A Filologia e o estudo de Requerimentos do Arquivo Histórico Ultramarino

Autores

  • Eliana Correia Brandão Gonçalves Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp75-92

Palavras-chave:

Filologia, Textos históricos, Memória, Violência, Escravatura e (re)existência negra

Resumo

O artigo apresenta considerações sobre a notabilidade da Filologia na organização de edições de Requerimentos históricos do Conselho Ultramarino, que registram uma complexa rede histórico-cultural e linguística. Nesse viés, a ação transformadora da atividade filológica reverbera lampejos críticos nas descontinuidades dos diversos tempos do texto – tempo de produção, tempo de recepção e tempo de análise – e no reconhecimento das variadas lutas políticas dos nossos semelhantes, lugares de memória e territórios de identidade. No âmbito dessas conceituações e reflexões, a leitura filológica é dinâmica e plural, buscando desvelar no multiverso do texto os seus rastros e as suas significações políticas. Para tanto, será examinado o Requerimento do escravo Francisco da Cruz ao príncipe regente [D. João] que solicita proteção régia contra as injustiças praticadas por seu senhor Antônio da Cruz Veloso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliana Correia Brandão Gonçalves, Universidade Federal da Bahia

ProfessoraAdjuntada Área de Filologia Românica da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura –PPGLinC –do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia; Coordenao Grupo de Estudos Filológicos e Lexicais(GEFILL –UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Referências

Acioli VLC. A escrita no Brasil colônia: um guia para leitura de documentos manuscritos. Recife: EDUFPE/ FUNDAJ/ Massangana; 1994.

Agamben G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Honesko VN, tradutor. Chapecó: Argos; 2009.

Alencastro LF. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras; 2000.

Aras LMB de. Escravos nos movimentos federalistas. Bahia, 1832 – 1833. Politeia: História e Sociedade; 2012; 2 (1): 151 – 172. [citado 1 mar. 2018]. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1299165598_ARQUIVO_AsideiasfederalistasnaBahiaoitocentista(LinaAras).pdf

Bellotto HL. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado; 2002. (Série Como Fazer, Vol. 8).

Bourdieu P. O poder simbólico. Tomaz F, tradutor. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil; 1989.

Brito LC. Temores da África: segurança, legislação e população africana na Bahia oitocentista. Salvador: EDUFBA, 2016.

Cambraia CN, Cunha AG, Megale H. Normas para a transcrição de documentos manuscritos para a história do português do Brasil. In: A carta de Pero Vaz de Caminha. São Paulo: Humanitas; 1999. p. 23-26. (Série Série Diachronica, Vol. 1)

Chartier R. Escutar os mortos com os olhos. Estudos Avançados. 2010; 24(69): 7-30.

Chartier R. Os desafios da escrita. Moretto FML, tradutor. São Paulo: EDUNESP; 2002.

Dantas MD. Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda; 2011.

Didi-Huberman, G. Sobrevivência dos vaga-lumes. Nova VC; Arbex M, tradutor. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

Fachin PRM. Critérios de leitura de manuscritos: em busca de edições fidedignas. Filologia e Linguística Portuguesa. 2009; 10-11: 237-262.

Foucault M. A ordem do discurso. Sampaio LFA, tradutor. 11 ed. São Paulo: Loyola; 2004.

Gonçalves ECB. Construção discursiva do ethos da autoridade institucional: poder, vigilância e revoltas escravas na Bahia. Letras de Hoje: estudos e debates em linguística, literatura e língua portuguesa. 2019a; 54(3): 350-358. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15448/1984 - 7726.2019.3.30947

Gonçalves ECB. Diálogos entre Crítica Filológica e Linguística Histórica: construindo trilhas para o estudo linguístico de textos históricos. In: ATAÍDE, Cleber et al. (Orgs.) Estudos linguísticos e literários [recurso eletrônico]: caminhos e tendências. 1.ª ed. São Paulo: Pá de Palavra; 2019b, v. 1. p. 11-20.

Gonçalves ECB. Leitura crítico-filológica de Resolução de 1822: revoltas, vigilância, violência e punição na Bahia do século XIX. Filologia e Linguística Portuguesa. 2018; 20 (2): 153-174. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v20i2p153-174.

Gonçalves ECB. Léxico e história: lutas e contextos de violência em documentos da Capitania da Bahia. ABRALIN. 2017; 16(2): 191 - 218. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v16i2.52006

Karnal L, Tatsch FG. Documento e história: a memória evanescente. In: Pinsky, CB, Luca TR de, organizadores. O historiador e suas fontes. 1.ª ed. São Paulo: Contexto; 2011.

Gumbrecht HU. Los poderes de la Filología: dinámicas de una práctica académica del texto. Mazzucchelli A, tradutor. México: Universidad Iberoamericana; 2007.

Le Goff J. História e memória. Leitão B, Ferreira, I, 4.ª ed. Campinas: São Paulo: EDUNICAMP; 1996.

Monte VM do. Correspondências Paulistanas: as formas de tratamento em cartas de circulação pública (1765-1775) [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2007.

Orlandi EP. Discurso e leitura. 7.ª ed. São Paulo: Cortez; 2006.

Pons Rodríguez L. Introducción: la historia de la lengua y la história de las transmisiones textuales. In: Pons Rodríguez L, editor. Historia de la lengua y crítica textual. Madrid/ Frankfurt: Iberoamericana/ Vervuert; 2006. p. 9-17.

Reis JJ. Recôncavo rebelde: revoltas de escravos nos engenhos bahianos. Afroásia; Salvador, 1992; 15: 100 - 126.

Reis JJ. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. Revista USP; São Paulo, dezembo/fevereiro de 1995-1996; 28: 14-39.

Said EW. O regresso à Filologia. Humanismo e crítica democrática. Eichenberg R. São Paulo: Companhia das Letras; 2007.

Sanchis AM. La Carta, fuente de conocimiento histórico. Revista de História Moderna. València: Universitat de València, 2000; 18: 13 – 26.

Tavares LHD. História da Bahia. São Paulo: UNESP; Salvador: EDUFBA; 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-22 — Atualizado em 2020-12-22

Versões

Como Citar

Gonçalves, E. C. B. (2020). A Filologia e o estudo de Requerimentos do Arquivo Histórico Ultramarino. Filologia E Linguística Portuguesa, 22(Especial), 75-92. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22iEspecialp75-92

Edição

Seção

Artigos