Templates silábicos no Português do Príncipe: processos em coda e ‘prevalência’ de sílabas CV

Autores

  • Amanda Balduino Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i2p247-270

Palavras-chave:

Português, Sílaba, Coda, Processos fonológicos, São Tomé e Príncipe

Resumo

Este artigo discute a silabificação no Português do Príncipe (PP), variedade da língua portuguesa falada em Santo Antônio do Príncipe, em São Tomé e Príncipe. Focaremos, para tanto, na coda. Apresentamos, inicialmente, os templates silábicos do PP, indicando os segmentos licenciados nos diferentes constituintes da sílaba. Após isso, fazemos o levantamento de alguns processos fonológicos, cujo domínio é a coda. Com base em um corpus de fala espontânea, verificamos que a coda, no PP, pode ser preenchida, com múltiplas realizações fonéticas de um rótico /r/, uma sibilante /S/, uma lateral /l/ ou mesmo abarcar uma nasal subespecificada /N/, da mesma forma que é previsto para outras variedades do português como a brasileira e a europeia. Processos fonológicos que têm a coda como domínio de aplicação e as consoantes /r/, /S/ e /l/ como alvo também foram observados: apagamentos, velarização, vocalização e posteriorização. O levantamento de tais fenômenos, no PP, corrobora uma concepção hierárquica para tratamento da estrutura silábica do PP e indica a atuação de duas trajetórias gramaticais paradoxais: a prevalência de sílabas CV fomentada por apagamentos e lenição segmentais, em que sílabas fechadas se adaptam em sílabas abertas, e a emergência de estruturas silábicas complexas, promovidas pela ressilabificação de /S/.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Balduino, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Filologia e Língua Portuguesa, Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

Referências

Abaurre MB, Sândalo MF. Os róticos revisitados. In: Hora D, Collischonn G, organizadores. Teoria linguística: fonologia e outros temas. João Pessoa: Editora Universitária da Universidade Federal da Paraíba; 2003. p. 144-199.

Agostinho AL. Róticos em contexto intervocálico no português da Ilha do Príncipe: fonologia e educação. IX Encontro da ABECS; 28 nov-30nov. 2016; Brasília, DF, Brasil.

Agostinho AL, Soares E, Mendes M. Merging of quasi-phonemes in contact situations: evidence from rhotics in Principense Portuguese. Annual Meeting on Phonology; 18 set-20set. 2020; University of California Santa Cruz, California.

Araujo G, Agostinho AL. Padronização das línguas nacionais de São Tomé e Príncipe. Língua e Instrumentos Linguísticos. 2010;26:49-81.

Araujo G, Balduino A. Nasalização vocálica no português urbano de São Tomé e Príncipe. Diacrítica. 2019;33(2):41-68.

Araujo G. Há uma política linguística para o português em São Tomé e Príncipe? In: Souza S, Olmo F, organizadores. Línguas em português - a lusofonia numa visão crítica. Porto: Universidade do Porto Press; 2020. p. 173-197.

Balduino AM. A nasalidade vocálica no português falado em São Tomé e Príncipe [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2018.

Balduino AM. Apagamento de /R/ e /S/ em coda no português principense. PAPIA. 2019;29(1):25-39.

Balduino AM. Processos fonológicos no português de São Tomé e de Santo António do Príncipe [tese em preparação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; em preparação.

Balduino AM, Vieira N. Distribuição da lateral /l/ em coda no português santomense. Estudos Linguísticos. 2020;49(2):594-615.

Balduino AM, Vieira N, Freitas S. A coda no português santomense (PST) e principense (PP): aspectos gerais e processos de apagamento. Revista da Abralin. 2020;19(1):1-26.

Bandeira M. Reconstrução fonológica e lexical do protocrioulo do Golfo da Guiné [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2017.

Bauer L. Lenition revisited. Journal of Linguistics. 2008;44(3):605-624.

Bouchard ME. Linguistic variation and change in the Portuguese of São Tomé [thesis]. New York: Department of Linguistics, New York University; 2017.

Bisol L. A sílaba e seus constituintes. In: Neves M, organizadora. Gramática do português culto falado: novos estudos, v. 7. Campinas: Editora da UNICAMP; 1999. p. 701-742.

Blevins J. The syllable in phonological theory. In: Goldsmith J, editor. Handbook of phonological theory. London: Basil Blackwell; 1995. p. 206-244.

Boersma P, Weenink D. Praat: doing phonetics by computer [programa de computador]. Versão 5.3.82. Amsterdam: Universiteit van Amsterdam; 2018. [citado 20 jan. 2018]. Disponível em: http://www.fon.hum.uva.nl/praat.

Braga G. A prosódia do português de São Tomé: a entoação do contorno neutro [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2018.

Brandão S, et al. Róticos na variedade urbana do português de São Tomé. PAPIA. 2017;2(2):293-315.

