Ocorrências de anáforas encapsuladoras em redações do Enem

Autores

  • Roberlei Alves Bertucci Universidade Tecnológica Federal do Paraná http://orcid.org/0000-0003-4014-5610
  • Andréa Jacqueline Malheiros Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Wanderlei de Souza Lopes Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i1p81-102

Palavras-chave:

Anáfora, Encapsulamento, Redação, Enem

Resumo

Este trabalho pretende verificar como as anáforas encapsuladoras – também conhecidas como encapsulamentos – são utilizadas como rótulos avaliativos no gênero “redação do Enem”. Primeiramente, destacamos a importância da referenciação pelas anáforas, por serem um meio relevante para a coesão textual. Depois, ressaltamos o papel dos encapsulamentos em sumarizar e rotular porções textuais, construindo objetos de discurso essenciais para a coesão e, no caso dos textos argumentativos, para o posicionamento do autor (Koch, 2004; Cavalcante, 2005; Bertucci, 2006). Nosso corpus é constituído de 31 redações nota 1000 no Enem de 2018. Após a seleção, quantificamos a ocorrência das anáforas encapsuladoras, distinguindo-as entre descritivas e opinativas. Verificamos que: i) apenas 2 redações não apresentavam os encapsulamentos sob análise; ii) houve uma ocorrência maior do tipo descritivo (79%); e iii) em apenas dois textos o tipo opinativo se sobressaiu. Do ponto de vista qualitativo, decidimos analisar dois casos. Em ambos, a análise corrobora a ideia de que essas anáforas são essenciais para a coesão do texto e, no caso do gênero redação do Enem, são essenciais também para o direcionamento argumentativo do texto. Não à toa, foram avaliados com a nota máxima no Exame.

Biografia do Autor

Roberlei Alves Bertucci, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Graduou-se em Letras Português-Inglês pela PUCPR (2004); é mestre em Letras (Estudos Lingüísticos) pela UFPR (2007) e doutor em Lingüística pela USP (2011), tendo feito parte de seu doutorado na Université Paris 8 (2009-2010), sob orientação da Profa. Dra. Brenda Laca. Desenvolveu a pesquisa de pós-doutorado na Bar-Ilan University em Israel (2012), sob orientação da Profa. Dra. Susan Rothstein. Atualmente é professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Interessa-se por diferentes processos gramaticais (formais) de produção de sentido em línguas naturais, como: sintaxe, semântica e pragmática das línguas naturais, em especial o português brasileiro; descrição e análise linguística nos domínios verbal e nominal, em especial por meio de ferramentas tecnológicas; e aplicação de fundamentos e descobertas linguísticas a ferramentas tecnológicas digitais.

Andréa Jacqueline Malheiros, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Graduanda em Letras Português pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Wanderlei de Souza Lopes, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Graduando em Letras Português pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Referências

Apothéloz D. Papel e funcionamento da anáfora na dinâmica textual. In: Cavalcante MM, Rodrigues BB, Ciulla A, organizadores. Referenciação. São Paulo: Contexto; 2003. p. 53-84.

Aquino MFS. A coesão na tessitura textual: avaliação do emprego de recursos coesivos. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 213-220.

Bertucci RA. Anáforas encapsuladoras: uma análise em textos de opinião. Revista Letras, 2006;70:207-221. [citado 10 fev. 2019]. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/5429

Bertucci RA. Recurso computacional para análise de textos argumentativos [internet]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná. [citado em 15 nov. 2018]. Disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/bertucci/publicacoes-trabalhos-academicos/apresentacoes

Brasil. Redação no Enem 2017: cartilha do participante. Brasília: Diretoria de Avaliação da Educação Básica/ Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/ Ministério da Educação; 2017. [citado 19 jul. 2019]. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/guia_participante/2017/manual_de_redacao_do_enem_2017.pdf

Cançado M et al.. Subjetividade em correções de redações: detecção automática através de léxico de operadores de viés linguístico. Linguamática [Internet], 2020; 12(1):63-79. [citado 25 de Agosto de 2020]. Disponível em: https://www.linguamatica.com/index.php/linguamatica/article/view/313

Cantarin M, Bertucci RA, Almeida RC. A análise do texto dissertativo-argumentativo. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 81-91.

