Fontes coloniais e escravidão: relações de trabalho e práticas culturais na América portuguesa

Autores

  • Norma Suely da Silva Pereira Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp113-129

Palavras-chave:

Filologia, Fontes coloniais, Escravidão, Perfis profissionais na diáspora

Resumo

O intenso tráfico negreiro transatlântico resultou no sequestro de cerca de 12,5 milhões de africanos, entre os séculos XVI e XIX, sendo os seus principais destinos na América portuguesa os portos do Rio de Janeiro, da Bahia e de Pernambuco. Por meio da análise de manuscritos, busca-se exercitar o papel político, social e histórico da Filologia, ciência primordial na construção da História, tomando como objeto de análise o registro, em documentos notariais, dos novos perfis sociais e profissionais construídos na diáspora africana, na Bahia colonial. Para tanto, estabelece-se um referencial teórico transdisciplinar que institui o diálogo entre a Filologia e outras ciências afins, a exemplo da Paleografia, ciência que orienta a leitura de manuscritos, da Diplomática, pelo auxílio que presta na análise dos formulários, da Sociologia dos textos, que observa os testemunhos pretéritos em seu contexto, da História cultural, para respaldar o estudo das práticas culturais e da Onomástica, que auxilia na compreensão dos perfis sociais do período. O estudo demonstra a importância do conhecimento do passado para a compreensão da realidade presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Norma Suely da Silva Pereira, Universidade Federal da Bahia

Professora Associada da Área de Filologia Românica da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura –PPGLinC –do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia; coordena o Grupo de Estudos Escritas e Práticas Culturais (GEEPCult –UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Referências

Acioli VLC. A Escrita no Brasil colonial: um guia para leitura de documentos manuscritos. Recife: EDUFPE, Fund. Joaquim Nabuco, Massangana; 1994.

Andrade AB. O outro lado da baía: a gênese de uma rede urbana colonial. Salvador: EDUFBA; 2013.

Belloto HL. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de Arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; 2002.

Cambraia CN. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes; 2005.

Carvalhinhos P de J. As origens dos nomes de pessoas. Domínios de lingu@gem, Revista Eletrônica de Linguística, 2007;1(1). Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/11401/6686.

Chamon CS. O bem da alma: a terça e a tercinha do defunto nos inventários do séc. XVIII da Comarca do Rio das velhas. Revista Vária história, 1993;12:58-65.

Chartier R. História: tempo de leitura. In: Chartier R. A mão do autor e a mente do editor. Trad. George Schlesinger. São Paulo: EDUNESP; 2014. p. 53-78.

Dick MV. Os nomes como marcadores ideológicos. Acta semiótica et Lingvística, 1998;7(1):97-122.

Duranti L. Diplomática: novos usos para uma antiga ciência (parte V). Acervo, 2015;28(1):196-215.

Fernandes IX. Topônimos e gentílicos. Porto: Educação Nacional; 1941.

Finley MI. Escravidão antiga e ideologia moderna. Traducão de Norberto Luiz Guarinello. Rio de Janeiro, Graal; 1991.

Livro I do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador, Mosteiro de São Bento. Edição semidiplomática. Coord. Marla Oliveira Andrade. In: Lose AD, Paixão DG, OSB. (org.) Livros do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador: Memória & arte; 2016. [citado 25 jul. 2018]. Disponível em: http://saobento.org/livrosdotombo/livros/livro-i/.

Livro Velho do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador, Mosteiro de São Bento. Edição semidiplomática. Coord. Célia M. Telles. In: Lose AD, Paixão DG, OSB. (org.) Livros do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia: Salvador: Memória & arte; 2016. [citado 25 jul. 2018]. Disponível em: http://saobento.org/livrosdotombo/.

Mattos RA. De cassange, mina, benguela a gentio da Guiné: grupos étnicos e formação de identidades africanas na cidade de São Paulo (1800-1850). [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2006.

Marques G. “Por ser cabeça de Estado do Brasil”: as representações da cidade da Bahia no século XVII. In: Souza ES, Marques G, Silva R. (org.). Salvador da Bahia: retratos de uma cidade atlântica. Salvador: EDUFBA Lisboa: CHAM, 2016. p. 17-46.

