Análise pragmático-discursiva de cartas trocadas entre Epifânio Dória e José Calasans

Autores

  • Renata Ferreira Costa Universidade Federal de Sergipe - UFS https://orcid.org/0000-0002-4263-4955
  • José Douglas Felix de Sá Universidade Federal de Sergipe
  • Luiza Daviane Santos Barbosa Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp145-166

Palavras-chave:

Filologia, Pragmática Textual, Epistolgrafia, Epistolografia, Discurso epistolar, Cartas Pessoais

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo sobre a natureza da comunicação epistolar entre Epifânio Dória e José Calasans, dois representativos intelectuais sergipanos que mantiveram correspondência por dezesseis anos. Os corpora epistolares em análise são edições semidiplomáticas, isto é, conservadoras do estado de língua em que os textos foram escritos, de missivas manuscritas e datiloscritas de Epifânio Dória (1884-1976) e José Calasans (1915-2001), que se encontram nos espólios desses intelectuais salvaguardados no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (IHGSE). A análise empreendida considera o exame das condições de produção e circulação dos textos epistolares e o seu papel na história e na sociedade. A eleição da carta como objeto de pesquisa, visando à reflexão sobre sua contextualidade, permitiu que a análise textual se conjugasse com uma perspectiva pragmática, pela própria natureza dessa situação comunicativa. Assim é que, no contexto da superfície textual, em nível pragmático-discursivo, foram sistematizadas e analisadas as rotinas verbais de abertura, pré-fecho e fecho das cartas, de acordo com o modelo de Análise Interacional da Comunicação Epistolar (AICE), proposto pela professora e pesquisadora Isabel Roboredo Seara.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Ferreira Costa, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Doutora em Letras, área de concentração Filologia e Língua Portuguesa, pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - USP. Professora adjunta do Departamento de Letras Vernáculas, do Mestrado Profissional em Letras e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Sergipe - UFS.

José Douglas Felix de Sá, Universidade Federal de Sergipe

Graduado em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal de Sergipe.

Luiza Daviane Santos Barbosa, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda em Letras Vernáculas pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista PIBIC/COPES (2019-2020).

Referências

Adam J-M. Por uma colaboração das ciências do estabelecimento dos textos (genética, filologia, tradução). In: Rodrigues MGS, Silva Neto JG, Passegi, L, organizadores. Análises Textuais e Discursivas: metodologia e aplicações. São Paulo: Cortez; 2010. p. 15-43.

Brito S. O tom confessional e autobiográfico na epistolografia de Machado de Assis. Lisboa: Chiado Books; 2018.

Campello LOS. Os guardados de Epifânio Dória: abordagem arquivística em arquivos pessoais. Revista do IHGSE; 2011;1(41):409-423.

Campello LOS. Epifânio Dória e o IHGSE: 64 anos de contribuição para a preservação do patrimônio documental e da memória sergipana e nacional. Revista do IHGSE. 2012;1(42): 01-25.

Costa RF, Sá JF. O espólio epistolar de Hermes Fontes: considerações e proposta de edição. Filologia e Linguística Portuguesa. 2018;20(2):191-210. [citado 12 out. 2019]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/150604.

Dantas I. Calasans e o IHGSE. In: Albuquerque S, organizador. José Calasans e Sergipe. Aracaju: IHGSE; São Cristóvão: UFS; 2016. p. 20-37.

Diaz B. O Gênero Epistolar ou o Pensamento Nômade: formas e funções da correspondência em alguns percursos de escritores no século XIX. Hervot B, Ferreia S, tradutoras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 2016.

Haroche-Bouzinac G. Escritas Epistolares. Ferreira LF, tradutora. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; 2016.

Kerbrat-Orecchioni C. L’interaction épistolaire. In: Siess J., organisateur. La letter, entre réel et fiction. Paris: Sedes; 1998. p. 15-36.

Leite MQ. A Carta Pessoal: Metodologia e Análise. In: Gil BD, Cardoso EA, Condé VG, organizadoras. Modelos de Análise Linguística. São Paulo: Contexto; 2009. p. 115-134.

Muhana AF. O Gênero Epistolar: Diálogo per absentiam. Discurso. 2000;(31): 329-345. [citado 10 out. 2019]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/38043.

Nunes MT. José Calasans. In: Barreto, LA, organizador. Personalidades Sergipanas. Aracaju: Typografia Editorial; 2007. p. 86-87.

Seara IR. Da epístola à mensagem electrónica: metamorfoses das rotinas verbais [tese]. Lisboa: Departamento de Língua e Cultura Portuguesa, Universidade Aberta; 2006.

Seara IR. A palavra nómada. Contributos para o estudo do género epistolar. Estudos Linguísticos. 2008;1:121-144.

Seara IR. A confissão intimista na correspondência amorosa de António Lobo Antunes: estudo pragmático. Anais do II Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa. A Língua Portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntas culturas. Évora: Universidade de Évora; 2010, p. 77-97. [citado 09 nov. 2019]. Disponível em: http://www.simelp2009.uevora.pt/pdf/slt61/06.pdf.

Silva JQG. Um Estudo sobre o Gênero Carta Pessoal: das práticas comunicativas aos indícios de interatividade na escrita dos textos [tese]. Belo Horizonte, Minas Gerais: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais; 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-22 — Atualizado em 2020-12-22

Versões

Como Citar

Costa, R. F., Sá, J. D. F. de, & Barbosa, L. D. S. (2020). Análise pragmático-discursiva de cartas trocadas entre Epifânio Dória e José Calasans. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 145-166. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp145-166

Edição

Seção

Artigos