O Item trouxa no português do Twitter

Autores

  • Aléxia Teles Duchowny Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras
  • Caroline de Oliveira Silva Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp189-203

Palavras-chave:

Item trouxa, Semântica histórica, Twitter, Etimologia, Língua portuguesa

Resumo

Objetiva-se analisar o item trouxa da língua portuguesa, que apresenta, atualmente, pelo menos dois significados: o etimológico de embrulho ou carga e o inovador de pessoa boba, fácil de ser ludibriada. O item sofreu um processo de “pejoratização” pelos seus usuários, fenômeno descrito pela Linguística semântica em que a palavra passa a ter uma avaliação negativa. Assim, trouxa, termo para se referir a um objeto concreto até o século XIX, passa a fazer referência também para uma pessoa tola, feita de boba pelos outros. No Twitter, em que a língua escrita apresenta muitas características da oralidade, o uso do termo para se referir a alguém bobo é muito recorrente, apresentando variadas formas nominais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aléxia Teles Duchowny, Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras

Professora associada da Área de Estudos diacrônicos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, MG, Brasil.

Caroline de Oliveira Silva, Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras

Graduanda do Curso de Letras da UFMG.

Referências

Bluteau R. Vocabulario Portuguez & Latino. v. 7. Coimbra: Collegio Das Artes Da Companhia De Jesu, 1712 - 1728. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5441. Acesso em: 6 jul. 2020.

Borba FS. Dicionário de usos do português do Brasil. São Paulo: Ática; 2002.

Borba FS. Dicionário gramatical de verbos do português contemporâneo do Brasil. São Paulo: Editora da Unesp; 1990.

Bréal, M. Essai de sémantique. Paris: Hachette, 1897. Disponível em: https://fr.wikisource.org/wiki/Essai_de_S%C3%A9mantique. Acesso em: 6 jul. 2020.

Bueno FS. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. v. 8. São Paulo: Brasília; 1974.

Cançado M. Manual de semântica. São Paulo: Contexto; 2013.

Cunha AG. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1982.

Cunha AG. Vocabulário histórico-cronológico do português medieval. Rio de janeiro: Casa de Rui Barbosa; 2014. v. 2.

Corominas J. Diccionario crítico etimológico de la lengua castellana. Madrid: Gredos; 1954. v. 4.

Davies M. Corpus do português. Disponível em: https://www.corpusdoportugues.org/hist-gen/; Acesso em: 6 jul. 2020.

Fernandes F. Dicionário brasileiro Globo. São Paulo: Globo; 1995.

Ferreira ABH. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1975.

Figueiredo C. Novo diccionário da língua portuguesa. Lisboa: Portugal Brasil; 1913.

Frege G. On sense and reference. Tradução de: Über Sinn und Bedeutung, Zeitschrift für Philosophie und philosophische Kritik NF 100, p. 25-50. 1892. Disponível em: http://www.scu.edu.tw/philos/98class/Peng/05.pdf. Acesso em: Acesso em: 10 jan. 2020.

Freire L. Dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: s/e; 1940. v. 5.

González González M. Dicionario da Real Academia Galega. Tabernas: Real Academia Galega; 2012. Disponível em: https://academia.gal/dicionario. Acesso em: 6 jul. 2020.

Halliday MAK, Hasan R. Cohesion in English. London/New York: Longman; 1995 [1976].

Heckler E, Back S, Massing E. Dicionário etimológico da língua portuguesa. São Leopoldo: Unisinos; 1984.

Houaiss, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Versão 1.0. Rio de Janeiro: Objetiva; 2009. 1 CD-ROM.

Lakoff G, Johnson M. Metaphors we live by. Chicago: University of Chicago Press; 1980.

Lorenzo L. Sobre cronologia do vocabulário galego-português. Vigo: Galaxia; 1968. apud DDGM Dicionario de dicionarios do galego medieval. Disponível em:http://sli.uvigo.es/DDGM/index.php. Acesso em: 6 jul. 2020.

Moreno A, Cardoso Jr., Machado JP. Grande dicionário da língua portuguesa. Lisboa: Confluência; 1949. v. 11.

Nascentes A. Dicionário da língua portuguêsa. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional; 1967. v. 4.

Pereira B. Prosodia in vocabularium bilingue. Évora: Tipografia da Academia, 1697. Disponível em: http://clp.dlc.ua.pt/Inicio.aspx. Acesso em 6 jul. 2020.

Pinto LMS. Diccionario da Lingua Brasileira por Luiz Maria da Silva Pinto, natural da Provincia de Goyaz. Ouro Preto: Typographia de Silva; 1832. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5414. Acesso em: 6 jul. 2020.

Real Academia Española: Diccionario de la lengua española, [versión 23.3 en línea]. Disponível em: https://dle.rae.es. Acesso em: 10 jan. 2020.

Riemer N. Semantic variation and change. In: ________. Introducing Semantics. Cambridge: CUP; 1982. p. 370-422.

Rubim BC. Vocabulario brasileiro para servir de complemento aos diccionarios da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Emp. Typ. Dous de Dezembro de Paula Brito Impressor da Casa Imperial; 1853. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/3886. Acesso em: 6 jul. 2020.

Silva AM, Bluteau R. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Lisboa: Na Officina de Simão Thadeo Ferreira; 1789. v. 2. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5413. Acesso em: 6 jul. 2020.

Sweetser E. From Etymology to Pragmatics. Cambridge: CUP; 1990.

Taunay AE. Lexico de lacunas, subsidios para os diccionarios da lingua portuguesa. Tours: E. Arrault; 1914. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/6962. Acesso em: 6 jul. 2020.

Traugott E. On the Rise of Epistemic Meanings in English: An Example of Subjectification in Semantic Change. Language, 65, 1989, p. 31-55. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/414841?read-now=1&seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 6 jul. 2020.

Traugott E. From pospositional to textual and expressive meanings. In Lehmann, W.; Malkiel, Y. (Eds.). Perspectives on Historical Linguistcs. Amsterdam: Benjamins; 1982. p. 263-314.

TWITTER. Disponível em: https://twitter.com/login?lang=pt.

Ulmann S. Mudança de significado. In ________. Semântica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 1964. p. 401-492.

Viaro ME. Etimologia. São Paulo: Contexto; 2011.

Viaro ME. Manual de etimologia do português. São Paulo: Globo; 2013a.

Viaro ME. Uma breve história da Etimologia. Filologia e linguística portuguesa, São Paulo, v. 15, n. spe., p. 27-67, dez. 2013b. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/82818. Acesso em: 6 jul. 2020.

Victorri B, Fuchs C. La polysémie. Paris: Hachette; 1996.

Vygostki LS. Pensamiento y lenguaje. In ________. Problemas de Psicologia General; Obras Escogidas. v. 2. Madrid: Visor, 1993; p. 11-348. [1934]

Downloads

Publicado

2020-12-22 — Atualizado em 2020-12-22

Versões

Como Citar

Duchowny, A. T., & Silva, C. de O. (2020). O Item trouxa no português do Twitter. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 189-203. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp189-203

Edição

Seção

Artigos