Uma reflexão sobre o papel das preposições na distinção entre complementos nominais de substantivos e adjuntos adnominais preposicionados

Palavras-chave: Complemento nominal, Adjunto adnominal preposicionado, Preposições essenciais, Preposições acidentais, Gramaticografia

Resumo

A forma pela qual se apresentam os complementos nominais de substantivos e os adjuntos adnominais preposicionados é similar, o que, normalmente, causa algum embaraço na distinção desses termos oracionais para fins de categorização. Os manuais normativos e pedagógicos tendem a ancorar essa distinção na concretude/abstração do nome que antecede a preposição e na agentividade do termo preposicionado, o que decorre de uma analogia com o emprego de determinadas preposições junto aos casos genitivo e dativo do latim. Assim, este trabalho buscou, a partir de uma análise comparativa de cunho intertextual empreendida entre manuais do latim e do português, tentar elucidar a distinção entre esses dois termos e propor um critério prioritariamente sintático para distingui-los. Delimitou-se a análise aos termos preposicionados que se ligam a nomes substantivos e explorou-se a hipótese de que o tipo de preposição pudesse ser relevante para se determinar a função sintática, levando-se em conta a classificação das preposições em essenciais e acidentais. Os resultados obtidos indicam que existe distinção entre os dois termos, mas que esta decorre não do tipo de preposição que o encabeça, mas da propriedade do nome substantivo de exigir ou de apenas admitir um termo preposicionado.

Biografia do Autor

Anya Karina Campos D'almeida e Pinho, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Linguística Teórica e Descritiva pelo deparatmento de Linguística da Faculdade de Letras da Unviersidade Federal de Minas Gerais

Referências

Almeida NM. Gramática metódica da língua portuguesa. 46ª ed. São Paulo: Saraiva; 2009 [1944].
Ali MS. Gramática secundária da língua portuguêsa. São Paulo: Melhoramentos; 1969.
Barboza JS. Grammatica philosophica da língua portugueza ou principios da grammatica geral aplicado a nossa linguagem. 2ª ed. Lisboa: Typographia da Academia Real das Sciencias; 1830.
Bechara E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna; 2009.
Cavaliere RS. A gramaticografia no Brasil: tradição e inovação. Limite: revista de estudios portugueses y de la lusofonía. 2012;6:217-236.
Dias AES. Syntaxe histórica do português. 3ª ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora; 1954. Faria E. Gramática superior da língua latina. Rio de Janeiro: Acadêmica; 1958.
Ilari R. Palavras de classe fechada. São Paulo: Contexto; 2015.
Koch IGV, Bentes AC, Cavalcante MM. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez; 2007.
Lima CHR. Gramática normativa da língua portuguesa. 46ª ed. Rio de Janeiro: José Olímpio; 2007.
Lobato JR. Arte da grammatica da lingua portugueza. Nova edição. Lisboa: Typographia Rollandiana; 1824.
Melo GC. Gramática fundamental da língua portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica; 1970.
Neves MHM. Gramáticas de Usos do Português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.
Pereira CE. Gramática expositiva: curso superior. São Paulo: Companhia Editora Nacional; s.d. [1907].
Ravizza J. Gramática latina. Niterói: Escolas Profissionais;1940.
Silveira S. Sintaxe da preposição de. Rio de Janeiro: Organização Simões; 1951.
Swiggers P. A historiografia da linguística: objeto, objetivos, organização. Confluência. Revista do Instituto de Língua Portuguesa. 2013;44(4):39-59.
Publicado
2019-12-31
Como Citar
Pinho, A., & Coelho, S. (2019). Uma reflexão sobre o papel das preposições na distinção entre complementos nominais de substantivos e adjuntos adnominais preposicionados. Filologia E Linguística Portuguesa, 21(2), 191-209. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v21i2p191-209
Seção
Artigos