pessoa com transtorno mental: pontos de inflexão. Rev. do NUFEN, 12(3), 198-216.

Nakamura, H. Y. (2019). Saúde do Trabalhador na Atenção Básica. In A. C. Lopes, C. G. O. Gonçalves, & W. T. L. Andrade (Orgs.), Fonoaudiologia e saúde auditiva do trabalhador. (pp. 217-240). Booktoy.

Nakamura, H. Y., Chamouton, C. S., & Nascimento, C. L. (2017). Saúde do Trabalhador no SUS: a invisibilidade de um determinante de saúde. In Anais do Congresso brasileiro de medicina de família e comunidade. Galoá. https://proceedings.science/cbmfc/trabalhos/saude-do-trabalhador-no-sus-a-invisibilidade-de-um-determinante-de-saude

Nardi, H. C. (1997). Saúde do trabalhador. In A. D. Cattani (Org.), Trabalho e tecnologia, dicionário crítico (pp. 219-224) Vozes.

Nobre, L. C. C. (2018). CERESTs (Centros de Referência em Saúde do Trabalhador). In R. Mendes (Org.), Dicionário de saúde e segurança do trabalhador: conceitos, definições, história, cultura. (pp. 247-248). Proteção Publicações.

Oliveira, R. M. K. (2018). Cuidado (da pessoa humana). In R. Mendes (Org.), Dicionário de saúde e segurança do trabalhador: conceitos, definições, história, cultura. (pp. 323-324). Proteção Publicações.

Pollack, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 5(10), 200-212.

Portelli, A. (2016). História oral como arte da escuta. Letra e Voz.

Previdência Social. (2017). Boletim quadrimestral. Ministério do Trabalho e da Previdência. http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2017/04/1%C2%BA-boletim-quadrimestral.pdf

Saffioti, H. (2013). A mulher na sociedade de classes: mito e realidade (3ª ed.). Expressão Popular. (Trabalho original publicado em 1969)

Santhiago, R. C. & Magalhães, V. B. (2015). História oral na sala de aula. Autêntica.

Santos, N. R. (2018). SUS 30 anos: o início, a caminhada e o rumo. Ciencia & Saúde Coletiva, 23(6), 1729-1736.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. EdUFRJ/Cortez.

Silva, V. P. & Barros, D. D. (2010). Método história oral de vida. Revista de Terapia Ocupacional, 21(1), 68-73.

Soares, F. C. & Duarte, B. H. (2014). O assédio moral no ordenamento jurídico brasileiro. Fórum Trabalhista, 11, 21-47.

Souza, H. A. (2017). Saúde mental relacionada ao trabalho na rede pública de saúde brasileira: concepções e atuações transformadoras [Tese de Doutorado, Centro de Ciências da Vida, PUC-Campinas]. http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/956

Tavares, F. (2017). Rediscutindo conceitos na antropologia da saúde: notas sobre os agenciamentos terapêuticos. Mana, 23(1), 201-228. http://dx.doi.org/10.1590/1678-49442017v23n1p201

Vasconcelos, C. M. & Pasche, D. F. (2006). O sistema único de saúde. In G. W. Campos, M. C. S. Mina, M. Akerman, & M. Drumond Júnior (Orgs.) Tratado de saúde coletiva (pp. 531-562). Hucitec-Fiocruz.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Rodrigues, J. C., Chamouton, C. S. ., Nakamura, H. Y. ., & Souza, H. A. de. (2021). Um resgate de si: itinerário terapêutico de um caso de adoecimento mental relacionado ao trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 24(2), 217-233. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v24i2p217-233

Edição

Seção

Artigos Originais