Estatuto morfológico das sequências -alhão e -arrão

Autores

  • Graça Rio-Torto Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v23i2p167-184

Palavras-chave:

Sufixos avaliativos, Infixos, Reanálise, Morfologia derivacional, Formação de palavras do português

Resumo

O presente estudo procura caracterizar o estatuto morfológico de -alh- e de -arr- nas sequências -alhão e -arrão, as mais prototípicas de construções similares que envolvem, por exemplo, -alhaço, -alhote, -alhaz, -arraz. Os afixos -alh- e -arr-, pouco representados na língua portuguesa hodierna, têm sido considerados infixos, sufixos ou segmentos de sufixos compósitos -alhão e -arrão. Os dados do português europeu ‘popular’ de grande parte do século XX contribuem para clarificar o percurso destes sufixos na língua portuguesa (variedades europeia e brasileira). A hipótese que se coloca é a de que se trata de formativos que, de sufixos pouco produtivos, terão sido reanalisados como constituintes de sufixos compósitos, nos quais os formativos mantiveram, cristalizando-os, os valores matriciais herdados. O quadro teórico que espalda esta reflexão é multidimensional, envolvendo nomes de referência dos estudos morfológicos e lexicais como Aronoff e Fudeman (2005), Basílio (1999, 2004), Bechara (2004), Booij (2007, 2010), Cunha e Cintra (1984), Nunes (1989), Rio-Torto (1993, 2020), Vasconcelos (1914). Dados de diferentes sincronias e de diferentes universos sociodialectais podem contribuir para clarificar as representações conceptuais que poderão estar na base de mudanças de estatuto de certos afixos, por via de processos de reanálise que os afetam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graça Rio-Torto, Universidade de Coimbra

Docente da Universidade de Coimbra.

 

Referências

Aronoff M. Morphology by itself. Cambridge: MIT Press; 1994.

Aronoff M, Fudeman K. What is Morphology? Oxford: Blackwell Publishing; 2005.

Azeredo JC. Gramática Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Publifolha; 2010.

Basílio M. Teoria lexical. 6.ª ed. São Paulo: Ática; 1999.

Basílio M. Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto; 2004.

Bechara E. Moderna gramática portuguesa. 37.ª ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Lucerna; 2004.

Boléo MP. Estudos de Linguística portuguesa e românica, vol. I: Dialectologia e história da língua, Tomo I. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis; 1974.

Boléo MP. Le matériel de l'I.L.B. et quelques études de comparaison avec l'Atlas lingüístico de la Península Ibérica et l'Atlas prévio dos falares baianos (Problèmes biosociolinguistiques au Portugal continental: innovation et conservantisme; le langage de la femme; aires statistiques et dynamiques). Revista Portuguesa de Filologia. 1978;17.

Boléo MP, Silva MHS. O mapa dos dialectos e falares de Portugal continental. In: Boléo MP, organizador. Estudos de Linguística portuguesa e românica, vol. I: Dialectologia e história da língua, Tomo I. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis; 1974. p. 309-352.

Booij G. The grammar of words: an introduction to Linguistic Morphology. Oxford: Oxford University Press; 2007

Booij G. Construction Morphology. Oxford: Oxford University Press; 2010.

CETEMPúblico e NILC/São Carlos [internet]. [citado 27 out. 2021]. Disponível em: https://www.linguateca.pt/cgi-bin/acesso.pl.

Costa JA, Melo AS. Dicionário da língua portuguesa. 6.ª ed. Porto: Porto Editora; 1984.

Cunha AG. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; 1986.

Cunha C, Cintra LFL. Nova gramática do português contemporâneo. 10.ª ed. Lisboa: Edições João Sá da Costa; 1984.

Delgado MJ. A linguagem popular do Baixo Alentejo. Beja: Minerva Comercial; 1951.

Dias JL. A linguagem popular da Beira Baixa: apontamentos. Lisboa: Editorial Império; 1962.

Fernandes HP. O Parâmio. Contribuição para o estudo da linguagem e etnografia da região bragançana [dissertação de licenciatura]. Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1961.

Ferreira ABH. Novo dicionário da língua portuguesa. 1.ª ed., 15.ª impressão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1975.

Ferreira ABH. Novo dicionário da língua portuguesa. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1987.

Figueiredo C. Grande dicionário da língua portuguesa. Lisboa, Bertrand. 16.ª edição; 1981. 2 vol.

Fonseca DM. Subsídios para o estudo da linguagem popular da Vermiosa [dissertação de licenciatura]. Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa; 1945.

Fradinho MG. Maneiras de dizer alentejanas. Revista Lusitana. 1933;31:99-137.

Houaiss A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva; 2002.

Langacker RW. Subjectification. Cognitive Linguistics. 1990;1:5-38.

Lopes F. Crónica de D. João I. Almeida ML, Basto, AM, editores. Porto: Livraria Civilização; 1949. (Vol. 2).

Maçãs D. Ironia e depreciação na língua portuguesa: a propósito da obra estilística da ironia. Coimbra: Instituto de Estudos Românicos, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; 1967.

Machado JP. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 3.ª ed. Lisboa: Livros Horizonte; 1977.

Maia CA. Os falares fronteiriços do concelho do Sabugal e da vizinha região de Xalma e Alamedilha. Coimbra: Instituto de Estudos Românicos, 1977.