Brandão S, Mota M, Cunha C. Um estudo contrastivo entre o português europeu e o português do Brasil: o –R final de vocábulo. In: Brandão S, Mota M, organizadoras. Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. Rio de Janeiro: In-Fólio; 2003. p. 163-180.

Brandão S, organizadora. Duas variedades africanas do português: variáveis fonético-fonológicas e morfossintáticas. São Paulo: Blucher; 2018.

Brescancini C. A palatalização da fricativa palato-alveolar e sua complexidade: uma regra variável [tese]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica; 2002.

Callou DM. Variação e distribuição da vibrante na fala culta do Rio de Janeiro [tese]. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1987.

Callou D, Leite Y, Moraes J. Processo(s) de enfraquecimento consonantal no português do Brasil. In: Abaurre MB, Rodrigues AC. Gramática do português falado volume VIII: novos estudos descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP; 2002. p. 537-555.

Callou D, Serra C. Variação do rótico e estrutura prosódica. Revista do GELNE. 2012;14(1/2):41-57.

Clements G. The role of the sonority cycle in core syllabification. In: Kingston J, Beckman M, editors. Papers in laboratory phonology I: between the grammar and physics of speech. Cambridge: Cambridge University Press; 1990. p. 283-333.

Christofoletti A. Ditongos no português de São Tomé e Príncipe [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2013.

Christofoletti A, Araujo G. Vogais e ditongos no português vernacular de São Tomé e Príncipe. In: Oliveira M, Araujo G, organizadores. O português na África Atlântica. São Paulo: Humanitas/Fapesp; 2018. p. 258-296.

Couto H. Linguística, ecologia e ecolinguística. São Paulo: Contexto; 2009.

Godlsmith J. Syllable structure. In: Godlsmith J. Autosegmental and metrical phonology. Oxford: Basil Blackwell Publishing; 1990. p.103-140.

Gonçalves R. Propriedade de subcategorização verbal no português de S. Tomé [dissertação]. Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa; 2010.

Hora D, Pedrosa J, Cardoso W. Status da consoante pós-vocálica no português brasileiro: coda ou onset com núcleo não preenchido foneticamente? Letras de Hoje. 2010;45(1):71-79.

Instituto Nacional de Estatística (INE). São Tomé e Príncipe em Números [internet]. 2011. Disponível em: http://http://www.ine.st/2012.html.

Lass R. Phonology: an introduction to basic concepts. Cambridge: Cambridge University Press; 1984.

Lucchesi D, Baxter A. A transmissão linguística irregular. In: Lucchesi D, Baxter A, Ribeiro I, organizadores. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA; 2009. p. 101-124.

Mateus MH, D’Andrade E. The phonology of Portuguese. Oxford: Oxford University Press; 2000.

Mateus M, Rodrigues C. A vibrante em coda no português europeu. In: Freitas T, Mendes A, organizadores. Actas do XIX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: Colibri; 2004. p. 289-299.

McCarthy J. OCP effects: gemination and antigemination. Linguistic Inquiry. 1986;17(2):207-263.

Miguel MA. As estruturas silábicas e a redução vocálica no português europeu. Revista de Estudos da Linguagem. 2003;11(1):95-118.

Oliveira MA. Reanalisando o processo de cancelamento do (r) em final de sílaba. Revista de Estudos Linguísticos. 1997;6(2):31–58.

Quednau LR. A lateral pós-vocálica no português gaúcho: análise variacionista e representação não-linear [dissertação]. Porto Alegre: Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 1993.

Rennicke I. Variation and change in the rhotics of Brazilian Portuguese [tese]. Helsinque: Universidade de Helsinque; 2015.

Rodrigues C. Todas as codas são frágeis em português europeu? Revista LinguíStica. 2012;8(1):138-149.

Santiago AM, et al. As vogais no Português do Príncipe. In: Hagemeijer T, Oliveira M, Figueiredo C, organizadores. O português na África Atlântica. v. 2. No prelo.

Schwindt LC. O prefixo no português brasileiro: análise prosódica lexical. DELTA. 2001;17(2):175-207.

Selkik E. The syllable. In: Hulst H, Smith N, editors. The structure of phonological representations. Dordrecht: Foris; 1982. p. 337-383.

Silva TC. Trajetórias fonológicas: evolução e complexidade. Revista LinguíStica. 2016;12(esp.):215-229.

Soares VHM. Encontros consonantais em final de palavra no português brasileiro [dissertação]. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais; 2016.

Vieira N, Balduino AM. Apagamento de /R, S, l/ na coda no português de São Tomé: convergência linguística? PAPIA. 2020;30(1):7-33.

Wetzels WL. The lexical representation of nasality in Brazilian Portuguese. Probus. 1997;9(2):203-232.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Balduino, A. (2020). Templates silábicos no Português do Príncipe: processos em coda e ‘prevalência’ de sílabas CV . Filologia E Linguística Portuguesa, 22(2), 247-270. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v22i2p247-270

Edição

Seção

Artigos