Cavalcante MM. Apresentação. In: Cavalcante MM, Rodrigues BB, Ciulla A, organizadores. Referenciação. São Paulo: Contexto; 2003a. p. 09-16.

Cavalcante MM. Expressões referenciais – uma proposta classificatória. Caderno de Estudos Linguísticos, 2003b;44:105-18. [citado 14 nov. 2019]. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637068

Cavalcante MM. Anáfora e dêixis: quando as retas se encontram. In: Koch IGV, Morato EM, Bentes AC, organizadores. Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto; 2005. p. 125-149.

Conte ME. Encapsulamento anafórico. In: Cavalcante MM, Rodrigues BB, Ciulla A, organizadores. Referenciação. São Paulo: Contexto; 2003. p. 177-190.

Coroa ML. O texto dissertativo-argumentativo. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 59-71.

Cordeiro MAS. A contribuição da anáfora encapsuladora para a organização da informação em dissertações produzidas por alunos do 3º ano do ensino médio de Santarém [dissertação]. Belém: Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará; 2006. [citado 25 ago. 2020]. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/9421

Elias VMS. Texto e argumentação. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 117-136.

Francis G. Rotulação do discurso: um aspecto da coesão lexical de grupos nominais. In: Cavalcante MM, Rodrigues BB, Ciulla A, organizadores. Referenciação. São Paulo: Contexto; 2003. p. 191-228.

Garcez LHC. Gênero e tipo de texto. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017a. p. 51-58.

Garcez LHC. O ensino de redação. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017b. p. 275-278.

Garcez LHC, Corrêa VR. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. [citado em 13 mar. 2020] Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484421/TEXTOS+DISSERTATIVO+ARGUMENTATIVOS/7809ef0d-5a4a-4c24-9a03-9db15e0bdacf?version=1.0

Koch IGV. Sobre a seleção do núcleo das formas nominais anafóricas na progressão referencial. In: Foltran MJ, Negri L, Oliveira RP, organizadores. Sentido e significação: em torno da obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto; 2004a. p. 244-262.

Koch IGV. Introdução à lingüística textual. São Paulo: Martins Fontes; 2004b.

Koch IGV. Referenciação e orientação argumentativa. In: Koch IGV, Morato EM, Bentes AC, organizadores. Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto; 2005. p. 33-52.

Koch IGV, Elias VM. Ler e Compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto; 2017.

Mondada L, Dubois D. Construção dos objetos-de-discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: Cavalcante MM, Rodrigues BB, Ciulla A, organizadores. Referenciação. São Paulo: Contexto; 2003. p. 17-52.

Oliveira RP, Basso RM. Arquitetura da conversação: teoria das implicaturas. São Paulo: Parábola Editorial; 2014.

Pereira KAPL. A contribuição de um analisador automático para a caracterização de gêneros textuais [trabalho de conclusão de curso]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2018. [citado 25 ago. 2020]. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/11580.

Salvador A. Como escrever para o Enem: roteiro para uma redação nota 1.000. São Paulo: Contexto; 2013.

Silva NS. Análise textual mediada por ferramenta computacional: um estudo sobre redações estilo Enem. [trabalho de conclusão de curso]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2018. [citado 25 ago. 2020]. Disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/bertucci/projetos-grupos-de-pesquisa-1/tcc-letras/TCC%20-%20Nicolle%20-%20corrigido.pdf/view

Tauil JC. A ocorrência da implicatura convencional no português brasileiro a partir de itens lexicais expressivos. [trabalho de conclusão de curso]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2017. [citado 13 mar. 2020] Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/11586

Val MGC. Redação escolar: um gênero textual? In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 73-80.

Val MGC, Mendonça M. Coesão nominal: relacionar, categorizar e... argumentar. In: Garcez LHC, Corrêa VR, organizadores. Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2017. p. 205-212.

Downloads

Publicado

2020-08-06

Como Citar

Bertucci, R. A., Malheiros, A. J., & Lopes, W. de S. (2020). Ocorrências de anáforas encapsuladoras em redações do Enem. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(1), 81-102. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i1p81-102

Edição

Seção

Artigos