Letramento Paleográfico: a escrita para além do código

Autores

  • Wagner Rodrigues Loiola Secretaria de Educação do Estado do Ceará - SEDUC CE
  • Expedito Eloísio Ximenes Universidade Estadual do Ceará - UECE

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v23i2p209-223

Palavras-chave:

Paleografia, Cultura escrita, Letramento Paleográfico, Usos da escrita, Aprendizagem da escrita

Resumo

Discutir sobre uma ciência considerada da “escrita antiga” à luz do letramento, quearece ser algo bem recente, pode até demonstrar uma certa incoerência. No entanto, a Paleografia não estancou na concepção dada a ela por muitos, e essa ciência se adequa muito bem às discussões sobre letramento e sobre práticas pedagógicas de ensino de aquisição da escrita. Este artigo tem por objetivo discutir sobre o Letramento Paleográfico e a atualidade da Paleografia como história da cultura escrita em qualquer época e em suportes vários. Fizemos uma digressão pela história da linguagem e do surgimento da escrita com base em autores que tratam da temática, como ischer (1999 e 2006), Martins (2002), Janson (2015) e autores que tratam da aquisição da escrita na atualidade, como Soares (2002) e Street (2012). Apresentamos algumas formas de escrita antiga, textos produzidos no século XVIII, textos escolares atuais e textos em ambientes virtuais para percebemos o processo de escrita na linha do tempo. Percebemos que a Paleografia, longee ser uma ciência de leitura de textos antigos, é uma ciência que se renova a cada movimento da sociedade, dando conta das realidades e das ações do ser humano em se falando de práticas de escrita e em suportes dos textos. Assim, a Paleografia, comoistória da cultura escrita, éma ciência interdisciplinar e atualizada no tempo presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acioli VL. Escrita no Brasil colônia: um guia para leitura de documentos manuscritos. Recife: UFPE, Fundação Joaquim Nabuco, Massangana; 1994.

Berwanger AR, Leal JEF. Noções de paleografia e de diplomática. 4.ª ed. Santa Maria: Editora UFSM; 2012.

Fischer SR. Uma história da linguagem. Tomás MIG, tradutora. Lisboa: Temas e debates; 1999.

Fischer SR. História da escrita. Pinsky M, tradutora. São Paulo: Editora da UNESP; 2009.

Higounet C. História concisa da escrita. Marcionilo M, tradutor. São Paulo: Parábola; 2003.

Janson T. História das línguas: uma introdução. Bagno M, tradutor. São Paulo: Parábola; 2015.

Loiola WR. Edição e estudo do gênero alvará do século XVIII ao XXI no Ceará [tese]. Fortaleza: Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará – UECE; 2019. Disponível em: https://siduece.uece.br/siduece/trabalhoAcademicoPublico.jsf?id=95924.

Martins W. A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3.ª ed. São Paulo: Ática; 2002.

Mendes UD. Noções de paleografia. São Paulo: Secretaria de Educação; 1953.

Snyder I. Ame-os ou deixe-os: navegando no panorama de letramentos em tempos digitais. In: Araújo JC, Dieb M, organizadores. Letramentos na web: gêneros, interação e ensino. Fortaleza: Edições UFC; 2009. p. 23-46.

Soares M. Letramento: um tema em três gêneros. 2.ª ed. Belo Horizonte: Autêntica; 2002.

Street BV. Eventos de letramento e práticas de letramento: teoria e prática nos novos estudos de letramento. In: Magalhães I, organizadora. Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas: Mercado de Letras; 2012.

Tfouni LV. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez; 1995.

Zozaya-Montes L. Paleografia de las edades media y moderna: transcribir la escritura antigua [Internet]. 2017. Disponível em: https://paleografia.hypotheses.org/2183.

Downloads

Publicado

2022-07-02 — Atualizado em 2021-12-30

Versões

Como Citar

Loiola, W. R., & Ximenes, E. E. . (2021). Letramento Paleográfico: a escrita para além do código. Filologia E Linguística Portuguesa, 23(2), 209-223. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v23i2p209-223 (Original work published 2 de julho de 2022)

Edição

Seção

Artigos