Um estudo construcional da microconstrução intensificadora “[[x] pra caramba]” no português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i1p55-79

Palavras-chave:

Abordagem construcional, Intensificação, Pra caramba

Resumo

Este artigo busca analisar, com base nos pressupostos teóricos da abordagem construcional (Traugott e Trousdale, 2013; Bybee, 2010, etc), a microconstrução intensificadora [[X] pra caramba], instanciada pelo subsesquema construcional [[X] Prep+N], no português brasileiro, tendo em vista as propriedades da esquematicidade, composicionalidade e produtividade. A função desse tipo de microconstrução é expressar uma ideia de encarecimento acerca de algo, alguém ou evento, que ultrapassa os limites do que é tido como relativamente normal pelo falante. Assim, considerando como universo de investigação o Corpus do Português (Davies e Ferreira, 2006), nosso intento é apresentar uma breve descrição e análise da construção [[X] pra caramba] no que se refere à sua importância, à sua aplicabilidade e à sua produtividade na língua portuguesa, como forma de diferenciá-la de outras construções intensificadoras, do tipo “muito”, “bastante” e “demais”, definidas como simples. Em resumo, vimos que essa microconstrução emerge na língua no século XX, tornando-se bastante produtiva, e, portanto, mais esquemática, a ponto de atrair outras microconstruções intensificadoras menos prototípicas.

Referências

Barddal J. Productivity: Evidence from Case and Argument Structure in Icelandic. Amsterdam: John Benjamins Publishing; 2008.

Bechara E. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 2009.

Borba FS. Dicionário UNESP do Português Contemporâneo. São Paulo: Editora UNESP; 2004.

Bybee J. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press; 2016 [2010].

Castilho AT. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto; 2012.

Costa IO. A construção superlativa de expressão corporal: uma abordagem construcionista [dissertação]. Juiz de Fora: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora; 2010.

Croft TW. Radical Construction grammar. Oxford: Oxford University Press; 2001.

Croft W, Cruse A. Cognitive Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press; 2004.

Cunha C, Cintra LF. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Fronteira; 1985.

Cunha, AG. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora; 2011.

Davies M., Ferreira M. Corpus do Português: 45 milhões de palavras, 1300s-1900s [internet]. Provo, Utah: U.S. National Endowment for the Humanities, 2006 [2016]. Disponível em: http://www.corpusdoportugues.org.

Dicionário Online do Português. Porto : 7 Graus; 2009.

Dik SC. The Theory of Functional Grammar. Dordrecht: Foris Publication; 1989.

Ferreira ABH. Dicionário da língua portuguesa. Curitiba: Positivo; 2014.

Fillmore CJ, Kay P, O’Connor MC. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions. Language, 1988;64(3):501–538.

Givón T. On understanding grammar. New York: Academic Press; 1979.

Givón T. Functionalism and grammar. Amsterdan/Philadelphia: John Benjamins; 1995.

Goldberg A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press; 1995.Goldberg A. Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press; 2006.

Heine B. Grammaticalization as an exploratory parameter. In: Pagliuca W, editor. Perspectives on grammaticalization. Amsterdam: John Benjamins; 1994. p. 255-87.

Houaiss A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2011.

Lakoff G, Johnson M. Metaphors We Live By. Chicago: University of Chicago Press; 1987 [1980].

Lakoff G. Women, fire and dangerous things. Chicago: University of Chicago Press; 1987.

Langacker R. Foundations of cognitive grammar: theoretical prerequisites. Stanford, CA: Stanford University Press; 1987. (Vol. I)

Lauand J. Revelando a Linguagem: 50 estudos na revista Língua Portuguesa (2005-2015). São Paulo: Factash Editora SH; 2016.

Lima-Hernandes MC. Perífrases elativas de função intensificadora: rotas de Gramaticalização no Português. Encontro Anual do Grupo de Trabalho da ANPOLL; 9-10 dez. 2009; São Paulo, SP, Brasil. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie; 2010. p. 1-19.

Nascentes A. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica; 1955.

Neves MHM. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes; 1997.

Neves MHM. As relações entre ciência linguística, uso linguístico e as noções de “certo” e “errado”. In.: Neves MHM. Que gramática estudar na escola? São Paulo: Editora Contexto; 2011. p. 49-63.

Nuevo Diccionario Historico Del Español. [NDHE]. Real Academia Española [homepage]. Madrid: Academia Española; 1933. [citado 21 abril 2019]. Disponível em: http://web.frl.es/DH1936.html.

Oliveira MR. Contexto: definição e fatores de análise. In: Oliveira MR, Rosario IC, organizadores. Linguística Centrada no uso: teoria e método. RJ: Lamparina/Faperj; 2015. p. 22-34.

Real Academia Española: Diccionario de la lengua española, 23ª Ed. [homepage]. Madrid: Asociación de Academias de la Lengua Española; 2019. [citado 20 abr 2019]. Disponível em: https://dle.rae.es.

Rodrigues S. Caramba, puxa e outros eufemismos. Revista Veja Online. 2011, agosto, 44(2219):136p.

Sankoff D, Tagliamonte S, Smith E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows [programa de computador]. Toronto: University of Toronto; 2005. [citado em 10 fev 2019]. Disponível em: http://individual.utoronto.ca/tagliamonte/goldvarb.html.

Scaldelai AL. Um estudo cognitivo-funcional das construções intensificadoras no português brasileiro. Relatório Final de Iniciação Científica. São José do Rio Preto: UNESP/FAPESP; 2017.

Scaldelai AL. Um estudo cognitivo-funcional das construções intensificadoras no português brasileiro. Relatório Parcial de Iniciação Científica. São José do Rio Preto: UNESP/FAPESP; 2016.

Silva BC, Souza, FF, Andrade WC. Intensificação no Português Falado. Revista Anagrama: Revista Científica Interdisciplinar da Graduação. 2009;3(1):1-11.

Silva D. Revista Caras Uol. Etimologia [homepage], 2013. [citado 28 dez. 2019]. Disponível em: https://caras.uol.com.br/revista/etimologia-pelada-dedeu-forfait.phtml

Silva JR A intensificação numa perspectiva funcional. Odisseia. 2008;1:1-18.

Silva JR. Aspectos mórficos e semântico-pragmáticos do grau. In: Silva JR, Martins MA, organizadores. Gramática e ensino. Natal: EDUFRN; 2013. p. 117-144.

Silva JR. Aspectos semântico-cognitivos da intensificação. Revista Gragoatá. 2006;11(21):201-218.

Traugott EC, Trousdale G. Constructionalization and Constructional changes. Oxford: Oxford University Press; 2013.

Vieira SR, Vieira MSM. Expressão de grau: para além da morfologia. Cadernos de Letras da UFF – Literatura, língua e identidade. 2008;34:63-83.

Villas A. Pequeno dicionário brasileiro da língua morta. São Paulo: Globo; 2013.

Downloads

Publicado

2020-08-06

Como Citar

Scaldelai-Salles, A. L., & Souza, E. R. F. de. (2020). Um estudo construcional da microconstrução intensificadora “ [x] pra caramba]” no português brasileiro. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(1), 55-79. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i1p55-79

Edição

Seção

Artigos