Edição e análise de fenômenos linguísticos localizados em manuscrito eclesiástico setecentista de Minas Colônia

Palavras-chave: Documento manuscrito, Edição filológica, Fenômenos linguísticos

Resumo

Neste artigo temos duplo objetivo: discutir a importância de transcrição feita com critérios filológicos e mostrar como o respeito ao texto original possibilita ao pesquisador diacronista, e ao público em geral, conhecer o uso linguístico, manifesto no manuscrito sob análise, de um estágio pretérito da língua. Na segunda parte do texto, é feita uma apresentação não exaustiva de fenômenos linguísticos extraídos de parte de um manuscrito do século XVIII, intitulado Processo De Genere Vita et Moribus de Francisco de Paula Meireles (1779).

Biografia do Autor

Soélis Teixeira do Prado Mendes, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre e doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora adjunta do Departamento de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto (campus Mariana).

Referências

Bisol L. Harmonização vocálica, uma regra variável [tese]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1981.
Cambraia CN, et al. (2001). Cinco breves tratados religiosos alcobacenses: edição semidiplomática (cód. alc. 461). Caligrama – Revista de Estudos Românicos. 2001; 6:7-28. [citado 10 ago. 2018]. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/290/240.
Cambraia CN. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes; 2005.
Carneiro MLT. Preconceito racial em Portugal e Brasil Colônia: os cristãos-novos e o mito da pureza de sangue. São Paulo: Perspectiva; 2005.
Carvalho DG, Nascimento M. Gramática histórica. 3a. ed., São Paulo: Ática; 1969.
Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Loyola/Vozes; 1993.
Constituição Dogmática Lumen Gentium. Documentos do Concílio Ecumênico Vaticano II. São Paulo: Paulus; 1997.
Coutinho I de L. Pontos de gramática histórica. 5a. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica; 1962.
Fachin PRM. Descaminhos e dificuldades: leitura de manuscritos do século XVIII. Goiânia: Trilhas Urbanas; 2008.
Mattos e Silva RV. O Português arcaico: Fonologia. São Paulo: Contexto; 1991.
Martins AM. Emergência e generalização do português escrito: de D. Afonso Henriques a D. Dinis. In: Mira-Mateus MH, organizadora. Caminhos do português. Lisboa: Biblioteca Nacional; 2001. p. 23-71.
Mendes ST do P. Combinações lexicais restritas em manuscritos setecentistas de dupla concepção discursiva: escrita e oral [tese]. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais; 2008. [citado 10 ago. 2018]. Disponível em: http://poslin.letras.ufmg.br/defesas/479D.pdf.
Spina S. Introdução à edótica. 2ª. ed. São Paulo: Edusp/Ars poética; 1994.
Tarallo F. Tempos linguísticos. São Paulo: Ática; 1990.
Villalta LC. A Igreja, a sociedade e o clero. In: Resende MEL de, Villalta LC, organizadores. História de Minas: As Minas setecentistas. Vol. II. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo; 2007. p. 25-57.
Wernet A. A Igreja paulista no século XIX. São Paulo: Ática; 1987. Williams EB. Do latim ao português. 6a ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1994.

Fonte Manuscrita
Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana (AEAM), Minas Gerais. Processo De Genere Vita et Moribus de Francisco de Paula Meireles. Armário 04, pasta 604; 1779.
Publicado
2018-12-30
Como Citar
Dores, M. V., & Mendes, S. (2018). Edição e análise de fenômenos linguísticos localizados em manuscrito eclesiástico setecentista de Minas Colônia. Filologia E Linguística Portuguesa, 20(2), 175-189. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/flp/article/view/148884
Seção
Artigos