Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-22. Leia a versão mais recente.

Reavaliando a etimologia de abacaxi a partir de novos dados histórico-filológicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp205-215

Palavras-chave:

Etimologia, Filologia, Tupinismos, Palavras de origem tupi

Resumo

A hipótese etimológica consensual para abacaxi é que esta unidade lexical se origina do tupi, pela junção dos elementos yvá “fruta” e katĩ “que recende”, “que exala cheiro”. No presente artigo, essa hipótese é reavaliada a partir de dados de atestações anteriores desta unidade lexical. Inicialmente, apresentam-se dados lexicográficos com descrições etimológicas (seção 2); em seguida, avaliam-se as transformações fonético-fonológicas implicadas pela hipótese consensual, que levam à conclusão de que se trata de hipótese controversa (seção 3). Na seção 4, apresentam-se dados histórico-filológicos que mostram que a unidade lexical abacaxi designou um povo indígena, um rio e uma missão jesuítica, no mínimo um século antes de passar a designar uma fruta. Dessa forma, torna-se incoerente supor que uma unidade lexical que se referia a um povo pudesse ter como étimo “fruta que recende”. Por fim, conclui-se que a hipótese etimológica consensual deve ser tratada como controversa e que uma nova hipótese etimológica deve ser buscada não para o nome de uma fruta, mas sim para o nome de um povo indígena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alcedo A. Diccionario Geográfico-Histórico de las Indias Occidentales o América... Tomo II. Madrid: en la imprenta de Manuel González; 1787. [citado 29 jan. 2020]. Disponível em: https://play.google.com/store/books/details?id=pCR_UhdVUggC&rdid=book-pCR_UhdVUggC&rdot=1.

Anchieta J. Arte de grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz, 1595. [citado 4 jul. 2020]. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/4674.

Betendorf JF. Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. Revista do Instituto Historico e Geographico Brazileiro. 1910; Tomo LXXII, Parte I. [citado 28 jan. 2020]. Disponível em: http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/biblio%3Abetendorf-1910-chronica/betendorf_1910_chronica.pdf.

Bueno FS. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva; 1968.

Bueno FS. Vocabulário tupi-guarani português. 5.ª ed. São Paulo: Brasilivros; 1987.

Cunha AG. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1982.

Cunha AG. Dicionário histórico das palavras portuguesas de origem tupi. 5.ª ed. São Paulo: Melhoramentos; Brasília: UnB; 1999.

Daniel J. Tesouro descoberto no rio Amazonas. Anais da Biblioteca Nacional. 1975; vol. 95, tomos 1 e 2, 1975. [citado 28 jan. 2020]. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/402630/per402630_1975_A00095.pdf.

Freire L. Grande e novíssimo dicionário da língua portuguêsa. 3.ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio; 1957.

Harenberg JC. Pragmatische Geschichte des Ordens der Jesuiten... Halle und Helmstädt: Carl Hermann Hemmerde; 1760. [citado 28 jan. 2020]. Disponível em: https://play.google.com/store/books/details?id=1vFiAAAAcAAJ&rdid=book-1vFiAAAAcAAJ&rdot=1.

Houaiss A, Villar M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Lisboa: Temas e Debates; 2003.

Houaiss A, Villar M. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2009.

Houaiss A., Villar M. Grande dicionário Houaiss da língua portuguesa. UOL; s/d. [citado 27 jan. 2020]. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v3-3/html/index.php.

Machado JP. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Lisboa: Confluência; 1952.

Nascentes A. Dicionário etimológico da língua portuguêsa. Rio de Janeiro: Francisco Alves; 1955.

Papavero N, Porro A. (orgs.) Anselm Eckart, S. J. e o estado do Grão-Pará e Maranhão setecentista (1785). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; 2013.

Rubim BC. Vocabulario brasileiro para servir de complemento aos diccionarios da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Emp. Typ. Dous de Dezembro de Paula Brito; 1853. [citado 27 jan. 2020]. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/3886/1/016341_COMPLETO.pdf.

Soares AJM. Diccionario brasileiro da lingua portugueza. Rio de Janeiro: Typ. de G. Leuzinger e Filhos; 1889. [citado 27 jan. 2020]. Disponível em: https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id=76018.

Tastevin C. Grammatica da lingua tupy. São Paulo: Officinas do Diario Oficial; 1923.

Vasconcellos S. Chronica da Companhia de Jesu do Estado do Brasil... Lisboa: na Oficina de Henrique Valente de Oliveira; 1663. [citado 29 jan. 2020]. Disponível em: https://play.google.com/store/books/details?id=bHT08G-vNSIC&rdid=book-bHT08G-vNSIC&rdot=1.

Viaro M. Etimologia. São Paulo: Contexto; 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Versões

Como Citar

Maroneze, B. (2020). Reavaliando a etimologia de abacaxi a partir de novos dados histórico-filológicos. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 205-215. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp205-215

Edição

Seção

Artigos