Matias MFRF. Bilinguismo e níveis sociolinguísticos numa região luso-espanhola (concelhos de Alandroal, Campo Maior, Elvas e Olivença). Revista Portuguesa de Filologia. 1984;18-19.

Meyer-Lübke W. Romanisches etymologisches wörterbuch. 4.ª ed. Heidelberg: Carl Winter Universitätsverlag; 1968.

Monteiro JL. Quem disse que não há infixos em português? Anais do II Congresso Nacional de Linguística e Filologia. Rio de Janeiro: CIFEFIL & UFRJ; 1999. p. 77-97. [citado 02 nov. 2021]. Disponível em: http://www.filologia.org.br/anais/anaisiicnlf50.htm.

Nunes, JJ. Dialectos algarvios. Revista Lusitana. 1902;7:33-55.

Nunes JJ. Compêndio de gramática histórica portuguesa - Fonética e Morfologia. 9.ª ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora; 1989.

Observatório de neologismos do português brasileiro contemporâneo [internet]. [citado 02 nov. 2021]. Disponívem em: https://ccint.fflch.usp.br/observatorio-de-neologismos-do-portugues-brasileiro-contemporaneo.

Paiva MHN. Contribuição para uma estilística da ironia. Lisboa: Publicação do Centro de Estudos Filológicos; 1961.

Pereira FA. Glossário dialectológico do concelho de Arcos de Valdevez (Alto-Minho). Revista Lusitana. 1923;25:180-204.

Pereira FA. Glossário dialectológico do concelho de Arcos de Valdevez (Alto-Minho). Revista Lusitana. 1932;30:187-198.

Pereira MPS. Fafe. Contribuição para o estudo da linguagem, etnografia e folclore do concelho. Revista Portuguesa de Filologia. 1952;3-4-5.

Pombinho Jr. JA. Vocabulário alentejano (subsídios para o léxico português). Revista Lusitana. 1935;33:94-176.

Pontes EMS. Sufixos aumentativos: contribuição para o estudo das possibilidades sufixais aumentativas na língua portuguesa [tese de licenciatura]. Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa; 1959.

Pratt Ó. Notas à margem do novo dicionário da língua portuguesa. Revista Lusitana. 1913;16:206-279.

Relatórios dactilografados do Inquérito Linguístico Boléo (R.I.L.). Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1942-1978. Relatório.

Rio-Torto G. Formação de palavras em português. Aspetos da construção de avaliativos [tese]. Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1993.

Rio-Torto G. Formação de avaliativos. In: Rio-Torto G, et al. Gramática derivacional do português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; 2016, p. 357-389.

Rio-Torto G. Derivação. In: Raposo EP, et al. Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 2020, p. 215-336.

Rocha H. Sotavento. 2.ª ed. Porto: Porto Editora; 1979.

Rocha Lima CH. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio; 1972.

Rodrigues AS. Noções basilares sobre a morfologia e o léxico. In: Rio-Torto G. et al., organizadores. Gramática derivacional do português. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; 2016. p. 35-133.

Salgueiro ML. Contribuição para um estudo linguístico-etnográfico de quatro aldeias: S. Mamede de Riba Tua, Safres, Amieiro e Franzilhal, pertencentes ao concelho de Alijó [dissertação de licenciatura]. Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1945.

Sandmann AJ. Formação de palavras no português brasileiro contemporâneo. Curitiba: Ícone; 1989.

Saraiva Cardeal (D. Francisco de S. Luiz). Obras completas do Cardeal Saraiva. Caldeira AC, editor. Lisboa: Imprensa Nacional; 1872-1883. (Tomo IX: 1880)

Silva FJ. Dicionário da língua portuguesa. 3.ª ed. Porto: Domingos Barreira; 1955.

Skorge S. Os sufixos diminutivos em português. Boletim de Filologia. 1965;16-17.

Soares Barbosa J. Grammatica philosophica da língua portugueza ou princípios da grammatica geral applicados á nossa linguagem. Lisboa: Typographia da Acad. Real das Sciencias. S. L.; 1822.

Sousa ACI. Contribuição para uma monografia etnográfica, linguística e folclórica do concelho de Alfândega da Fé [dissertação de licenciatura]. Coimbra: Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra; 1955.

Sousa AEA. Linguagem popular e etnografia de Escarigo [dissertação de licenciatura]. Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa; 1946.

Souza L. Uma análise dos sufixos -ão, -ona, -aço, -aça, -uço e -uça no português brasileiro [dissertação]. Porto Alegre: Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015. [citado 04 jun. 2022] Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/129022/000968596.pdf?sequence =1&isAllowed=y.

Traugott EC. From subjectification to intersubjectification. In: Hickey R, editor. Motives for Language Change. Cambridge: Cambridge University Press; 2003. p. 124-139.

Vasconcelos CM. Lições de filologia portuguesa (segundo as prelecções feitas aos cursos de 1911-1912 e 1912-1913). Lisboa: Dinalivro; 1914.

Vasconcelos JL. Filologia barranquenha: apontamentos para o seu estudo. Lisboa: IN-CM; 1981[1955].

Viana A. Subsídios para um vocabulário algarvio. Revista de Portugal. 1954;18-19.

Downloads

Publicado

2022-07-02 — Atualizado em 2021-12-30

Versões

Como Citar

Rio-Torto, G. (2021). Estatuto morfológico das sequências -alhão e -arrão. Filologia E Linguística Portuguesa, 23(2), 167-184. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v23i2p167-184 (Original work published 2 de julho de 2022)

Edição

Seção

Artigos