Martínez TM, Asencio JMR. Paleografía y Diplomática. Madrid: Universidad Nacional de Educación a Distancia; 1982.

Mckenzie DF. Bibliografía y sociología de los textos. Trad. Fernanda Veríssimo. São Paulo: EDUSP; 2018 [1999].

Pereira NS da S. As confrarias e a construção do ethos de bom cristão em testamentos da Bahia colonial. Encontro de estudos multidisciplinares em cultura, 12 - XII ENECULT. Anais [...] Salvador: UFBA; 2016. p. 1-10. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult/anais/2894-2/.

Pereira NS da S. Edição de testamentos: aspectos do contexto sócio-histórico e as práticas culturais. Revista da ABRALIN, 2017;16(3):467-483.

Petrucci A. La ciencia de la escritura: primera lección de Paleografía. Trad. Luciano Padilla López. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica; 2003

Portela BM. Gentio da terra, gentio da guiné: a transição da mão de obra escrava e administrada indígena para escravidão africana (Capitania de São Paulo,1697-1780). [tese].Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2014.

Reis JJ. Ganhadores: a greve negra de 1857 na Bahia. São Paulo: Companhia das Letras; 2019.

Requerimento do jesuíta e procurador da Província, Antônio Andrade f. 1r, L.7 a 12, 1716. AHU_ACL_CU_005, Cx. 11, D. 917. Disponível em: http://resgate.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=005_BA_AV&PagFis=7135&Pesq=Ant%c3%b4nio%20Andrade

Requerimento do cavaleiro professo na ordem de cristo, Raimundo Maciel Soares, proprietário do ofício de selador da Alfândega, ao rei [D. José] para provisão de licença autorizando a criação de um recolhimento na cidade da Bahia, [1752]). AHU_ACL_CU_005, Cx. 117Doc. 9141 (1)

Rodrigues JJS; Almeida FL, Pereira NS da S. Notícias sobre uma aldeia de índios na Bahia setecentista: o caso de Natuba. In: IISEMINÁRIO NACIONAL DE PALEOGRAFIA, 2. Anais [...]. Salvador: ILUFBA, [2020]. No prelo.

Salles HN. A dízima da Alfândega de Salvador e o Império Ultramarino português na primeira metade do século XVIII. Revista Ângelus novus, 2014;7:31-48.

Schwartz, SB. Burocracia e sociedade no Brasil colonial: o Tribunal Superior da Bahia e seus desembargadores, 1609-1751. Tradução Berilo Vargas. São Paulo: Companhia das Letras; 2011.

Schwartz, SB. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial 1550-1835. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras; 1988.

Silva KH da. Distinção, Privilégio e Honra: Os Cavaleiros da Ordem de Cristo da Capitania de Pernambuco nos séculos XVII- XVIII. In: Simpósio nacional de História, 27. Anais [...] Natal; 2013. p. 1-19.

Silva Júnior C. Tráfico, escravidão e comércio em Salvador do século XVIII: a vida de Francisco Gonçalves Dantas (1699-1738). In: Reis JJ, Azevedo E. (org.). Escravidão e suas sombras. Salvador: EDUFBA; 2012. p. 143-185.

Slave Voyages, 2013. Disponível em: http://www.slavevoyages.org/voyage/.

Soares M de C. Mina, Angola e Guiné: Nomes d’África no Rio de Janeiro Setecentista. Tempo, 1998; 3(6). Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_ dossie/artg6-6.pdf.

Spina S. Introdução à Edótica: Crítica Textual. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Ars poética: EDUSP; 1994.

Stumpf RG. Os provimentos de ofícios: a questão da propriedade no Antigo Regime português. Topoi, 2014;15(29):612-634. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/topoi/v15n29/1518-3319-topoi-15-29-00612.pdf.

Downloads

Publicado

2020-12-22 — Atualizado em 2020-12-22

Versões

Como Citar

Pereira, N. S. da S. (2020). Fontes coloniais e escravidão: relações de trabalho e práticas culturais na América portuguesa. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 113-129. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp113-129

Edição

Seção

Artigos