Uma análise da psicodinâmica do trabalho de operadora de caixa de supermercado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v24i2p235-248

Palavras-chave:

Operadora de caixa de supermercado, Prazer-sofrimento, Psicodinâmica do trabalho

Resumo

Trata-se de um estudo qualitativo com base na Psicodinâmica do Trabalho e que analisa o trabalho das operadoras de caixa de supermercado, investigando sua organização e a dinâmica prazer-sofrimento psíquico envolvida. Foram entrevistadas individualmente quinze mulheres, de quatro diferentes supermercados da cidade de Belém-PA, usando roteiro semiestruturado. O material foi examinado conforme a técnica de Análise de Núcleos de Sentido (ANS). Verificou-se uma rígida organização do trabalho das operadoras de caixa de supermercado, contendo poucas possibilidades de transformação do sofrimento em vivências de prazer. Há pouco espaço para as operadoras expressarem as dificuldades do trabalho, tais como: insatisfação com as chefias, falta de reconhecimento no trabalho, assédio sexual, constrangimentos praticados pela clientela e precariedade nas condições de trabalho. A submissão, a crença religiosa e o riso aparecem como estratégias coletivas de defesa para suportar as adversidades do cotidiano laboral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. Boitempo.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Barel, Y., & Frémeaux, S. (2010). Organisation du travail et démarche qualité: le cas du secteur caisses d’un hypermarché. Revue de gestion des ressources humaines, 3(77), 22-37. https://www.cairn.info/revue-de-gestion-des-ressources-humaines-2010-3-p-22.htm

Barreto, M. (2014). Violência, assédio moral e sexual no trabalho. In A. M. Mendes, R. D. Moraes, & A. R. C. Merlo (Orgs.), Trabalho e sofrimento: práticas clínicas e políticas (pp. 139-154). Juruá.

Bauer, W. M., & Gaskell, G. (Orgs.) (2011). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (9ª ed.). Vozes.

Bendassolli, P. F. (2009). Psicologia e trabalho: apropriações e significados. Cengage Learning.

Bendassolli, P. F., & Soboll, L. A. P. (2011). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade. Atlas.

Benquet, M., & Nathalie, M. (2009). Le refus d’encaisser. Travail, genre et sociétés, 21(1), 9-24.

Cardoso, D. T. (2015). A mulher e o trabalho: o cotidiano das trabalhadoras dos supermercados [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás].

Dejours, C. (1980). Travail: usure mentale. Essai de psychopathologie du travail. Le Centurion.

Dejours, C. (2000). A banalização da injustiça social (3ª ed.). FGV.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14(3), 27-34.

Dejours, C. (2007). Psicodinâmica do trabalho na pós-modernidade. In A. M. Mendes, S. C. C. Lima, & E. P. Facas (Orgs.), Diálogos em Psicodinâmica do Trabalho (pp. 13-26). Paralelo 15.

Dejours, C. (2009). Entre o desespero e a esperança: como reencantar o trabalho? Revista CULT, 139(12), 49-53.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo. Trabalho e emancipação (tomo II). Paralelo 15.

Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (6ª ed.). Cortez-Oboré.

Diniz, M. I. (2014). Mulheres como eu, mulheres como as outras: desvelando o assédio moral e sexual no âmbito do trabalho das comerciárias do estado do Rio Grande do Norte [Tese de doutorado, Universidade Estadual do Rio de Janeiro].

Falquet, J. (2016). Transformações neoliberais do trabalho das mulheres. In A. R. P. Abreu, H. Hirata, & M. R. Lombardi (Orgs.), Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais (pp. 37-46). Boitempo.

Figueiredo, P. M. (2012). Assédio moral contra mulheres nas organizações. Cortez.

Flores, V. D. C., & Moura, E. P. G. (2018). Significados de trabalho, prazer e sofrimento no ofício de agentes funerários. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 18(1), 326-334. http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2018.1.13337

Freud, S. (2014). O futuro de uma ilusão. In S. Freud, Obras completas de Freud. Inibição, Sintomas e Angústias e outros textos (1926-1929). Companhia das Letras. Trabalho Original publicado em 1926-1929

Gomes, D. R., Sperandio, H. V., Guimarães, P. P., & Fiedler, N. C. (2011). Análise ergonômica do posto de trabalho de operadores de caixa no supermercado BC. In XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, Alegre.

Heloani, R., & Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do Trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Revista Produção, 14(3), 77-86. https://doi.org/10.1590/S0103-65132004000300009

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007) Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, 37(132), 595-609.

Martins, H. E., Montezeli, J. H., & Pugin, A. P. (2010). O enfermeiro do trabalho e o transtorno depressivo em operadores de caixa de supermercado. Revista de Enfermagem UFPE, 4(2), 691-698.

Maruani, M. (Org.). (2018). Je travaille, donc je suis. Perspectives féministes. Éditions La Découverte.

Mendes, A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. Casa do Psicólogo.

Moraes, R. D., Schlindwein, V. D. C., Ghizoni, L. D., Oliveira, P. de T. R., Nina, S. de F. M., Santana, P. M., Mélou, A. C. S. de A., & Monteiro, T. M. (2019) Experiências em psicodinâmica do trabalho na Amazônia: escuta do sofrimento no trabalho. In J. K. Monteiro, R. D. Moraes, L. G. Freitas, L. D. Ghizoni, & E. P. Facas (Orgs.), Trabalho que adoece: resistências teóricas e práticas (pp. 209-251) [recurso eletrônico]. Editora Fi. https://www.editorafi.org/650trabalho

Organização Internacional do Trabalho. (2018). Perspectivas Sociales y del Empleo en el Mundo: avance global sobre las tendencias del empleo femenino 2018. https://www.ilo.org/global/research/global-reports/weso/trends-for-women2018/WCMS_619603/lang--es/index.htm

Santos, L. M. (2004). Avaliação da carga de trabalho em operadoras de caixa de supermercado: um estudo de caso [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul].

Scott, J. (1995). Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. SOS Corpo.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. Cortez.

Soares, A. (2014). O preço de um sorriso: as emoções no trabalho, desafios para a saúde das trabalhadoras e dos trabalhadores. In J. A. Oliveira, & M. Matsuo (Orgs.), O trabalho emocional e o trabalho de cuidado (pp. 13-25). Fundacentro.

Teixeira, C. S., Torres, M. K., Moro, A. R. P., & Merino, E. A. D. (2009). Fatores associados ao trabalho de operadores de checkout: investigação das queixas musculoesqueléticas. Produção, 19(3), 558-568. https://doi.org/10.1590/S0103-65132009000300012

Trelha, C. S., & Carregaro, R. L. (2017). Análise de posturas e movimentos de operadores de checkout de supermercado. Fisioterapia e Movimento. Curitiba, 20(1), 45-52.

Waelli, M., & Fache, P. (2013). La régulation de l'emploi dans les hypermarchés français: Stratégies de mobilisation de la main-d'œuvre et rapports à l'activité aux caisses. Travail et emploi, 136(4), 35-47. https://www.cairn.info/revue-travail-et-emploi-2013-4-page-35.htm

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Mélou, A. C. S. de A., Oliveira, P. de T. R. de, Alvarenga, E. C., & Lima, M. L. C. (2021). Uma análise da psicodinâmica do trabalho de operadora de caixa de supermercado. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 24(2), 235-248. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v24i2p235-248

Edição

Seção

Artigos Originais